sábado, outubro 20, 2007

20 anos... Os discos que mudaram vidas!

Nem parece, mas em 1987, um professor levou para sala de aula o clássico dos Beatles Sargent Peppers, que naquele ano completava 20 anos após seu lançamento. E fez um longo comentário da imporância desse álbum para a cultura pop.
Naquele mesmo ano, era fã de uma banda irlandesa U2, que lançava "Joshua Tree". Hoje, este álbum lançado há 20 anos, comemora seu 20º aniversário, com o relançamento do CD e lançamento do DVD, que vai trazer o show realizado em 4 de julho de 1987 no Hipódromo de Paris e o documentário "Outside It's America". O álbum "The Joshua Tree", traz os sucessos como "With or Without You", "I Still Haven't Found What I'm Looking For" e "One Tree Hill. Naquele mesmo ano, tive uma notícia muito triste: o fim dos Smiths, cujo o último ábum "Strangeways here we come", também completa 20 anos.
No Brasil, o grupo Barão Vermelho lançava seu segundo álbum sem Cazuza, entitulado "Rock´n Geral", que é pouco lembrado pela mídia, mas um disco fantástico de pura poesia, sendo que muitas letras contém ainda os vestígios de Cazuza, cujas músicas deste álbum nunca tocaram em rádios.
P0is é... O álbum dos Beatles, completando 40, e os discos do U2, Smiths e Barão, completando 20 anos. Muitas vidas mudaram, muitos anos passaram e muitos se foram.

sexta-feira, outubro 19, 2007

O galo

Meu pai tinha um galo. O penoso tinha aproximadamente uns sete anos, era bem pequeno da raça “garnisé” e vivia ciscando pelo quintal de cerâmica, partes em cimento, e muito bravo com quem passava pelo quintal, chegava até a botar o cachorro para correr. O danado não gostava de mim e nem eu dele, achava ridículo um galo no quintal, mas o fato é que me acostumei com o bichinho, mesmo assim, não dava importância.
O penoso era pontual, às 5h da manhã já estava cantando nos acordando e também os vizinhos. Alguns reclamavam. Não importava. Recentemente seu relógio estava meio atrasado, às vezes adiantado... Coisas da idade do garnisé.
O bichinho tinha uma espécie de galinheiro, onde tinha uma porta que ficava sempre aberta, sendo assim, podia entrar e sair a vontade. O danado era livre no quintal. Impondo suas penas vermelhas e amarelas numa demostração de poder e vaidade, suas esporas faziam com que me afastasse imediatamente do danado.
Recentemente um rato começou a andar pelo quintal e invadir a vizinhança. Como resultado começaram a jogar chumbinho pelo quintal, para matar os roedores. Porém, certo dia, o galinho desceu de seu puleiro e foi ciscar em um belo dia de sol. Um minuto depois de sair, retorna ao puleiro cambaleante e espumando pelo bico. Ao presenciar tal cena, matei a charada: chumbinho.
O danado olhava para mim tipo pedindo ajuda... Só então percebi... Eu tinha um galo. Durante estes anos, mesmo sem aproximação Humano-Animal, com o tal garnisé, percebi que havia uma espécie de simbiose, entre nós. Ele continuava a me olhar e a espumar. “O que posso fazer? Água, leite, será que tem jeito?”, pensei. Corri para pegar cozinha atrás destes produtos, quando retornei, o vi cair do puleiro uma vez, aí ele levantou cambaleante, com muito esforço, percebendo que teria ajuda, quando de repente cai pela segunda vez... Já morto.
O penoso deixa saudades, pois durante sete anos seu canto, encheu o saco às vezes, outras alegrou, outras nos despertou.

quarta-feira, outubro 03, 2007

O sabor pirata


Estava com uma fome danada, então resolvi comprar um salgadinho, decidi por batatas chips. Então o vendedor me perguntou: você quer sabor churrasco, bacon ou galinha? "Hã?!", respondi de imediato, sem saber ao certo se respondi perguntando ou como interjeição. O fato é que comprei batatas de sabor "churrasco". Depois pedi uma coca-cola, com sabor limão.

Horas mais tarde, cheguei em casa e resolvi fazer "miojo", aliás, era uma marca qualquer, e acabei comendo com sabor "camarão". À tarde, me deu uma fome danada, então resolvi fazer uma boquinha né! E eis que encontro na geladeira uma margarina com sabor de presunto. "Essa não!", pensei, deve ter sido comprada pelo meu pai, não vou isso não, foi o que passou pela minha cabeça, mas não resisti e comi a tal margarina com sabor de presunto com bolachas de sabor mel, uma mistura fantástica! E para beber, um kisuko de sabor uva.

Depois de tudo isso, cheguei a conclusão que "comi" apenas os sabores, o alimewnto em sí foi uma ilusão, pois não foi nada real.

Me alimentei da verdadeira comida pirata e o pior, ninguém reclama disto! Se formos ao supermercados iremos encontrar uma série de: churrasco, bacon, galinha, farofa, pernil, presunto... Tudo falsificado ou disfarçados de outros produtos.É a modernidade alimentícia... Me deu até fome, acho que vou comer um frango... Sabor miojo!

Looking For you - Kirk Franklin