quinta-feira, dezembro 10, 2009

Ainda moro no mesmo lugar. Na Santo Afonso.



Sim. É o que respondo quando me perguntam onde moro. Ainda é o mesmo lugar, desde os tempos de criancinha (foi ontem!), quando jogava bola descalço no asfalto novo. As meninas com pedaço de tijolo baianinho faziam aquelas amarelinhas e de vez em quando tentávamos ir do céu ao inferno. Passava quase nenhum carro, pois quase ninguém tinha. Os poucos eram demorados, e como é descida, sempre um de nós ficávamos atrás do gol para pegar a bola e de vez em quando avisar os times que vinha carro, ou quando passava alguma mulher com criança no colo. Conhecia todo mundo, ficava o dia inteiro na rua. Só entrava em casa para almoçar ou jantar.
Hoje perdi a paciência. Ao chegar na Rua Santo Afonso, fiquei 15 minutos presos em um trânsito daqueles. Mas daqueles mesmos de ficar nervoso, pois ali, até dias atrás, a rua mal aparecia no mapa, e agora ela foi promovida: é avenida.
Devido ao movimento, muitas casas, cederam espaço ao comércio. Com isso, muitos amigos deixaram o local. Agora, em menos de 100 metros, a rua, ops! Avenida gora tem: duas padarias, dois açougues, três supermercados, nove salões de beleza, duas bicicletarias, duas casas do norte, um mini-shopping, uma granja, duas perfumarias, uma farmácia, um restaurante, um bazar, duas mercearias, um ferro-velho, um depósito de material de construção, uma escola municipal, uma creche, uma casa de apostas (jogo do bicho), uma igreja católica ( a mais antiga e fundadora do bairro) e seis igrejas pentecostais e ainda 17 botecos.
Futebol na rua não existe mais; as pessoas que transitam pela rua também já não conheço mais. Agora, a Santo Afonso é destaque no Google mapas. Ela cresceu. E, todos os moradores diminuíram, assim como as crianças que já não brincam mais descalças no asfalto velho, cheios de buracos. Mas é lá. Ainda moro no mesmo lugar. Sim.

quarta-feira, dezembro 09, 2009

Quero algo novo - Vale Cultura

Na era dos arquivos MP3 não posso ver uma loja de CDs ou mesmos um sebo que ainda venda os antigos discos de vinil, que caio pra dentro. Mesmo sendo adepto às novas tecnologias, adoro comprar CDs os as antigas bolachas (quando sobra uns $$ né!). Mas, o incrível é que hoje quando vou a estes lugares não compro nada de novo.

O mesmo acontece nas livrarias, os bons autores ou os contemporâneos estão reclusos às feiras especificas, ou estas obras são encontradas sob encomenda. Restando-nos as obras do tipo Eclipse da vida para serem vendidos nas livrarias. Sei que há algo novo para ser consumido, mas a garimpagem e a informação, são fatores essenciais para consumir cultura.

E, parece que sairá do papel a proposta do governo em aprovar o Vale Cultura. Em ano de eleição, a medida é vista com desconfiança pela oposição, mas não deixa de ser um benefício que poderá aquecer o mercado, a discussão então está na semântica da palavra cultura.

Caso seja realmente confirmada esta proposta, já sei onde gastar o tal vale. Isso porque já gasto o meu vale lá. Trata-se da “Super Banca”, uma banca de jornal que vende de tudo, vende até comida, bonecos, brinquedos, CDs, etc. E o melhor: aceita vale restaurante. É lá, que troco comida por cultura. Agora trocarei cultura por cultura, para completar minhas coleções das minhas revistas, quadrinhos, jornais... E, enquanto isso aguardo pelas coisas novas, para gastar com um vale.

segunda-feira, dezembro 07, 2009

A história do Teatro Municipal de São Paulo

Andando pela avenida Paulista no último dia 5 de dezembro, entro no antigo Casarão e eis que conheço a professora Rosa Corvino.

Professora conta histórias inéditas sobre o Teatro Municipal de São Paulo

O avô Alielo Corvino, casou e veio em viagem de núpcias para São Paulo. Ramos de Azedo o convidou para trabalhar no Teatro, pois era um profundo conhecedor de mármore e o teatro estava ainda sendo construído. O Teatro ficava fechado, e então Alielo ficava tomando conta. O pai de Rosa, Salvador Corvino nasceu anos mais tarde e também morou no teatro, como administrador e conservador, por volta da década de 20. Nascida em 1926, Rosa estudou música e arte e viveu toda a sua infância, adolescência e juventude no teatro. Recentemente foi responsável pelas visitações e conta histórias sobre o teatro municipal.

Rosa agora está lançando toda a história do Teatro Municipal no livro “Vida, amor e lembranças: a história do Teatro Municipal”. Trata-se de uma obra com dezenas de fotos e histórias inéditas que contam a história de um dos mais importantes símbolos do Estado de São Paulo. “Quis escrever um livro para relatar o que era o teatro”, diz.

O livro está à venda no antigo cassarão da Avenida Paulista pela própria Rosa Corvino ao preço de R$ 40,00.

acompanhe a entrevista (pena que está de ponta-cabeça)

terça-feira, dezembro 01, 2009

Por onde andas?

Por sérgios pires
Diga quem és e te direi por onde andas. Acho que te vi certo dia lá pelas bandas do centro. Estava numa loja. Logo que me viu, desapercebeu e saiu. Acho que já não é a mesma. Não te encontro nos meus lugares. Aqueles que você não sabia que iria.
Humm! Aquele show daquela banda que você não gostava, fiquei sabendo que você foi ver de novo. Aqueles lugares que eram teus e você gostava, hoje já não freqüenta, então por onde andas?

Na faculdade dizem que trancou a matricula; na rua, só o Kulinha te viu puxando um mato, dizem que pagou e saiu e ninguém mais te viu.

Lá na empresa disseram que pediu as contas e nunca mais apareceu. Estanho não ter mais onde ir, eu que sei. Acho que te vi também no mercado, mas tava longe, quando cheguei perto você tava pagando deu uma olhadela e saiu. Sempre odiou mercado.

Eu continuo sempre nos mesmos lugares, todos já me conhecem. Desde o meu bairro, na empresa, na faculdade, até no boteco. São sempre estes.

Nem na internet você é a mesma, nas comunidades te achava. A agora sumistes. Na sala de bate papo sempre te achava na sala 7, era místico, você dizia. Mas vopcê não entra mais.

No meu Orkut, não visita e nem deixa scrap, no blog nem faz comentários. Até virtualmente sumistes.

Este é o e-mail que te enviei, o único que sobrou. Ele voltou. Tu não tens nem endereço eletrônico mais. Por isso, vou guardar esta mensagem. Pois tu já não és, pois não anda em canto algum.

Endereços das armadilhas dos radares em São Paulo





Os endereços são:

1) Av. Rio Branco x Av. Duque de Caxias;
2) Av. Brasil x Rua. Veneza;
3) Rua Tabapuã x Rua Dr. Renato Paes Barros;
4) Av. Do Estado x Av. Santos Dumont;
5) Rua Jeroaquara x Rua Cialia;
6) Rua Bom Pastor x Rua dos Patriotas;
7) Av. Francisco Matarazzo x Av. Antártica;
8) Av. Diógenes Rua de Lima x Av. São Gualter;
9) Av. São João x Av. Ipiranga;
10) Av. Brasil x Rua Columbia;
11) Rua Dr.. Plí­nio Barreto x Rua Rocha;
12) Rua Rui Barbosa x Rua Conselheiro Carrão;
13) Av. Eusébio Matoso x Rua Bento Frias;
14) Rua Taquari x Rua Catarina Braida;
15) Av. Santo Amaro x Av.Dr. Hélio Pellegrino;
16) Av. Afrânio Peixoto x Rua Alvarenga;
17) Rua Antonio de Barros , altura da Rua Aguapei;
18) Av. Esc. Politécnica, Altura da Ci. Alb. Cavalcanti;
19) Rua Boa Vista, Altura da Rua São Bento;
20) Av. Esc. Politécnica x Rua Waldemar Roberto.

Atenção também onde há muros!!!

O primeiro está o abaixo indicado:

Novo radar, de pequena dimensão, embutido numa das vigas do muro de cimento, numa altura de 2,50 a 3,00m., do Laboratório Roche. No começo da pista local da marginal Pinheiros sentido Santo Amaro,
+ ou - 300 m . de quem vem da Castelo Branco e + ou - 200 m do fim de ponte que vem da Marginal Tietê.

Na expressa tem 1 antigo logo depois.
Foram incluídos dois de faixa de pedestres:

1) Av.João Pedro Cardoso em frente ao nº 300 (nos dois sentidos) - Que liga a Tamoios c/ Pedro Bueno );
2) Av. Pedro Bueno , em frente ao nº. 130l (sentido Jab.), 300 metros antes da Lombada Eletrônica;

Veja a lista de locais onde funcionarão radares do tipo LAP, que leem placas flagram infratores do rodízio:

1) Marginal Tietê, sentido Ayrton Senna, nas proximidades do estádio do Canindé;

2) Avenida dos Bandeirantes, sentido marginal, na altura da Rua Alberti Willo;

3) Marginal Tietê, sentido Castello Branco, após a Ponte Atí­lio Fontana;

4) Avenida Indianápolis, sentido Ibirapuera, próximo à Alameda dos Sorimoes;

5) Avenida Sena Madureira, sentido Vila Mariana, na altura do nº 1.265;

6) Avenida 23 de Maio, sentido Centro, próximo ao Viaduto Pedroso;

7) Marginal Pinheiros, sentido Interlagos, pista expressa, antes da Ponte do Jaguaré;

8) Avenida Alcântara Machado, em ambos os sentidos, na altura da Rua Placidina;

9) Avenida das Nações Unidas no sentido Castello Branco, na altura do nº 7.163.

sexta-feira, novembro 27, 2009

iPod nano... Um presentinho sensacional


Há anos não me divertia tanto com um brinquedinho tão bacana. Já tive vários tocadores de MP3, mas igual ao iPOD 4ª geração nunca  tive. Pirei completamente e pensei: "Só falta falar". mas não é que o danado fala! Ele diz a música e o nome do artista. Além disso ele filma, grava, toca... Marca o condicionamento físico, agenda, telefones... Que engenhoca da hora...

quinta-feira, novembro 26, 2009

Você não tem trocado?



Sei de cor e salteado todas as filas que pego sempre vai andar mais devagar. Ainda bem que na maioria dos locais em que é preciso pegar a tal fila, já adotou a fila única. Sendo assim, fico até conformado quando a fila demora, pois não sou o único a estar ali, na fila, mas várias pessoas. E o pior: ninguém reclama.

Parece que todos estão felizes em pegar fila. Já me acostumei tanto com isso que nem ligo mais. No supermercado existem os famosos caixas rápidos. Lá a fila é única e supõe-se que seja realmente rápido, pois é para quem está comprando até 10 itens. Mas ao chegar lá, percebe-se que as pessoas estão com muito mais que isso. Algumas têm a cara de pau de levar um carrinho cheio. Ninguém reclama. Nem eu.

Estes dias estava lá... No hipermercado. Como é horrível fazer compras. Aqueles corredores, aquelas pessoas, trânsito de carrinho de supermercado. Imagina só! Cada corredor é uma doidera são tantas coisas que não posso, outras tantas que eu quero.

Procuro pela gostosa que fica promovendo um salgadinho novo. Nada. A menina de patins passa pela terceira vez em minha frente e sai em disparada. Vou até a sessão de pneus. Acho o produto em oferta. Pego dois.

Qual fila pegar... Eis a questão. A fila dos caixas expressos: enorme. Procuro por um caixa, passo por um, dois... Quatro, nove... Acho um que só tinha uma pessoa. Beleza. Espero, espero... Nem tinha percebido que tinha uma lâmpada acessa chamando por um gerente. Aguardei tanto que quase o pneu ficou careca de tanto esperar.

Pronto. Saco a grana e dou para ao caixa. Ele repentinamente aperta um botão e acende a lâmpada novamente a procura do gerente. Que foi? Pergunto. Você não tem trocado? Você ta de brincadeira. Respondo já careca. E demora, demora... Enquanto isso, os outros caixas eram hiper velozes, não tinha nem fila. Os caixas rápidos, eram velozes... E eu ali, pior que Barrichello.

Enfim, quem chega de repente não era o gerente, mas sim, a mina de patins. Quando a vi no meio das pessoas parecia que vinha em câmera lenta. Como uma patinadora profissional. Ao chegar no caixa, ela dá um 360º e já saca um malote com a grana, o caixa faz um movimento de 180º e recebe a encomenda. Ela pega uma caneta, ele abre a gaveta, ela pega um papel, ele aperta um botão do caixa, ela faz anotações; a máquina cospe um papel amarelo; ela entrega para o caixa; ele retira o papel da máquina; ela estende a mão; ele entrega o relatório; ela segura o documento e já sai em disparada para atender outra lâmpada.

Aqui está o troco. Ele fala. Ok. Nem liguei para fila. Guardei no bolso e fui embora. Vou a lanchonete, peço um lanche e, ao pagar: Você não tem trocado? Diz o caixa.

Barbie crazy...


Barbie Girl
"Mais uma dose... É claro que estou afim.. A noite nuca tem fim..."

quarta-feira, novembro 25, 2009

Um e-mail constrói e destrói...

Ligo o computador. Conto 28 mensagens não lidas. Deleto alguns pelos título, outros pelo correspondente. Ficam apenas os e-mails dos amigos, ou os pessoais ou profissionais. No meio deles estão os "e-mails" sobreviventes. Aqueles que não foram deletados pela criatividade do assunto.
Ao abrir certos e-mails é um risco: de vírus, baboseiras mil, correntes entre outros. Mas estes dias recebi um e-mail de um desconhecido que... (ainda bem que era desconhecido). Além de mensagens estúpidas continha erros imbecís.
Mas... Faz parte da modenidade. Amanhã terá mais e-mails que serão abertos...

quinta-feira, novembro 19, 2009

Dia da Bandeira...

A criação da data foi em razão da Proclamação da República, no dia 15 de novembro de 1889, onde a mesma foi apresentada. O Decreto número 4 deu legitimidade à bandeira, como símbolo nacional.

A primeira bandeira do Brasil foi criada em 18 de setembro de 1822, mas como não era oficial, perdeu lugar para o novo modelo. Mas a primeira bandeira hasteada em solo brasileiro foi a da Ordem de Cristo, vinda de Portugal.

A letra do Hino à Bandeira foi escrito por Olavo Bilac e a música composta por Franciso Braga. Ele foi apresentando pela primeira vez em 9 de novembro de 1906.

HINO À BANDEIRA

Salve lindo pendão da esperança!
Salve símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza da Pátria nos traz. Recebe o afeto que se encerra
em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil! Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul. Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!
Contemplando o teu vulto sagrado,
Compreendemos o nosso dever,
E o Brasil por seus filhos amados,
poderoso e feliz há de ser! Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil! Sobre a imensa Nação Brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre sagrada bandeira
Pavilhão da justiça e do amor!Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

quarta-feira, novembro 18, 2009

UMA BURCA PARA GEISY

De um poeta popular nordestino...

Miguezim de Princesa

I
Quando Geisy apareceu
Balançando o mucumbu
Na Faculdade Uniban,
Foi o maior sururu:
Teve reza e ladainha;
Não sabia que uma calcinha
Causava tanto rebu.

II
Trajava um mini-vestido,
Arrochado e cor de rosa;
Perfumada de extrato,
Toda ancha e toda prosa,
Pensou que estava abafando
E ia ter rapaz gritando:
"Arrocha a tampa, gostosa!"

III
Mas Geisy se enganou,
O paulista é acanhado:
Quando vê lance de perna,
Fica logo indignado.
Os motivos eu não sei,
Mas pra passeata gay
Vai todo mundo animado!

IV
Ainda na escadaria,
Só se ouvia a estudantada
Dando urros, dando gritos,
Colérica e indignada
Como quem vai para a luta,
Chamando-a de prostituta
E de mulherzinha safada.

V
Geisy ficou acuada,
Num canto, triste a chorar,
Procurou um agasalho
Para cobrir o lugar,
Quando um rapaz inocente
Disse: "oh troço mais indecente,
Acho que vou desmaiar!"

VI
A Faculdade Uniban,
Que está em último lugar
Nas provas que o MEC faz,
Quis logo se destacar:
Decidiu no mesmo instante
Expulsar a estudante
Do seu quadro regular.

VII
Totalmente escorraçada,
Sem ter mais onde estudar,
Geisy precisa de ajuda
Para a vida retomar,
Mas na novela das oito
É um tal de molhar biscoito
E ninguém pra reclamar.

VIII
O fato repercutiu
De Paris até Omã.
Soube que Ahmadinejad
Festejou lá no Irã,
Foi uma festa de arromba
Com direito a carro-bomba
Da milícia Talibã.

IX
E o rico Osama Bin Laden,
Agradecendo a Alá,
Nas montanhas cazaquistãs
Onde foi se homiziar
Com uma cigana turca,
Mandou fazer uma burca
Para a brasileira usar.

X
Fica pra Geisy a lição
Desse poeta matuto:
Proteja seu bom guardado
Da cólera dos impolutos,
Guarde bem o tacacá
E só resolva mostrar
A quem gosta do produto

Serra sempre opta pelo pior

O governador José Serra dá mais uma demonstração de seu desprezo pela vontade da maioria e de sua inclinação para o autoritarismo.
Desta vez, ignorou a opção majoritária do colégio eleitoral da Universidade de São Paulo que decidiu pela escolha do professor para encabeçar a lista tríplice dos candidatos a Reitor da USP e decidiu nomear o segundo colocado, professor João Grandino Rodas . A propósito, o escolhido de Serra é diretor da Faculdade de Direito e foi responsável pela convocação da tropa de choque da PM, em 2007, para desalojar os estudantes que faziam uma reunião naquela faculdade. Tudo a ver.
A decisão autoritária de Serra quebra uma tradição de quase três décadas na Universidade de São Paulo. O último governador a proceder desta maneira foi Paulo Maluf, em 1981, durante a ditadura militar. O governador, portanto, está em péssima companhia.
É importante registrar que a comunidade universitária luta pela eleição direta para Reitor, hoje restrita a um universo de 300 pessoas com direito a voto. O governador do PSDB, além de recusar o aprofundamento da democracia na Universidade, vira as costas para a decisão ali tomada, impondo sua vontade de forma ditatorial.
Infelizmente, há coerência nesta atitude de José Serra. Ela é pertinente com sua trajetória como prefeito da capital e com sua atuação até o momento à frente do Governo do Estado. Suas maiores “realizações” são medidas que retiram direitos dos professores e do funcionalismo, impõem mecanismos centralizados de avaliação, restringem o direito dos professores a reajuste salarial, combatem os avanços educacionais em nível nacional e prejudicam a qualidade de ensino nas escolas estaduais. Ou seja, em todo o seu governo, como agora, no caso da USP, Serra sempre opta pelo pior.

Maria Izabel Azevedo Noronha
Presidenta da APEOESP
Membro do Conselho Nacional de Educação

terça-feira, novembro 17, 2009

Censura agora é via justiça

O poder Judiciário brasileiro está dando brechas de uma ditadura disfarçada. se não bastasse o Jornal O Estado de S. Paulo ser censurado, agora juízes estão probindo pessoas de manifestarem suas oponiões.
Basta ver esta matéria...

segunda-feira, novembro 16, 2009

Luciana Melo lança novo álbum em dezembro

Por Sérgio Pires

O sexto álbum da cantora Luciana Mello, deve sair em dezembro intitulado “O samba me encantou”. Seu quinto trabalho "Nêga" aconteceu em 2007, de lá para cá, além de shows, houve uma mudança importante em sua vida, pois deu à luz a sua primeira filha, Nina, da união com Ike Levy. Em nova fase o álbum tem influências dos clássicos do samba.

A cantora revelou que o samba sempre esteve presente em sua vida. “Quem escuta samba sempre terá esta influência”, diz. Luciana também revela que no cenário da música contemporânea há novos talentos como, Nina Becker, Mariana Aydar, Curumim, Silva Machete, entre outros.

Luciana que há uma alegria ainda maior que a música, trata-se de sua filha Nina e seu irmão Jair compôs uma música especial para ela. “È uma das músicas que ouço todos os dias. Esta é a melhor fase da minha vida. Ter um filho é melhor coisa do mundo”, diz.

Luciana relata que todos os dias quero ouvir algo diferente. “Acabei de escutar Take 6. Todos os dias coloco coisas novas, às vezes músicas clássicas, entre outras. Vou direto à internet e os amigos sempre me recomendam alguma coisa”. Fã de Michael Jackson, Sade, Maxwell, Luciana também tem como referência Ed Motta, João Bosco, Emilio Santiago, entre outros. “Alcione... Enfim, muita gente boa.”

Social - Sempre envolvida em causas sociais e shows beneficentes, Luciana é madrinha da APAE de Jundiaí e da Avon em um projeto beneficente em uma campanha contra o câncer de mama e recomenda que as pessoas conheçam o seu corpo e consultem sempre um médico. “É importante se tocar e acabar com o tabu, pois uma em cada 100 pessoas desenvolve a doença e, dentre estas pessoas os homens também estão inclusos”.

Referente à moda Luciana diz não seguir nenhum estilo específico. “Nada de grifes, ou coisas assim, eu faço a minha própria moda”, finaliza.

sexta-feira, novembro 13, 2009

Entrevista com o dito cujo

Sabe aqueles dias raros em que ligamos a televisão pelo toque de botão no próprio aparelho? Bom, fiz isso porque não achava o bendito controle remoto. Ao deitar assisti um comercial tão longo que nem me deparei em que canal estava. Quando o show começa tomo um susto: Era um programa com um pastor exorcista!

Com sono e com preguiça de levantar para trocar o canal, insistia em ver o espetáculo. De repente uma pessoa se manifesta... Com as mãos para trás aparece um sujeito que o pastor afirmava que estava endemoniado. “Poxa! Expulsa logo o cão!”, pensei com os meus botões. Mas o pastor aproveitou para entrevistar o dito cujo ao vivo. Afinal, não é todo o dia que se pode assistir a entrevista do cão, lá, diretamente dos quintos, para a rede brasileira.

Com os olhos semi-abertos e morrendo de sono via o pastor perguntar: “O que você quer”: ele respondia com uma voz rouca: “quero dessstruirrrrrr... Argh!” (fazia um gesto estranho com as mãos). O que você quer com esta pessoa: “quero matarrrrrrrr”. Nesse caso eu mesmo fiquei com medo. Era mais horripilante que os filminhos de vampiros que estão passando no cinema.

E o tal pastor não mandava o demo embora não! Queria conversar e conversar com o dito cujo. Naquela situação, a pessoa mesmo não tinha identidade, era só um “meio” para falar com o tal do cão. De repente o dito cujo não tinha mais nada o que falar, a não ser resmungar: “matar”, “roubar... E destruirrrrrrr”.

E o pastor olhava para a câmera e ao mesmo tempo também falava com os telespectadores. Até que ele finalmente expulsa o danado. Duas pessoas conhecidas como diáconos, estavam atrás do homem que cai e é segurado.

Segundos depois ele levanta. O pastor pergunta: “Como você se sente agora? Está liberto?” E a pessoa timidamente responde um sim. E, depois entra o comercial. Levanto... E só então desligo a tv.

segunda-feira, novembro 09, 2009

A catarse do vazio: o caso Uniban ou caso Geisy?

Por Sérgio Pires
A estudante Geisy Arruda ao ser expulsa da Uniban coloca a faculdade no mesmo balaio dos alunos que a insultaram, como uma catarse coletiva, passando a garota de vítima como a culpada dos fatos que aconteceram no último dia 22 de outubro. Parte da mídia ou da opinião pública pode até dizer que a aluna tem parcela de culpa, quando de fato não tem. O caso da garota pode ser avaliado por uma questão simples: identidade.

Ciampa (1984) afirma que “no seu conjunto, as identidades constituem a sociedade, ao mesmo tempo em que são constituídas, cada um por ela”. Cada indivíduo, dentro da sociedade na qual faz parte se constitui através das relações sociais, assume identidade pessoal em sua história de vida. Tanto os indivíduos quanto a sociedade estão sempre interligados.

Dessa forma, o vestuário é fundamental para a constituição desta identidade, pois é um canal de comunicação aceito por todos. A forma de se vestir pode ser uma representação da identidade, pois de acordo com Hall (2005) de um lado nos diferencia, marca a individualidade e, por outro, nos iguala e também nos confunde dentro de um grupo.

Hall afirma que a identidade ao mesmo tempo muda de acordo com a forma como o sujeito é interpretado ou representado. Dessa forma, Geisy nada mais fez do que se expressar através da roupa, pois sua indumentária é uma forma de comunicar, faz parte de sua identidade. Hall relata que esse processo é às vezes descrito como constituindo uma mudança de uma política de identidade de classe para uma política de diferença.

De acordo com Hall, esta identidade pode ser positiva ou negativa, ganhada ou perdida. Porém, quando compararmos aos fatos que aconteceram com a estudante, ela não só perdeu a identidade, mas sim, a tiraram, ou seja, ao ser expulda, sua identidade foi roubada.

A nota divulgada pela Uniban no último domingo (08) nos grandes jornais de São Paulo, relata que a estudante “tem freqüentado as dependências da unidade em trajes inadequados, indicando uma postura incompatível com o ambiente da universidade...” Se, ao partir da lógica de Hall sobre identidade e sobre a afirmação do posicionamento da Uniban, a aluna não tem uma identidade de acordo com seus padrões. Ou seja, revelou aí uma INTOLERÂNCIA grave.

Todos têm o direito de se expressar, seja através das artes, da música ou da moda. Mesmo que ela choque, é preciso ter tolerância e respeitar as diferenças. Nos anos 60 a estilista inglesa Mary Quant inventou a mini-saia ao cortar o vestido de uma manequim e, o impacto surtiu um efeito que foi além da moral, mas sim político e influenciaria toda a juventude dos anos 60 por chocar os padrões de conduta. A mini-saia subverteu o moralismo tradicionalista imposto às mulheres. Antes o modelo da mulher era doméstica, dona de casa e submetida ao marido.

Nessa mesma época, a geração bay-boom do pós-guerra atinge a adolescência e rompe os arquétipos morais e ideológicos que moldaram as mentalidades e os costumes das épocas passadas. A música, o corpo e o vestuário, serviam para compor a identidade e para alcançar objetivo de “protestar”. O rock então surge com seu ritmo considerado do diabo com uma dança lasciva e proibida de Elvis com suas roupas justas e contra os “bons costumes”, porém isso serviu de armas emancipadoras pela liberdade de costumes e idéias que se prolongaram pelos anos seguintes.

Se as pessoas não puderem se expressar através da roupa, em um ambiente universitário, por ser subversiva. Logo serão proibidas as idéias ou qualquer outro tipo de manifestação que fere os padrões impostos. Porém, o exemplo mal dado pelos alunos da Uniban, assim como da diretoria de expulsar a estudante coloca em cheque o papel universitário e faz questionar sobre o pensamento da atual juventude e sobre a identidade do jovem contemporâneo. Afinal, é na universidade o local onde as idéias acontecem através das artes, da literatura, da sociologia, entre outras áreas e, até mesmo da moda através da forma de se vestir.




Bibliografia

CIAMPA, A. Costa. “ Identidade ”. In: Psicologia Social. O homem em movimento. Organizado por Silvia Lane e Wanderley Codo. São Paulo, Brasiliense, 1984.

Hall, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-modernidade / DP&A, 11ª Edição 2006

Fashion Bubbles> A invenção da mini-saia>. Disponível em < http://www.fashionbubbles.com/2006/a-invencao-da-mini-saia/> Acesso em: 9 novembro de 2009.



terça-feira, novembro 03, 2009

Estadão ainda sofre pela Censura

Quem diria que passados 25 anos após a ditadura militar no Brasil, o país ainda sofre com a censura. Desta vez, por meio de medidas consideradas "legais", pois políticos entram na justiça e impedem o exercício do jornalismo.
O jornal O ESTADO DE S. PAULO passa por este problema há mais de três meses.

terça-feira, outubro 20, 2009

Religião nas escolas sim. Por quê não?

Foi aprovado pelo Senado brasileiro o acordo firmado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva e a Santa Sé, que estabelece a obrigatoriedade do oferecimento de ensino religioso pelas escolas públicas brasileiras. Diz o parágrafo 1 do Artigo 11: "O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação."


Porém, de acordo com a professora Roseli Fischmann, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Metodista, de São Bernardo do Campo, ee essa lei for sancionada pelo presidente, a constituição será violada. A afirmação foi feita em entrevista a revista Nova Escola de Outubro deste ano.


Equívoco - Acredito que o ensino religioso seja importante, desde que a grade dessa disciplina não interfira na escolha da crença de cada um. Acontece que já existem colégios batistas, metodistas, presbiterianos, católicos, adventistas... Todos particulares. E a escola pública? Como seria esta disciplina?


É certo que o mito, o sagrado está dentro da nossa cultura e quando contar com o apoio da antropologia, filosofia, sociologia, arqueologia, história, entre outras, o ensino religioso pode ser interessante para a construção da própria indentidade do indivíduo. É um risco. Pois haverá casos de ufanismos tipo “a minha religião é melhor que a sua”, mas não é isso que deve ser falado em sala. Mas sim sobre cultura e identidade.

domingo, outubro 11, 2009

O chuveiro


By Sérgio Pires
Não tinha o que fazer. Resolveu correr. Depois de um tempo, não tinha pra onde olhar, viu o mar. Voltou para casa. Não tinha o que vestir. Resolveu ficar em casa. Não tinha quem o escutasse. Ligou o rádio. Depois de um tempo, saiu. Voltou à tarde quando sua esposa já tinha chegado. Beijou, jantou e ligou o chuveiro. Sem se molhar, se olhou no espelho. Mãos, pés, calças, joelho, cueca, braços, camisa, perna... Jogados no chão. O vapor da água quente lembrava uma neblina, sem ver, se levantou, resolveu colocar a cabeça debaixo do chuveiro... Escorregou. Caiu com o queixo no piso molhado. Barulho! A esposa bate na porta. Ta tudo bem? Sem responder se levantou. Deixou a água bater em seu rosto. Abriu a boca e engoliu a água quente, como se fosse à cura. Ta tudo bem aí? Sentou no piso. A água agora batia em suas costas. Lembrou de onde vinha... De quanto a sua roupa estava suja. Pecado! Doía sua mente. Culpa. Ta tudo bem aí? Pegou a sabonete como se fosse um ritual. Esfregou o sabão no pinto, como se lavasse o pecado. Sorriu! Resolveu encostar seu corpo na parede e olhou para baixo a procura do membro. Não viu. Tou gordo. Ta acontecendo alguma coisa? Desligou o chuveiro. Lembrou que estava na rua quando resolveu se aventurar. Pegou um táxi. Pagou e deixou gorjeta. Andou pela calçada da augusta até encontrar uma sauna. Pague dez e ganhe uma dose grátis. Ouviu isso de um homem. Entrou. Nas escadas escuras desceu. Iluminação vermelha. Músicas de batidas rápidas se misturavam com a do coração. Vamos? Ouvir o convite de uma garota com cara de 13 anos. Ignorou. Pagou o que devia e bebeu o que tinha direito. Saiu. Sentiu-se mal. Depois de ser visto saindo daquele local por transeuntes, sentiu-se bem. Sorriu. Lembrou que o trabalho no escritório foi um saco. Demitiu o chefe. Demitiu o emprego. Começou a se enxugar. Devagar. Enrolou-se na toalha e abriu a porta do banheiro. Saiu. Ta tudo bem? Foi direto ao quarto e procurou por roupas sem marcas. Ta tudo bem? Tou falando com você! Vestiu uma camisa. Ficou mudo é? Voltou ao banheiro para resgatar as roupas sujas. Colocou-as no sexto onde a empregada iria lavar no dia seguinte. Por que você faz isso? Ligou a TV e começou a zapear. Me escuta! O que está acontecendo? Suspirou. Pensou... Palavras vazias são melhores recitadas na mente. Você é um otário, há tempos te observo. Fala comigo! O silêncio ainda era a resposta. Aconteceu alguma coisa? Porque você está assim? Virou o rosto a encarou agarrou-a pelo cabelo com força. Puxou-a para seu corpo e depois a jogou na parede. Beijou-a com força. Pediu desculpas. Ela, sem aceitar consentiu o prazer. Depois pediu desculpas a Deus. Ele confessou que não tinha mais trabalho. Ela confessou a gravidez. Ele disse estar contente. Ela resolveu ir ao chuveiro. Ele a seguiu. E no vapor da água quente ouviram a água cair sobre os corpos. Sem palavras, sem perdão, sem culpa. Foi isso que ele pensou em escrever.

terça-feira, outubro 06, 2009

HIP-HOP: Black Music de peso às segundas em Sampa

Por Sérgio Pires
Durante a entrevista
O Hip-Hop não pode ser consumido, tem que ser vivido, pois é um estilo de vida com os seus elementos: rap, o graffiti e o break. Este estilo de vida influência gerações e agora está ainda mais atuante, tanto que agora, os apreciadores deste gênero contam com o Projeto Scratch for Fun, que acontece todas as segundas-feiras no Mary Pop Dinning Club no Centro de São Paulo.
Dj Miss, a pioneira entre as mulheres a tocar o estilo

Trata-se de um projeto que já tem seis anos e tem uma programação voltada para este gênero. Os responsáveis pelo sucesso do projeto são Marcelo Sinistro e Luis Briza, que apostam nos melhores Djs do Brasil e do exterior para fazer bombar o local. “Toda casa precisa de hip-hop, pois é isso o que fazem as melhores casas noturnas”, afirma Briza.

Antes de ancorar no Mary Pop, o projeto passou por outros locais como: Bunker Lounge, 8 Bar, Astronet Bar, Trama Pocket Club e Tapas Club. “O objetivo é juntar os melhores profissionais do hip-hop que estão em evidência, e agregar à cultura hip-hop como o grafite e artes visuais.”

Briza relata que houve maturidade no movimento para colocar este projeto que é independente. Os DJs são os tops da black music, como o Nuts que toca com o Marcelo D2. Além disso, ainda tem a Carla Tenore, conhecida como a Dj Miss, a única mulher a tocar este gênero. "É ótimo tocar, fui uma das pioneiras do hip-hop, discípula de Zé Gonzales. É uma honra tocar o estilo, pois trabalho com peso, só para quem conhece mesmo", relata a Dj Miss.

Serviço
Projeto Scratch for Fun
Segundas-feiras a partir das 23h
Local: Mary Pop Dinning Club
Endereço: R Barao de Campinas, 375, Sao Paulo, SP
Telefone: 6607-7682 ou 3171-2441

quinta-feira, setembro 24, 2009

O olhar - O desejo

O desejo

O olhar come...
O olhar cobiça...
O olhar infiltra...
O olhar deseja.

O olhar incomoda...
O olhar mente...
O olhar mastiga...
O olhar deseja.

O olhar perdoa...
O olhar deprime...
O olhar condena...
O olhar deseja.



sexta-feira, setembro 18, 2009

Heróis dos contos de fadas - Como eles estão?

Chapéuzinho Vermelho engordou e continua com medo do Lobo Mau; O principe da bela Adormecida envelheceu no azilo; Branca de Neve, agora é dona de casa; e a cinderela anda de bar em bar pelas madrugas...





quarta-feira, setembro 16, 2009

O Aparelho

By Sérgio Pires

Estava na sala da minha tia quando meu tio chegou em casa com um Aparelho 3 em 1. Ela alegremente sorriu e começaram a instalar o Aparelho ao lado da televisão. As duas caixas grandes de madeira ficaram bem nos cantos da sala enfeitando o ambiente.

Todas as noitinhas, antes da minha mãe chegar do trabalho para me levar para casa, meu tio chegava e começava a ouvir samba junto com seus amigos. Certa vez ele disse empolgado ao meu pai quando me buscou, no dia em que minha mãe não trabalhou.

“Poderia ter comprado um fusca. Prefiro a música.”

Certo dia, minha tia não me buscou da escola, pois disse que já podia pegar ônibus sozinho. Quando entrei na sala me surpreendi: um novo Aparelho. Desta vez era um 3 em 1 todo modulado. Tinha dois toca-fitas, um toca disco, e um receiver.

“Com este equipamento poderia ter comprado um GOL”, disse meu tio ao meu pai na festa de natal.

Nunca tive um aparelho de som, apesar de gostar tanto de música. Não saia da casa da minha tia, onde ouvia músicas no Aparelho do meu tio. Ia até nos finais de semana. Gravava fitas-cassete, regravava discos, gravava fitas para amigos e conquistava as meninas com coletâneas de fitas-cassetes.

Anos depois meu tio morreu. Ficaram apenas minha tia, meu primo e o Aparelho. Com a casa triste, continuei usando o Aparelho que não tinha, mas tinha carro. Junto com meu primo. Gravava fitas e fazia coletâneas.

Depois foi meu primo. Morreu. Ficou apenas minha tia e o Aparelho. Era modulado. Então o Aparelho foi dividido. O toca-discos quebrou. O receiver ficou com minha tia e dois toca-fitas foram para casa.

Com o tempo, não gravei mais fitas, nem gravei mais coletâneas para amigos, nem para namoradas.

Às vezes vou de carro até a casa da minha tia. Lá, vejo parte do aparelho em seu quarto. As outras se foram.

Em casa estão duas peças. Paradas. Minha tia me deu depois que ficou só ela e o aparelho. Levei-as até a feira. Troquei os dois toca-discos por um “equalizador” bem antigo.

Tempos depois, chegou o CD e o MP3. Agora a música é pelo computador. Instalei o tal equalizador no computador, que tem 10 botões incandescentes que, ao ligar todos acendem. A música digital fica mais nítida, sem chiados, mais limpa...

Algumas pessoas ainda perguntam:

“Por que você coloca esta peça aí?” Outras ainda questionam o funcionamento do equalizador:

“Que negócio feio é este aí? Funciona? Se você quiser te pago R$ 1,00 para jogar isso no lixo”.

“Meu, não troco este aparelho por nenhum carro. Nem por um fusca!

Fui na casa da minha tia com meu filho. Ela tinha outro aparelho na sala desligado. Era digital, as caixas eram pequenas, bem discretas junto da televisão. Juntinho do DVD.

Ao entrar no quarto: Estava ela lá, junto do Aparelho ligado.

sexta-feira, setembro 11, 2009

UP - Altas aventuras

O que está acontecendo no mundo da animação? As crianças estão adultas ou será que os adultos estão cada vez mais crianças? Depois de Wall-E e a historinha do robô que abordou o tema sobre o "meio ambiente" de uma forma bem inteleligente, chega agora "UP - Altas aventuras", que é capaz de encantar a pessoa mais cética que diz odiar filmes de animações. Trata-se de um filme que fala de amor, de perda, de ganhos e de valores que estão perdidos na sociedade. Resumindo: É fantástico!

Blog da escritora Ivana Arruda Leite

Caramba! Sem querer achei o blog da escritora Ivana Arruda Leite. Autora da obra "Falo de mulher". Meu, vale a pena conferir, seu blog é como um verdadeiro diário e cada post dela é uma aula de literatura. http://doidivana.wordpress.com/

quarta-feira, setembro 09, 2009

Kiusam Oliveira: O feminino reencontrado na arte

Por Sérgio Pires

Pular, gritar, gesticular, apoiar, elogiar, sorrir, chorar e tudo isso com muito suor. “Se for preciso vamos nos desmanchar em sangue.” É desta forma que a Profª Drª Kiusam de Oliveira trabalha há mais de 28 anos, tanto na dança em seus ensaios, quanto com o movimento negro, cujos trabalhos se entrelaçam e forma uma única concepção. Foi daí que surgiu a peça “Igbá-Iwà: O feminino na criação do universo”, que está sendo ensaiada no Teatro Clara Nunes em Diadema.

Era ainda junho quando ensaiava no teatro Clara Nunes. Kiusam como uma maestrina, redigia os bailarinos em seus movimentos. “Quero garra, mais ação e com mais vontade”, dizia se dirigindo às bailarinas, cujas origens são da própria população. “Conforme vai esquentando, elas (as dançarinas) vão se aprimorando, é a superação, ir além dos limites. Se vocês desmaiarem de tanto treinar, isso já será um mérito”, dizia como forma de incentivo.

Esta garra da professora apresentada durante seus ensaios apareceu quando ainda era criança. “Fui alfabetizada cedo, aos dois anos, através da Dona Marta, ainda no chão de terra. Ela me mostrou a arte, depois fui estudar em um colégio de freira e ali conheci o racismo e de uma forma violenta. O processo de identidade foi rompido, quebrado pelo preconceito.”

Militância e a dança - No final dos anos 70, Kiusam ingressa no movimento negro “Balogun”, onde começou sua militância política. Enquanto isso, a arte caminhava paralelamente em sua vida. “Já era bebê assanhada e minha mãe me colocava para dançar e desfilar. O teatro foi uma sequência da minha família”, diz. Kiusam começou no ballet clássico e logo em seguida foi para o jazz aos 12 anos, até chegar hoje, em seu trabalho “Igbá-Iwà: O feminino na ligação do universo.”

A militância política a ajudou a revolucionar a linguagem da dança através de seus questionamentos do corpo junto à dança clássica, pois é esta a base da dança. E isso não se conquista de uma hora para outra. Até chegar a este grau de conhecimento dos movimentos do corpo, passou pela escola de samba Unidos do Peruche, nos anos 80. Com a dança, viajou por todo o Brasil e exterior. “Me encantei, pois não preciso parar de fazer o clássico e o contemporâneo, para trabalhar com a mulher e o feminino.”

Pesquisa na USP – Toda a experiência de Kiusam se canalizou em um projeto de mestrado em Psicologia e doutorado em mitologia africana. A tese traz a Umbanda, candomblé e o movimento negro. Junto com tudo isso vem a mulher negra e seus valores. “Nunca perdi de vista o que é ser mulher negra. Quando vamos trabalhar o mito, mostra uma mulher negra estereotipada, isso me deu o poder de formar a dança e os mitos associados.”

Segundo Kiusam, o feminino está muito longe em termos de características pessoais. O feminino não está atrelado a meiguice passiva. O feminino está sempre atrelado com as necessidades de compartilhamento, pois a mulher sempre deve ser pró-ativa. É um feminino que não pede a centralidade e que não está associado a coisas prezas.

Esse é o objetivo do espetáculo de Kiusam, pois o objetivo da dançar é mostrar com uma linguagem específica informando através do corpo, que o universo foi criado por uma mulher, a “dudua” (mito religioso em Iorubá). Através dos mitos urbanos mostra uma outra referência com o poder. “Trata-se do ‘apoderamento’. É uma dança social, que busca engajamento”, afirmou.

O ensaio acontece desde abril, quando começaram as audições, com os professores da rede municipal e depois aberto a população. “Este é o diferencial, são pessoas da comunidade que estão representando Diadema”, relata.

Identidade – Para Kiusam, a dança faz parte de uma linguagem utilizada para construção da identidade. “Para isso precisamos da aceitação do outro e, no ambiente escolar é difícil ver isso. Hoje defendo as questões complexas, pois não existe um assunto que não depende da realidade física.”

O trabalho de Kiusam é desenvolvido em Diadema onde conhece os Núcleos e as favelas. É um público específico e de afrodescendentes, onde o preconceito é grande e as próprias crianças negras chamam seus amigos de ‘neguinho’ ou ‘macaco’. “Houve uma construção social que os levaram a pensar desta forma. Quem tem problema de identidade com o negro é o próprio negro, pois ele se acha branco. Há uma confusão.”

A diretora também atua na Promotoria de Legião Popular, organização que apóia projetos voltados à população carente para trabalhar a questão do gênero. Trabalhou com um grupo de 84 mulheres e constatou que o papel da mãe é fundamental. “A corporeidade é construída ao longo da vida, ou seja, durante formação do indivíduo”, relata.

O espetáculo “Igbá-Iwà: O Feminino na Criação do Universo” é de tradição iorubá, onde igbá-iwà significa “Cabaça da Existência”. A montagem tem como objetivo, promover o encontro pacífico entre a sociedade civil com a cultura afro-brasileira deixada como legado pelo povo ioruba trazido à força ao Brasil no período da escravidão. Pretende também, revelar a importância do feminino no processo de criação do universo, segundo a mitologia ioruba.

terça-feira, setembro 08, 2009

Fotos de Elliot Erwitt

O excelente fotógrafo Elliot Erwitt, que teve o privilégio de fotografar a Monroe...

Fotógrafo flagra cachorro de madame e junto aos pés de sua dona

segunda-feira, setembro 07, 2009

Lô Borges - Chuva na Montanha

Totonha

Marcelino Freire

Capim sabe ler? Escrever? Já viu cachorro letrado, científico? Já viu juízo de valor? Em quê? Não quero aprender, dispenso.

Deixa pra gente que é moço. Gente que tem ainda vontade de doutorar. De falar bonito. De salvar vida de pobre. O pobre só precisa ser pobre. E mais nada precisa. Deixa eu, aqui no meu canto. Na boca do fogão é que fico. Tô bem. Já viu fogo ir atrás de sílaba?

O governo me dê o dinheiro da feira. O dente o presidente. E o vale-doce e o vale-lingüiça. Quero ser bem ignorante. Aprender com o vento, ta me entendendo? Demente como um mosquito. Na bosta ali, da cabrita. Que ninguém respeita mais a bosta do que eu. A química.

Tem coisa mais bonita? A geografia do rio mesmo seco, mesmo esculhambado? O risco da poeira? O pó da água? Hein? O que eu vou fazer com essa cartilha? Número?

Só para o prefeito dizer que valeu a pena o esforço? Tem esforço mais esforço que o meu esforço? Todo dia, há tanto tempo, nesse esquecimento. Acordando com o sol. Tem melhor bê-á-bá? Assoletrar se a chuva vem? Se não vem?

Morrer, já sei. Comer, também. De vez em quando, ir atrás de preá, caruá. Roer osso de tatu. Adivinhar quando a coceira é só uma coceira, não uma doença. Tenha santa paciência!

Será que eu preciso mesmo garranchear meu nome? Desenhar só pra mocinha aí ficar contente? Dona professora, que valia tem o meu nome numa folha de papel, me diga honestamente. Coisa mais sem vida é um nome assim, sem gente. Quem está atrás do nome não conta?

No papel, sou menos ninguém do que aqui, no Vale do Jequitinhonha. Pelo menos aqui todo mundo me conhece. Grita, apelida. Vem me chamar de Totonha. Quase não mudo de roupa, quase não mudo de lugar. Sou sempre a mesma pessoa. Que voa.

Para mim, a melhor sabedoria é olhar na cara da pessoa. No focinho de quem for. Não tenho medo de linguagem superior. Deus que me ensinou. Só quero que me deixem sozinha. Eu e minha língua, sim, que só passarinho entende, entende?

Não preciso ler, moça. A mocinha que aprenda. O doutor. O presidente é que precisa saber o que assinou. Eu é que não vou baixar minha cabeça para escrever.
Ah, não vou.

In Contos Negreiros, pp79-81.Record, 2005

terça-feira, setembro 01, 2009

O gafanhoto é meu amigo!


Na Bíblia, quando se fala de gafanhotos, sempre é demonstrado como uma praga assoladora, devastadora. O profeta Joel escreveu uma obra prima poética, falando sobre a devastadora praga de gafanhotos que havia assolado a Palestina.


No capítulo 1 ele salienta a destruição causada pelos gafanhotos à agricultura, porém, no capítulo 2, Joel dá mais atenção ao próprio gafanhoto, isto é, mostrando como eles são e a maneira como agem. Em êxodo 10, 12 também trata do inseto: “O Senhor disse a Moisés: “Estende tua mão sobre o Egito para que venham gafanhotos sobre ele, e invadam o Egito, e devorem toda a erva da terra, tudo o que o granizo deixou.” Porém em Levítico 11, 22 o gafanhoto já é alimento: “Eis, pois, os que podereis comer: toda espécie de gafanhotos, assim como as variedades de solam, de hargol e de hagab.”


Ah! Mas, eis que um dia vejo um gafanhoto no parabrisa do carro. Não era alimento e também não era nenhuma praga, era simplesmente um simples animal. Não se tratava do gafanhoto, migrador, destruídor ou o devorador, como diz à Bíblia, mas sim, um simples inseto com suas peculiaridades.


Andei cerca de 13 quilômetros e o bicho permaneceu firme do lado de fora, mesmo quando atingia a velocidade de 100 quilômetros por hora. E quando parava nos faróis, eis que o bichinho parava, abria suas asas, esticava suas patinhas e começava a lambê-las... “Que bichinho limpinho”, pensei.


E foi assim, durante 45 minutos meu companheiro foi ele: o gafanhoto. Quando estacionei o carro em casa, o danado percebeu e esticou suas asas tipo se despedindo e fez um vôo rasante para o céu e se foi. Pois é... Meu amigo gafanhoto!

Feliz aniversário para mim e viva as Casas Bahia!

Viva! Completei mais um ano de vida! Fiz aniversário! Porém, não falei nada para ninguém, não marquei nenhuma festa e, nem ao menos comemorações específicas em bares, restaurantes, etc. Nada!

Entretanto, adepto aos novos gêneros da escrita e dos meios de comunicação, fui “caguetado” pela internet, mais precisamente pelo Orkut. O tal “programa” avisa a minha “rede de amigos” que estou aniversariando. Resultado: várias congratulações.


Porém, telefonemas foram apenas... 2. Agora o que mais me surpreendeu foram as correspondências. Recebi cerca de 26 cartas... Sim, em plena era da internet recebi 26 correspondências palpáveis e algumas com carimbo dos correios e algumas até tinham selo.
E, todas elas eram direcionadas a mim me felicitando, parabenizando, homenageando... A primeira carta recebo uma semana antes, era do banco, depois do cartão de crédito, em seguida da farmácia (isso mesmo! Da Farmácia), depois do deputado... (Ih! Esqueci o nome). Recebi duas cartas da igreja, me parabenizando e também me convidando a dizimar... O clube onde freqüento também me parabenizou, assim como a Rede Drogão, Lojas Americanas, Bradesco, Banco Santander, Nossa Caixa, Pizza Hut, Morrison Bar, Elefante (???? Não descobri ainda o que é)... E, finalmente das Casas Bahia.


Sim gostei da Casas Bahia, foi curto e direto. “Obrigado por ser nosso cliente. Estamos a sua disposição sempre que for necessário”. E, logo abaixo: “Tenha um feliz aniversário”.
Pois é... Descobri que meus amigos são “corporativos” e, estão sempre a minha disposição em todos os momentos da minha vida. Desde a hora em que preciso de grana ou consumir qualquer coisa, até um pedaço de pizza, assim como ir para uma balada de rock. Então... Um feliz aniversário e viva as Casas Bahia!

sexta-feira, agosto 28, 2009

A essência da música é universal

A música tem uma linguagem universal e não tem nacionalidade. A música é mais que um movimento cultural, faz parte de uma linguagem com regras próprias. Cada um deve ter a liberdade de poder escolher o estilo de música com a qual se identifica melhor, pois ela é capaz de falar ao coração, seja ela americana, italiana, brasileira, etc.
Acontece que existe a “cultura pop” dominado pela maioria dos artistas da língua inglesa, capaz de ditar o estilo de música que devemos ouvir no mundo inteiro. Ela faz parte do dia a dia de todos os seres humanos do globo terrestre. Podemos definir e distinguir o que é bom ou não.
Então acontece alguns fenômenos em países de outras línguas, desde os países do primeiro mundo, como dos subdesenvolvidos, pois ficam a procura de uma música nacional. É claro que ela existe. A “cultura pop” não apaga os movimentos culturais e sociais, que são responsáveis pelo surgimento da música em um determinado local.
A música brasileira é riquíssima com os seus estilos múltiplos e peculiar em cada região do país. O interessante é quando esta riqueza se mistura com a cultura pop, viabilizando a popularidade da música.
A cultura pop, por mais que seja considerada “dominante” há muita coisa boa, pois já faz parte também direta ou indiretamente da nossa cultura. Tentar limitar o “estrangeirismo” é recuar, dar volta para trás no desenvolvimento de nossa própria cultura que é miscigenada.
Quando os holandeses vieram ao Brasil, não foi uma “invasão”, foi uma tentativa de “colonização” (Recife é o exemplo) e, por motivos religiosos foram expulsos, já que acontecia a Reforma Protestante na Europa.
A evolução da língua, assim como da música, acontece de acordo com os movimentos sociais, portanto devemos apenas tentar observar a qualidade da música que é tocada no país, pois todas elas cantadas em português ou não, tem a essência da cultura brasileira.

terça-feira, agosto 18, 2009

Globo x Record: Qual o papel da mídia?

Estamos assistindo mais uma novela entre as guerras das emissoras. Há quase 10 anos a maior rival da Rede Globo é a TV do Bispo Macedo, que há tempos desbancou o Silvio Santos. Esta é a terceira vez que, declaradamente as duas emissoras se degladiam. A primeira vez, foi o “episódio da santa”, onde um pastor desrespeitou uma “imagem santa”, quando deu alguns chutes. O episódio gerou comoção nacional.
A segunda vez, foi por uso indevido do dízimo, mesma razão das acusações atuais. As reportagens mostram, de parte a parte, que muito precisa ser mudado. Conforme a denúncia do promotor Roberto Porto, a Iurd usa dinheiro dos fiéis - isento de tributos - para fortalecer a Record. A acusação envolve lavagem de dinheiro no exterior e formação de quadrilha, fatos gravíssimos. A receita anual em dízimos seria de R$ 1,4 bilhão por ano, que seriam em parte desviados para a Record e para fins particulares.
Mas a Record contra-atacou com várias denúncias no domingo, a começar pelo fato de que o promotor do caso teria beneficiado a Globo há alguns anos, ao ceder gravação feita com Fernandinho Beira-Mar, dentro de um presídio. A Record cita que Porto mantinha relação estável com a juíza titular da vara onde foi aceita a denúncia, Patrícia Cruz, embora a decisão tenha sido dada pela juíza-substituta. Isso pode invalidar o caso, no nascedouro. Além de mostrar Roberto Marinho como o mais influente colaborador civil do regime militar, a Record entrevistou o ex-ministro das Comunicações Euclides Quandt de Oliveira, que revelou que a Globo agiu ilegalmente para ampliar a rede própria de emissoras; foi citada a compra da TV Paulista, atual base da Globo em São Paulo, possivelmente feita com documentos falsos.
Diante destes embates podemos questionar: qual é o verdadeiro papel da mídia? Vemos que todas elas querem ter o poder. A informação, educação, prestação de serviço, está onde sempre esteve: em segundo plano.
E é neste momento de “crise”, que aparece um novo gênero que futuramente acabará com estes monopólios: a “web TV”, onde ferramentas como o youtube e os blogs podem revolucionar este sistema.
Veja as reportagens
Rede Globo
Rede Record

Homenagem aos professores da FAD

Estes foram alguns de dezenas de e-mails lamentando as demissões de professores, e o descumprimento com a educação que a Uniesp tem. Afinal, todos têm o direito de se expressar, sem nenhum tipo de censura ou ameaças.


Suely, Dina, Shirley, Leila...e todos que agora não tenho e-mail e são tão especiais quanto

Demorei em responder sobre a os ocorridos com a uniesp (em minúscula mesmo) mas esclareço: gostaria que, quando escrevesse, pudesse expor alguns sentimentos que passei ao ser aluna da 'saudosa' FAD nos anos de 2005 até meados de março de 2008.
Mas, mesmo assim, sei que me faltará significados, significantes... a própria limitação conceitual de que, quando algo é muito intenso, transformador, fica difícil dizer ou explicar...ainda bem...a palavra como campo inesgotável de transposição de nossa vivência; cada um conta, do seu jeito, a sua história. A minha, nesse momento, é breve.

A exceção pode atordoar-nos um pouco e o que aconteceu prova isso : a regra era que todos os cursos que se destinam a habilitar alguém para exercer uma função realmente cumprissem sua tarefa; do contrário, essa seria a exceção e com a FAD fomos além: aprendemos a olhar as situações com foco, objetivos (A Dina disse “Estou atrás de foco.....e não é o da dengue"!!!......belíssima!!!); a transformação continuada como um incessante movimento de pessoas que não se acomodam com o momento ou situação em que se encontram...como escreveu o professor Mário Sérgio Cortella, pessoas que vão se fazendo todos os dias, nunca encerradas dentro de sua própria visão ou mundo, que muitas vezes parece ser confortável por fazer acreditar que o já é o bastante...Não bastou sermos suficientes para vocês; tínhamos que saber o que somos e onde poderemos chegar, o que me faz acreditar em um grande potencial que realmente faz a diferença; não nos recuperaremos mais!!!Tiro isso pelas incessantes e desenfreadas conversas que eu e as meninas sempre travamos: o que fazer para melhorarmos, para irmos pelo caminho certo(?); inquietudes que não cessarão...Ainda bem que foi assim.
A faculdade será para vida; vocês serão para vida: como parâmetros de comparação, espelhamento e inspiração.

Obrigada!

Ana Paula Moraes

Bom dia a todos,
Hoje recebi este email sobre as demissões das professoras Shirley, Leila e Suely, conclui o curso de Letras em 2008 e sinto por todos os alunos da FAD porque serão os mais prejudicados, talvez os únicos, pois tenha a certeza que como profissionais competentes que são, logo estarão trabalhando em uma Instituição à altura de sua capacidade.

Gostaria de aproveitar a oportunidade e agradecê-las, por toda o profissionalismo, pois ao longo do curso não aprendi apenas conteúdos e disciplinas, mas, houve uma transformação pessoal, não sei se para melhor ou pior, uma transformação que mudou a minha vida para sempre, mas, posso afirmar com certeza que hoje sou mais feliz.

Acredito que esse seja o objetivo de toda Instituição de educação: transformar as pessoas para que conquistem seus objetivos, além disso, sejam felizes.Não tenho palavras para explicar a tristeza que sinto, pois a faculdade era nosso porto, hoje "Portos de passagem", embora tivessemos concluído o curso, como Instituição preocupada com qualidade de ensino que oferecia aos alunos, importava saber também como esses estavam no mercado e isso ultrapassa a tênue linha entre a mercadoria (produto de um curso) e o ser humano (cidadão que pretende "construir" outros cidadãos).

Mais um vez, agradeço à Deus por tê-las colocado em minha vida, vocês sempre ocuparão um lugar especial em meu coração, tenho a certeza de que logo teremos outro porto para as nossas pesquisas.

Um grande abraço,
Regiane

boa noite,
Meu nome é Fábio sou do quinto semestre do curso de Letras, curso este que foi muito bem dirigido por pessoas que acredito, confio e tenho muito carinho,Suely Amaral e Shirley e todas as pessoas envolvidas, pois um bom curso não se faz somente com o nome de faculdade, mas sim com os mestres nela presente,então pergunto para os meus caros colegas de faculdade, como podemos confiar em uma empresa como a UNIESP, pois é o que ela é somente uma empresa, onde o lema é lucrar e não educar, mas tudo bem! como representante de sala que sou, participei de algumas apresentações CIRCENSES desta empresa e ouvir muitas MENTIRAS, como por exemplo:´´Mestres e Doutores estão garantidos no emprego``, pois bem vimos o que aconteceu! Poderia me calar e ficar quieto, pois estou no último ano e não sofrerei muito as consequencias, mas como já disse tenho um enorme carinho e acima de tudo muito respeito por essas senhoras citadas, coisa que a empresa UNIESP não teve, pois demitir uma pessoa via telegrama, não preciso terminar o meu pensamento, então lanço um desafio à todos aqueles que tem coragem e não querem somente um diploma para enquadrar, mas sim querem dar continuidade a um trabalho sério e humano, que foi iniciado e estúpidamente interrompido por pessoas de carater duvidoso, que é no primeiro dia de aula simplesmente não entrar na empresa UNIESP e orientar as próximas vitimas destes senhores empresários de como funciona a empresa UNIESP, obrigado, pois esse foi um simples desabafo de um aluno que acabou de ficar orfão e ainda não aceitou esse crime.

quarta-feira, agosto 12, 2009

Juventus rumo a Tóquio


"Ódio eterno ao futebol moderno"
Depois de Grêmio, Corinthians, Internacional e São Paulo lançarem-se no cinema nacional, chegou a vez do Juventus. O tradicional clube Mooca, que se auto-entitula o segundo do coração dos paulistanos, chega às telonas com “Juventus Rumo a Tóquio”, curta-metragem que registra o ambiente no estádio da Rua Javari na conquista da Copa Federação Paulista de 2007 e que será exibido no Festival Internacional de Curtas de São Paulo.
Dirigida por Rogério Zagallo, Helena Tahira e Andréa Kurachi, a obra de 15 minutos faz parte do projeto Passaporte de Futebol, que reúne uma série de documentários rodados no interior do Brasil sobre comunidades que tenham o time de futebol local como elemento fundamental na formação de sua identidade.
Filmado durante a derrota por 3 a 2 para a Linense, que ainda assim lhe valeu o título ao "Moleque Travesso", “Juventus Rumo a Tóquio” é uma crônica sobre um dia de jogo na Rua Javari. Mostra as reações dos torcedores, desde a velha guarda até os juventinos mirins. O romantismo está explícito no subtítulo da obra: “Ódio eterno ao futebol moderno”.
O sonho de chegar a Tóquio, no entanto, ficou adiado. A conquista da Copa Federação Paulista valeu a vaga na Copa do Brasil de 2008, em que o time não teve vida longa. Passou dramaticamente pelo Coruripe na primeira fase, perdendo o primeiro jogo por 4 a 1 e vencendo o segundo por 5 a 1, mas não resistiu ao Náutico na etapa seguinte. Bateu os pernambucanos por 2 a 0 na Javari, mas caiu por 3 a 0 nos Aflitos e foi eliminado.
“Juventus Rumo a Tóquio” terá quatro exibições no Festival Internacional de Curtas de São Paulo, que começa no dia 20 de agosto.
Confira:
- 21/8, 16h, Centro Cutural São Paulo- 22/8, 20h, CCJ Ruth Cardoso- 23/8, 17h, Cine Olido- 27/8, 18h, Cineclube Grajaú

quinta-feira, julho 23, 2009

As compras no “hipermercado”, parte I e II

Quer ver um homem em desespero é convidá-lo a fazer compras. Principalmente nestas grandes redes, que não são mais supermercados agora são “hipermercados”. Bom, eu já tinha medo de ir a um supermercado, agora então tenho pavor.
A começar pelas filas, são todas “dantescas”, aí criaram a fila única, cujas compras não podem ultrapassar 10 unidades. E, para o desespero geral, estas são ainda maiores. E se for em datas próximas ao pagamento como dia 5 e dia 10... É pior que banco!
E porque ninguém reclama? Para muitos se trata de um lazer. As pessoas não fazem compras, mas sim, desfilam pelos corredores com seus carrinhos gigantescos, pois nestes hipermercados não existem mais aqueles sextinhos de mão, nem aqueles carrinhos menores. É tudo hiper!
Estes dias estive em um lugar destes. E não sabia onde poderia achar um simples molho de saladas. Andei quatro corredores para a direita, depois voltei cinco corredores a esquerda e nada. Perguntei então para uma menina que passou a mil por hora com seus patins, e depois de um giro de 360º, ela me respondeu que ficava no setor dos “perecíveis” e, para chegar lá, tinha que subir um corredor e virar a esquerda depois da peixaria, aí então seguiria direto e viraria a esquerda novamente. Ufa!
Enfim! Encontrei o molho. Juntei a ele refrigerante e cervejas. Ao chegar no caixa encontro uma fila quilométrica. E na minha frente uma mulher com um carrinho entupido de coisas e lá tinha de tudo. Sucrilhos e várias outras caixas de produtos parecidos com sucrilhos e, também muito, mas muito papel higiênico com cheiro de... Rosas! Papel higiênico cheiroso! Aí não né!
Então abandonei tudo, sai correndo daquele lugar e fui parar no mercadinho da rua de casa. Lá, não peguei nenhuma fila. Comprei o molho e ainda bati papo com a Dona Emilia que há mais 30 anos atende toda a comunidade.

A mulher e o hipermercado - parte II
Para algumas mulheres, a organização da casa se dá pela organização do carrinho do supermercado. É simples, ao chegar no local, pega-se o carrinho, onde se coloca de tudo, desde os papéis higiênicos cheirosos, leite, carne, biscoito, comida do cachorro, etc. e depois leva-se tudo para casa, ou mandam entregar. Trata-se de organização.
Organizar um carrinho de compras é um dom feminino. As mulheres esperam ver um mundo melhor naquelas rodinhas, onde mães, profissionais liberais, donas de casa, executivas, professoras, mulheres em geral, ao empurrar aquelas rodinhas empurram também sonhos e inconscientemente empurram suas vidas, pois ali está o sustendo da casa, seu trabalho e seus sonhos, muitas vezes compartilhado com seu companheiro.
O supermercado da vida, como diz a banda Barão Vermelho pode ser visto como um microcosmo de uma realidade diferente: a da casa. É lá que as necessidades muitas vezes são supridas, desde os alimentos até os produtos de limpeza. É um dia em um mês que é essencial para organização da casa e do corpo.

segunda-feira, julho 20, 2009

O que o Lulla falava sobre Sarney

Hoje o presidente Lulla defende Sarney, mas já esteve do outro lado. Sim, o Lulla já foi "Lula" que tinha coragem de enfrentar os "poderosos", hoje defende "interesses". Basta ver o vídeo abaixo:
http://www.youtube.com/watch?v=M3ituI8y5qg

Homem na lua: 40 anos

"Este é um pequeno passo para um homem, mas um grande salto para a humanidade", de Neil Armtrong, há 40 anos.

terça-feira, junho 30, 2009

As vuvuzelas das Confederações

Brasil campeão da Copa das Confederações não é novidade, aliás não escutei nenhum fogos da galera para comemorar os gols tupiniquins. O que mais gostei foram das "Vuvuzelas", aquela corneta que já foi moda nos estádios brasileiros. Aliás, estas cornetas foram lançadas na final do Campeonato Paulista de 1979, entre Corinthinas e Ponte Preta. Lembro que ganhei um do meu pai.

Michael Jackson e a imprensa

Após quase uma semana da morte do rei do pop Michael Jackson, o fato ainda é notícia em todos os meios de comunicação. Notícias à parte, o que me chamou atenção foram as capas das revistas e jornais um dia após a sua morte. Comprei três jornais e uma revista. Diante disso resolvi pesquisar algumas capas dos jornais do mundo inteiro e, eis que descubro que a capa mais criativa foi do jornal carioca Extra e também achei interessante a capa do Daily Mirror, que também chamou a atenção para a morte da "eterna pantera" Farrah Fawcett, que aconteceu no mesmo dia.

sexta-feira, junho 26, 2009

Anjo Negro


por Sylvio Micelli

Gostar ou não de Michael Jackson é uma opção do arbítrio de cada um. Como já disse Nelson Rodrigues, outro gênio, "toda unanimidade é burra". Desconhecer ou minimizar sua importância, porém, é impossível. Há mais de 40 anos ele esteve aí, entre nós - pobres mortais - fazendo sucesso em cima de sucesso: do menino prodígio à frente do Jackson Five ao maior artista pop de todos os tempos. O que entendo ser mais curioso é que Jackson não planejou seu sucesso como algo datado. Era tudo comum para ele, simples assim, desde cantar "ABC" à superprodução de Thriller, o disco mais vendido da história.

Qualquer adjetivo, por mais superlativo que seja, não consegue designar o homem que dividiu o pop americano e mundial em duas fases distintas: o antes e o depois. Dançarino como poucos, dedicado e perfeccionista ao extremo, criou videoclipes que mais se assemelhavam a curtas-metragens. Seus shows eram uma aula de mainstream elevada à enésima potência. Fez do rhythm and blues, hip hop, soul, funk e rap, sonoridades aceitas em todo o planeta e jogou o racismo nojento, que a hipocrisia humana diz não existir, para escanteio. Lembremos de "Black or White"... "It Don't Matter If You're Black Or White"!

Há pessoas que o criticarão no campo pessoal. Uma infância pobre e sofrida, plásticas de gosto duvidoso, relacionamentos complicados, acusações sexuais, enfim, pautas e mais pautas que fizeram a alegria dos fofoqueiros de plantão. Jackson para mim é um anjo negro. Veio à Terra dar-nos um pouco de sua genialidade. Viveu o céu e o inferno como Dante já nos ensinou. Fez da vida terrena um grande palco e teve a coragem de expor suas vísceras em público. Tudo para ele foi um grande truque. E quando se preparava para uma grande turnê mundial fez um Moonwalk e saiu de cena.

sábado, junho 06, 2009

Bony... Uma vida de gente, uma vida de cão!


Ter um animal de estimação definitivamente não é uma tarefa fácil. Já tive vários bichos em casa, cachorro, gato, galinha, peixe, periquito e até papagaio. Todos eles se foram, mas um foi realmente especial, o Bony.

Tudo começou em 1999, quando comprei por R$ 100,00 um filhotinho de daschund, mas conhecido como salsicha. Nos primeiros dias ele estranhou a nova casa e não conseguia dormir, então o coloquei em uma caixa de sapatos forrado e coberto com toalhas. Coloquei esta caixa em cima de um banco para ficar da altura da cama, ele me observa e, só assim dormia.

O danadinho tinha apenas 1 mês, brincalhão... Só queria saber de morder tudo o que via pela frente. Era esperto, muito esperto... Teve um dia que estava ouvindo um cd e o deixei em cima da cama e fui até a cozinha. Ao voltar o danado tinha mordido o CD, subiu na cama e ainda fez coco em cima do travesseiro. Sabendo que ia tomar uma bronca, ao chegar no quarto ele já saiu correndo para a casinha dele.

Bony... Muitas histórias. Às vezes íamos paquerar juntos no Parque do Ibirapuera. O colocava no carro, no banco do passageiro, deixava a janela aberta e ele sentia o vento tocar seu focinho... Ao chegar no parque andávamos e andávamos pelas ruazinhas do ibira, algumas meninas paravam para acariciá-lo... Ahhh! Bony, Bony...

Adorava frutas... Comia de tudo! Nunca vi cachorro gostar tanto de banana como o Bony. Se tinha uma dúzia de bananas em casa, pelo menos umas 3 ou 4 eram dele. Ah! Às vezes ele latia pedindo comida, mas isso não deixava ele comer não! Quer dizer... De vez em quando né !

Era quieto... Latia apenas quando entrava gente estranha em casa ou por algum barulho... Aliás, ele odiava dias de jogos de futebol, natal e ano novo justamente por isso: barulhos. Ele detestava fogos de artifícios e os trovões nos dias de chuva. Nestas ocasiões ele ficava bem perto de mim.
Os anos passaram e a idade para um cão também é cruel. Como em casa tem muitas escadas, para um cachorro desta raça foi um sofrimento. Certa vez ele começou a mancar e também a perder os movimentos das patas traseiras.

O levei no veterinário e fui indicado a levá-lo na USP para fazer acumpultura. Marquei 5 sessões. E, ao imaginar um cachorro sendo espetado por 50 agulhas, já imaginei: “Não vai dar certo”. Ao contrário... O danado gostou... E ainda sarou.

Era carinhoso, dócil... Chorava por carinho e brincadeira. Às vezes para chamar atenção levava seu cobertor até a sala e começava a chacoalhá-lo. Enquanto tomava banho ele me aguardava silenciosamente deitado no sofá. Ao deixar o banheiro, ele entrava para ver se alguma peça de roupa estava “disponível”, ou seja, se dava para pegar alguma camisa ou meias. Mas ele gostava mesmo era das cuecas! O “filha da mãe” quando via uma cueca dando bobeira a pegava, mordia, rasgava e ainda a levava para o quintal, para mostrar para todos.

Pois é! O Bony! Ele tem muitas histórias em 10 anos de vida. Dizem que a idade do cachorro para se equiparar a do ser humano deve ser multiplicada por 7. Se isso for verdade, ele tina 70 anos. E, ainda tinha muito tempo de vida.

Porém, na última quarta-feira, 3 de junho de 2009, ele deu uma escapadinha para fazer seu xixi nos postes da rua. Ao ver uma cadela sendo rodeada por vários outros cachorros, foi se aventurar em ruas estranhas. Ao saber que ele tinha escapado, sai em sua captura e de repente o encontro jogado no meio da rua. Tinha sido atropelado.

Estava quase morto, estagnado com a maldade humana que ele não conhecia. O peguei rapidamente e correndo, o coloquei no carro em busca de um veterinário. Diagnóstico: fratura de bacia. O tal doutor me falou que o carro provavelmente passou por cima dele e podia ter prejudicado alguns órgãos internos. Medicado o levei para casa. À noite ele uivou... Chorou.

Na manhã desta quinta-feira (04) o peguei no colo e ele ainda tentou andar sem sucesso. Em seguida deitou e horas depois morreu.

Uma vida de cachorro, uma vida de gente, que ao olhá-lo, percebemos que temos as mesmas aspirações: viver e ser feliz.

domingo, maio 24, 2009

Edgard Scandurra, “Amigos Invisíveis” e reticências.


Ao saber que Edgard Scandurra iria gravar um DVD intitulado “Amigos Invisíveis 20 anos depois...” não pestanejei e logo pensei: imperdível. Motivos são muitos, a começar por ser um dos melhores guitarristas brasileiros, sem necessariamente fazer parte de uma banda de heavy metal ou de blues, que erroneamente muitos pensam que nesses estilos estão os melhores guitarristas do mundo. Além disso, o guitarrista tem um vasto e respeitado repertório, desde os tempos do Ira.
Mas, voltando ao show de Scandurra, o curioso é que fiquei sabendo do tal evento apenas duas horas dantes do show, que aconteceu na última sexta-feira (22) no teatro da FECAP, no centro de Sampa. Ao chegar ao local, encontrei um teatro bem aconchegante e um som limpo e perfeito que vinham da banda que o acompanhava.
O repertório foi basicamente de seu primeiro disco do próprio Amigos Invisíveis, de 1988/1989. Músicas simples, harmoniosas e bem tocadas. É claro que não poderia deixar de homenagear seu filho Daniel, que hoje faz parte da banda tocando baixo. E, como sempre, o guitarrista continua a compor "hinos", especialmente ao filho, que foi homenageado com uma foto na contracapa e uma faixa "Bem Vindo Daniel", um instrumental fabuloso.
Ainda quando tocava no grupo Ira, a homenagem ao filho, mesmo antes de nascer, já era citado no disco Vivendo e Não Aprendendo, nas faixas "Casa de Papel", e na letra de "Dias de Luta" ("se meu filho nem nasceu / eu ainda sou o filho...")
O show teve ótimos momentos como em “Tolices”, “Soldados”, “Caput” entre outras pérolas.
Ao final do espetáculo compreendi que “Amigos Invisíveis vai muito além das reticências do título. Que venha o DVD.
Sérgio Pires

Discografia

Amigos Invisíveis (1989)
Benzina (1996)
Dream Pop (2003)
Benzina Remixes (2004)
Amor Incondicional (2007)

quinta-feira, maio 21, 2009

Encontrando no Armário - Parte 1

Pessoas... Esta é a primeira parte. Aqui uma vez por semana terá um comentário de um disco qualquer. Caso alguém se interesse pelo vinil, basta escrever para: sergiospires@yahoo.com.br