quarta-feira, abril 22, 2009

Dia do índio, dia do “outro”

Pelo que sei, a etnia brasileira é formada pelo índio, branco e o negro, porém o índio é sempre o “outro”. O povo brasileiro não insere o índio no contexto social, pois ele está sempre à margem.
O índio é tanto um “outro” que existem leis específicas para ele, ou seja, regras próprias, como demarcação de terras, etc. Não que isso seja errado, pelo contrário, sabemos que por “direito” a terra é deles, mas a visão que temos do índio nos faz parecer que ele não faz parte da nossa etnia, pois a visão que é passada é como se fosse um “patrimônio” brasileiro.
Renato Russo soube exemplificar isso na música “Que país é esse”, quando diz: “quando vendermos todas as almas dos nossos índios no leilão. Que país é esse?”.
Acredito que a visão do índio que o povo brasileiro ainda tem é do herói, é a imagem de Peri ou de Iracema, ambos os personagens de José de Alencar. E estes heróis permanecem vivos, são os “outros”.
Enquanto isso, os índios “reais”, são massacrados por fazendeiros que desconhecem os Peris ou as Iracemas, pois conhecem apenas a “terra”. Por isso, o dia 19 abril, dia do índio é apenas um outro dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário