terça-feira, maio 26, 2009

Sebo do Armário - Parte 2

Galera, o nome agora será realmente "Sebo do Armário", caso alguém queira estes discos, basta escrever para: sergiospires@yahoo.com.br
Abraços...
video

domingo, maio 24, 2009

Edgard Scandurra, “Amigos Invisíveis” e reticências.


Ao saber que Edgard Scandurra iria gravar um DVD intitulado “Amigos Invisíveis 20 anos depois...” não pestanejei e logo pensei: imperdível. Motivos são muitos, a começar por ser um dos melhores guitarristas brasileiros, sem necessariamente fazer parte de uma banda de heavy metal ou de blues, que erroneamente muitos pensam que nesses estilos estão os melhores guitarristas do mundo. Além disso, o guitarrista tem um vasto e respeitado repertório, desde os tempos do Ira.
Mas, voltando ao show de Scandurra, o curioso é que fiquei sabendo do tal evento apenas duas horas dantes do show, que aconteceu na última sexta-feira (22) no teatro da FECAP, no centro de Sampa. Ao chegar ao local, encontrei um teatro bem aconchegante e um som limpo e perfeito que vinham da banda que o acompanhava.
O repertório foi basicamente de seu primeiro disco do próprio Amigos Invisíveis, de 1988/1989. Músicas simples, harmoniosas e bem tocadas. É claro que não poderia deixar de homenagear seu filho Daniel, que hoje faz parte da banda tocando baixo. E, como sempre, o guitarrista continua a compor "hinos", especialmente ao filho, que foi homenageado com uma foto na contracapa e uma faixa "Bem Vindo Daniel", um instrumental fabuloso.
Ainda quando tocava no grupo Ira, a homenagem ao filho, mesmo antes de nascer, já era citado no disco Vivendo e Não Aprendendo, nas faixas "Casa de Papel", e na letra de "Dias de Luta" ("se meu filho nem nasceu / eu ainda sou o filho...")
O show teve ótimos momentos como em “Tolices”, “Soldados”, “Caput” entre outras pérolas.
Ao final do espetáculo compreendi que “Amigos Invisíveis vai muito além das reticências do título. Que venha o DVD.
Sérgio Pires

Discografia

Amigos Invisíveis (1989)
Benzina (1996)
Dream Pop (2003)
Benzina Remixes (2004)
Amor Incondicional (2007)

quinta-feira, maio 21, 2009

Encontrando no Armário - Parte 1

video

Pessoas... Esta é a primeira parte. Aqui uma vez por semana terá um comentário de um disco qualquer. Caso alguém se interesse pelo vinil, basta escrever para: sergiospires@yahoo.com.br

terça-feira, maio 19, 2009

O jogo mal começou: faltam projetos esportivos


Definitivamente o povo brasileiro não dá a mínima pelo esporte (com exceção do futebol, é claro). Mas ao fazer tal afirmação quero deixar claro que a “grande” mídia em geral não colabora para mudar este cenário. E, se ao analisarmos os atletas de ponta que temos, chegaremos à conclusão que eles se destacam não pelo apoio ou qualquer tipo de patrocínio, mas sim por esforço próprio. Por isso temos que ter orgulho quando atletas brasileiros se destacam em qualquer tipo de competição internacional.
As empresas ainda não se deram conta o valor que o esporte pode agregar em um indivíduo. Não apenas nos esportes competitivos, mas no investimento na formação do cidadão. Isso deveria começar lá... Desde criança, nas aulas de educação física, valorizando outras modalidades como o vôlei, basquete, handebol, atletismo, etc.
Gestão – Hoje sabemos que é necessário patrocínio para montar bons times de basquete, vôlei, etc. Aliás, há anos São Paulo não conta com um bom time de basquete ou vôlei, mas para o investimento no esporte como cidadania o que falta mesmo é uma boa gestão do poder público.
Não existem bons projetos, tanto do governo municipal, estadual ou federal. O que existe é uma pequena “virada esportiva”, evento que acontece uma vez por ano e não atinge o seu objetivo. Em resumo, não há bons projetos que envolvam o poder público (em qualquer esfera) e a sociedade. Em outras palavras, as pessoas que ocupam as pastas de secretarias de esporte são mal capacitadas. Pode até existir pessoas com boas intenções, mas como diz o ditado: “De boa intenção o inferno está cheio”.
São necessários projetos específicos para cada comunidade, isso de acordo com as suas características, tanto culturais como geográfica. É necessário fazer uma pesquisa do local para averiguar a característica da população que mora em tal bairro onde o projeto pode ser aplicado. Bom, aí as coisas começariam a funcionar. O esporte tem que ser levado a sério, assim como a cultura. Pois é fundamental na vida do ser humano.
Enquanto isso, o esporte é coisa do “outro”, de quem joga em um time qualquer, ou de quem pode pagar uma academia. “Esporte é coisa que passa na televisão e é praticado por quem não tem nada o que fazer”. Esta é a visão de muitas pessoas que não tem acesso ao esporte.
O GOL mostra-se preocupado com esta situação, pois não é só de futebol que vive o homem, mas de todas as atividades físicas, capazes de fazê-lo, pensar, agir e se interagir na sociedade, transformando-o em um cidadão.
Sérgio Pires

segunda-feira, maio 11, 2009

Comunidade Fumaça ganha Dias das Mães antecipado

A Comunidade Fumaça, localizada na Avenida Alvarenga, na altura do número 4 mil, comemorou o Dia das Mães de forma antecipada. No último dia 1º de maio, dia do trabalhador, um grupo de voluntários foi até o local, onde presenteou cerca de 40 mães com cortes de cabelo, escova, chapinha e ainda houve doação de roupas para a comunidade.
O evento começou de forma antecipada, quando a professora Ellen Nicole Costa Pereira, juntamente com a química Ângela Honório do Nascimento, cadastraram todas as famílias da comunidade. Com os dados em mãos, no dia seguinte (dia 1º) o trabalho começou cedo, e ainda contou com a presença de Rosa Maria Pinho Gomes e Luzivania Costa Leite.
Com o grupo mulheres de voluntárias formado, a identificação com as mães locais foi imediata, tanto que ao final do dia, cerca de 40 pessoas foram atendidas, algumas com cortes de cabelo e chapinha, outras preferiram somente escova ou apenas chapinha.
De acordo com Ângela Nascimento, dentre as pessoas que foram atendidas, a mãe mais jovem foi Elaine Rodrigues Soares, 18 anos. Um dos destaques é Tereza de Morais, 80 anos, moradora do bairro há 37. “Mesmo em uma cadeira de rodas, cuida das tetranetas, é alegre contagia a todos onde passa, não reclama de sua deficiência, e tem sempre um sorriso amigo e agradável por onde passa”, relatou.
Projeto – O projeto realizado na Comunidade da Fumaça é uma iniciativa da educadora Nicole, que realiza o trabalho social no local há algum tempo e, contou com o apoio de Ângela Nascimento, do Instituto O GOL. “Este dia foi fantástico, foi a doação do trabalho”, comentou Ângela. Para Nicole o evento foi um sucesso. “Foi uma realização fantástica, estou super feliz.”


Confira as fotos do eventoMeninas voluntárias realizando o atendimento à comunidade







quarta-feira, maio 06, 2009

Não há vagas nos concursos...

Certamente conseguir emprego está cada vez mais dificil. A tal crise pegou todos de surpresa e, então estamos ouvindo uma onda tremenda de demissões em massa. Algumas empresas estão demitindo, outras não contratam mais ninguém. E, nas empresas podemos ver apenas um cartaz com os dizeres: não há vagas.
Pretexto - Para muitas empresas, a crise serviu e ainda serve como um pretexto para demissões em massa em algumas empresas, assim como a suspensão de novas contratações. É um jeitinho para adaptar as empresas a globalização, principalmente no que diz respeito a terceirização de seus serviços.
Então o jeitinho é dar uma checada nos concursos. Uau... Somente no site do PCI Concursos, há milhares de vagas sendo oferecidas. E, quem não quer ter estabilidade? Mesmo que os salários sejam baixos (em alguns casos) é a única saída para milhares de brasileiros.
Em concursos não há preconceitos pela idade, cor ou sexo, ao contrário de algumas empresas, que através de um preconceito implícito, deixa de admitir bons profissionais.
Perigo - Estas milhares de vagas oferecidas em concursos, muitas vezes é simplesmente uma forma de arrecadar dinheiro dos governos estaduais, municipais e até da esfera federal. É um verdadeiro perigo.
Em 2006, prestei concurso para jornalista na prefeitura de Santo André. Era apenas uma vaga e fui aprovado, porém fiquei em 42º. Com uma colocação ruim, nunca me informei sobre o andamento deste concurso.
Três anos depois (semana passada), curioso liguei para prefeitura para saber o andamento deste concurso. Pensei: Bom, deve ter chamado umas dez pessoas, outras podem ter sido demitidas ou até mesmo desistiram. Então a pessoa do RH revelou: "Nunca foi chamado nenhum jornalista, é um cargo de confiança".
Então me revoltei. Gastei R$ 50. Perdi meu tempo, e ninguém foi chamado! Para um bom entendedor, ficou claro: foi só para arrecadar dinheiro, a vaga já está preenchida lá... Por alguém de confiança.
Bom, concursos... Só se for "com curso" certo para ficarmos atentos, pois em muitos: não há vagas.