sexta-feira, dezembro 31, 2010

stereophonics - dakota

terça-feira, dezembro 14, 2010

Copa do Mundo: alguém se lembra?

Em dezembro de 2009, a imprensa brasileira e a grande mídia só tinham um assunto em pauta: Copa do Mundo. Tinha uma série de reportagens específicas sobre a Copa, além da contagem regressiva para o maior torneio esportivo do planeta. Havia também aquela expectativa dos convocados por Dunga, especulações e mais especulações. Veio a convocação e aí houve a primeira decepção dos brasileiros. Coerente com seu pensamento e com o time, Dunga não trouxe nenhuma novidade referente à sua seleção, que se classificou para a Copa com uma das melhores campanhas, mesmo sem apresentar um bom futebol.

Veio a Copa do mundo com seleções fracas, futebol previsível, sem muitas novidades, e para variar e como todos esperavam a seleção canarinho foi eliminada pela Holanda e Dunga foi massacrado pela mídia. O Campeonato Brasileiro recomeça e com jogos fracos, assistimos a briga pelo título por três grandes clubes: Fluminense, Cruzeiro e Corinthians, e vimos também à empolgação que as equipes do Palmeiras e São Paulo entraram em campo para jogarem contra o Flu.

Enfim, o ano de 2010 acabou sem deixar saudades para o futebol brasileiro, principalmente para os paulistanos, que amargaram pelo segundo ano consecutivo o título brasileiro de um clube do Rio de Janeiro, nada contra os cariocas, mas sim contra os comandantes do futebol brasileiro e a grande mídia que sempre privilegia os clubes do Rio.

Professor trabalha ou dá aulas?

They are my friends teachers from Geração
Tadeu, me, myself and I, Luciana e Alessandra
Certa vez um aluno perguntou ao professor se ele trabalhava ou apenas dava aula, e ele respondeu com ironia: “O que você acha que estou fazendo aqui?”. Mas, o que parece ser um problema conceitual, é muito mais sério, pois na verdade o jargão/chavão criado “dar aulas” é um discurso ideológico e acarreta na falsa impressão de que “dar aulas” não é trabalho.

Mas os problemas dos professores não começam por aí, mas pela desvalorização de seu trabalho na escola, e quem pensa que isso é um problema explícito da escola pública, se engana, pois na rede particular os problemas ainda pioram. Enquanto no Estado existe uma política que não valoriza o trabalho do professor, na rede particular não há leis que assegurem os direitos dos docentes como, por exemplo, e acontecem problemas como: atraso de salários, corte de benefícios, além de uma política mais cruel: política que beneficia os alunos cujos pais são bons pagadores.

Não quero me estender nesse celeuma, mas afinal refletir o que faz um professor: ele trabalha ou dá aulas? Seja na escola pública ou privada a função do professor, está em crise... Que haja um reavivamento docente urgente!

quinta-feira, novembro 25, 2010

Caetano e Maria Gadu...

Não sou fã de carteirinha de Caetano Velozo e recentemente aprendi a gostar do talento de Maria Gadu. Os dois juntos são ingredientes básicos para convencer a assistir ao show na Via Funchal na última quarta-feira, dia 24. No mesmo dia estavam jogando Palmeiras e Goiás e, como palmeirense, tive maus pressentimentos antes da partida e optei pelo show, e realmente estava certo. O show maravilhoso que presenciei superou a decepção da derrota palmeirense que não assisti.

Vi uma menina de voz rouca que sabe tocar violão como nunca, às vezes em suas músicas abusava do toque de violão base, valorizando as batidas, outras vezes preferia as nuances de notas puras, que combinava direitinho com sua voz.

Já Caetano... Ele é o mestre, uma voz aveludada que passeou através dos anos e de seus vários sucessos.

Show de bola!







Dia da Consciência...

No último dia 20 de novembro fui convidado a participar do evento das comemorações das raças, organizado pela RANEL (Raízes Negras do Litoral). A entidade aproveitou a data da Consciência Negra para fazer um evento onde as pessoas de várias etnias e religiões pudessem participar. O que mais me surpreendeu é que fui convidado como jornalista autônomo e o que mais me chamou atenção foram os integrantes da tribo Tupi de Peruíbe. Hoje reduzidos apenas a 15 famílias com 45 pessoas.




O Cacique da tribo é o Ubiratan, na segunda foto de preto. Na terceira imagem foi da apresentação musical da tribo no Portinho, na Praia Grande. A última imagem estou ao lado do Pagé Nhanguarê.

terça-feira, novembro 09, 2010

Futebol é coisa de mulher

As meninas da Pós-Graduação de Estudos Linguisticos e Literários da Fundação Santo André mostraram que futebol é coisa de mulher. As meninas mostraram que sabem como tratar a redondinha e correram durante 1h30 atrás da pelota.

terça-feira, outubro 19, 2010

20 anos de MTV Brasil: a music television… sem music



por Sylvio Micelli

E lá se vão 20 anos daquele sábado, 20 de outubro de 1990, um dia marcado na história da cultura no Brasil. Foi o dia que entrou no ar a MTV Brasil, canal que se propunha naquele último ano da década de 80, a promover entretenimento e cultura por meio do que se convencionou chamar de cultura do vídeoclipe.

Sem dúvida, foi um marco. Numa época sem TV a cabo, nossa juventude vivia catando coisas interessantes para ver na enfadonha programação da TV aberta, que permanece chata até hoje, com programa idênticos ou reciclados daquela época.

O início da MTV Brasil foi muito legal. Para quem sempre foi fanático por música – como é o meu caso – a MTV diminuía a distância abissal dos lançamentos internacionais que, geralmente, chegavam no ano seguinte por estas plagas.

Com uma programação permeada por clipes e notícias sobre o mundo da música, a gente pode acompanhar a carreira dos então desconhecidos Faith No More ou Deee-Lite, dos grupos a caminho do estrelato como o Guns N’ Roses e até o surgimento do importante movimento grunge pudemos ver, ao vivo e em cores, com as bandas Nirvana, Pearl Jam, Alice in Chains e por aí vai. Havia, ainda, espaço na programação para clipes alternativos, mesmo que fosse num horário pouco convidativo no meio da madrugada.

Foi um tempo, enfim, com momentos valorosos para mim e para muitos dos meu amigos que sempre relembram do tempo “que a MTV era legal”.

Com o passar dos anos, a MTV Brasil concedeu espaço na sua grade para programas “conceituais”, “comportamentais” e outros tantos que tais. Promoveu, a exaustão, bandas nacionais que não tinham tanta qualidade assim e acabou por esquecer de sua missão. Virou um canal chato como os demais da TV aberta e outros tantos da TV a cabo.

Obviamente que a molecada dessa geração, e que chega agora ao frescor dos 20 aninhos, não vai concordar comigo, mas a verdade é que a MTV Brasil perdeu sua essência. Virou uma plataforma de lançamentos musicais de gosto duvidoso, fruto da próprio deserto musical que o Brasil vive depois da explosão do rock nacional nos anos 80.

Saudoso, eu? Pode ser… Mas a verdade é que a MTV de hoje é uma TV sem música. Sobraram apenas programas para uma juventude sem pé nem cabeça.

segunda-feira, outubro 11, 2010

Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme... Mas o filme dá um sono...

Fui assistir ao filme “Wall Street: O dinheiro Nunca Dorme”, aliás, na verdade não fui vê-lo, fui ao cinema tentar assistir o Bope, porém todas as sessões estavam esgotadas, então optei pelo filme que trata de economia. Tinha tanta gente que pensou igual a mim que restou apenas o assento A-10. Isso quer dizer que fiquei na primeira fila com a cara para tela. Ao começar o filme que tem o astro Michael Douglas, que vive o canastrâo Gordon Gekko, um economista que aproveita de informações alheias para a compra e venda de ações, além de fazer várias especulações e consegue se dar bem dentro deste sistema percebe-se que o filme é puro blá blá blá. Tem muita conversa, diálogos extensos e com câmera parada, não é um filme de movimentos, chega a dar sono!

Aliás, o filme não brigas intensas, são pequenas discussões, não tem perseguições, não tem grandes imagens e também não tem um trilha sonora envolvente. O filme é uma aula de economia. É o típico filme que os professores vão utilizar em sala de aula para explicar a crise econômica de 2008/2009 e se aproveitar dos pensamento de “aulas transversais” e passá-lo nas escolas e faculdades.

O herói do filme é Jacob Jake Moore (Shia LaBeouf) que é um novato corretor da Bolsa de Valores norte-americana que está namorando Winnie (Carey Mulligan), que é a filha de Gordon Gekko (Michael Douglas), aliás, como Michael Douglas envelheceu, caramba! Mas sua atuação é o que compensa ver o filme. E o filme segue sonolento, sonolento... A melhor coisa a fazer é velo em DVD em casa e com uma receita que vai além da pipoca: coca-cola e pó de guaraná para não dormir.

sexta-feira, outubro 08, 2010

Vou votar na educação!

A tarefa de escolher a próxima pessoa a governar o país para os próximos quatro anos é uma tarefa fácil. Basta votar em um dos candidatos e pronto. Que bom se isso fosse tão simples assim. Confesso ter preferência pela Dilma, mas tenho muitas dúvidas. Quanto ao Serra tenho mais dúvidas ainda. O Lula é diferente ele ultrassa as fronteiras do PT, pois "ele é o cara" como disse Obama. O dificil é ter um país com apenas dois partidos e ter que ver os demais partidos coadjuvantes, aliás nem tento assim, o PMDB foi o partido que mais elegeu deputados depois do PT.
Qualquer um dos candidatos caso eleito tem que priorizar a educação. É preciso fazer um Plano de Educação junto aos municípios e com apoio de todos, para construir um novo plano que atenda a realidade local. É preciso rediscutir currículos , para que o aprendizado ocorra respeitando as diferenças e também para formação de um "novo indivíduo"...  Vamos ver então...

Macacão na escola? Nãooo...

Sim! Eu tenho um macacão. Por muito tempo pensei que fosse coisa chique, afinal paguei a bagatela de R$ 160,00 há quase 10 anos. E é de marca! É da Levi’s. Coisa boa! Porém, todas às vezes que tentei usar o estas vestes, típicas dos jovens dos anos 60 ou 70, me dei mal. Aliás, é bom explicar que adquiri a tal roupa ainda neste século, mesmo que alguns acham que acabei privilegiado com a doação de roupas de parentes de algum defunto, isso não! É pura calúnia! Outras chegaram a firmar que comprei na porta da igreja por R$ 1, etc. É pura maldade alheia! Pura inveja!

Mas devo confessar que a tal roupa me coloca em calças justas! A primeira vez que a utilizei foi num emprego novo. Foi em uma assessoria de imprensa. Era sexta-feira, dia do casual day, onde todos podem mais à vontade, então resolvi ir de macacão. Ao entrar na sala já ouvi risinhos... Burburinhos e meu chefe me convidou para ir até a sala dele. Discretamente ele me recomendou que voltasse para casa para trocar de roupa, pois teria que entrevistar o Paulo Maluf à noite para uma revista especializada. Disse-me que não era veste apropriada para trabalho, mesmo no casual day!

Outro dia, uma amiga foi até em casa e queria uma roupa emprestada. Aí achei estranho! Uma mulher querendo uma roupa minha, pega mal, naqueles segundos antes de perguntar o que seria, passou um monte de coisas na cabeça. Fiquei em silêncio e esperei que ela me pedisse: “Eu sei que você tem um macacão, você poderia me emprestar?” Como assim? Pensei! Como ela sabia que eu tinha um macacão? “Com certeza todos os vizinhos, amigos, a rua toda sabia...” Respondi: “Claro é pra quando?” “É pra hoje, é festa junina na escola, e tenho que ir fantasiada”. Sim, sim... Emprestei meu macacão, afinal, é uma fantasia!

Depois de um tempo deixei o macacão lá guardado no guarda-roupa. Teve um dia que não resisti e resolvi ir para escola dar aula de macacão para as crianças da 6ª série. Não prestou.

Na idéia dos pequenos, macacão quem usa são os seguintes personagens: Mario Bros, Fofão e Chaves. Alopraram-me. Quando pus o pé na escola, já começaram: o professor vei fantasiado de chaves! Outros retrucavam: “Não, não, é o Mário Bros, e, ainda pior... É o Chaves!”.

Aquele dia eles tiveram que escrever muito, por conta disso, passei lição até umas horas pra eles. Mas eles não respeitaram o Macacão! Estes dias ao abrir o guarda roupa ele estava lá.... Dobrado a espera da próxima festa junina, ou que a moda o ressuscite.

quinta-feira, setembro 30, 2010

A cabeça...

O carro quebra e a cabeça dói. Lembrou da última noite que não foi boa. O que fazer às 2h da manhã em um lugar deserto? Ligou o rádio e percebeu que seu amigo tinha esquecido um maço de cigarros no banco de trás. Lembrou que não fumava há dois anos, mas seria a única coisa para aquecer o ar do carro, estava frio. A cabeça doia ainda mais e sem nenhum medicamento. O jeito era tentar ascender o cigarro. De repente o telefone toca, pela ansciedade apertou o botão errado e a ligação cai. O número era estranho, não conhecia. Tocou novamente, ao olhar era o mesmo número. Não sabia quem era. Alô! Quem é! Oi tudo bem! Vc esqueceu sua carteira em casa! Não tenho como voltar aí Jéssica, o carro quebrou na estrada. Você pode pedir ajuda por mim? Não tem orelhão por aqui, não tenho créditos, a gasolina está acabando. Jéssica... Jessica... Jéssica cadê você? A linha caiu. Um trago... Tosse... Dois tragos... Duas tosses... A bituca apagou. O cheiro de cigarro misturava com o frio dentro do carro. Ninguém passava pela via. Abriu a porta foi até uma árvore, abaixou o zíper e urinou... A cabeça doía. Luzes bem distante... Luzes se aproximam, cada vez mais e poderia ser uma ajuda. O carro para, desliga o motor e desce um sujeito gordo, e os botões da farda teimavam em não rasgar a camisa. Mãos na cabeça! Documento do Carro! Esqueci! O quê! Esqueci! Cadê o negócio? Não tenho! O quê? Não tenho nada não! O que é isto aqui? Mostrou uns plastiquihos usados. Lembrou que a Jéssica tinha feito no carro um dia antes! É traficante né? Cadê a arma? Não tenho! Cadê a arma rapaz? Não tenho não! Então ajoelha, vamos lá ajoelha, se não tem documento, não tem nome! Meu nome é Carlos! Sei... Apontou a arma e disparou. Um tiro seco na madrugada sem testemunhas. Carlos é empurrado e cai de rosto no chão! Na próxima vez eu atiro pra valer, esta foi só para te assustar. Ligou para alguém? Não tenho crédito... Sem crédito também? Nesse momento o carro de Jéssica para ao lado. O policial se despede: vai embora! A Jéssica diz: Entra aqui. Carlos obedeceu... E foram. A cabeça agora doía ainda mais.

quarta-feira, setembro 29, 2010

O debate

Ontem assisti ao debate para o Governo do estado de São Paulo e isso me deu um tremendo sono! Mas fui resistente... Permaneci no sofá e nos intervalos ia até o computador e lia alguns e-mails; depois ia até a cozinha tentar beliscar algo; depois atendia o telefone e na seqüência sentava no sofá novamente.

O tédio me tomava conta, tentava mudar de canal mas resistia, então levanto e vou a cozinha novamente, volto com um copo de vinho... Tava bom! Era simples, um Santa Helena, um vinho chileno... Nossa, vinho com debate! Levanto e vou até a varanda... Visualizo a neblina... Um certo prazer e um ar gelado! Volto. Abro a geladeira e olho... Apenas por olhar, não pego nada! Mas fico olhando e a fecho. Volto para sala... Alckmin diz: “ A educação está com altos índices de aprovação... Dois professores na sala de aula...” me deu sono, termino a segunda taça... Desligo a TV. Ponho a taça na pia e apago a luz. Acabou o dia.

terça-feira, setembro 21, 2010

Ah! As mulheres cantoras...

Elas estão aí! Nos dials das rádios as vozes femininas dominam a programação nacional devido ao enorme número de revelações e, recentemente descobri a Tita Lima. Seu álbum “11:11” possui faixas interessantes. Algumas baladas meio que psicodélicas e com uma certa “malemolência”, pois não tem como compará-la com a cantora Céu. Algumas faixas ela passeio junto a mpb-bossa, outras funde o jazz com a música eletrônica e seu trabalho fica com uma característica bem pessoal da cantora.  Ouvi o CD que baixei da internet duas vezes... Acho que vale a pena comprar.

coisas e os objetos

Eleições, futebol, faculdade, pós-graduação, monografia, cds, músicas, livros, canetas, revistas, bloquinhos de anotações, jornais, papéis, ipod, celular, baterias, máquina fotográfica, chave do carro, chave da porta, chave do portão, óculos, lentes de contato, revista Rolling Stones, controle remoto, fone de ouvido, televisão, livros de inglês, livros de gramáticas e rádio, computador, música, guitarra, brinquedos, bola, futebol, luvas... E as palavras...

quarta-feira, setembro 08, 2010

As reticências... E a vírgula

Reticências...

Muitos adoram as virgulas, eu sou louco pela reticência... Ela diz tudo sem dizer nada... Às vezes ela fica querendo falar algo, mas fica ali ... Calada. Outras horas ela fala tudo, mas tudo mesmo como “Ah vai tomar...! A virgula é cheia de sentidos, é um tira e põe danado, já ela... A reticência não, já é o sentido de tudo.

Alguns dicionários ainda tentam definir a reticência como um substantivo feminino, como uma supressão ou omissão voluntária de uma coisa que poderia ou deveria ter sido “dita”. Definem ainda como uma atitude de quem hesita em dizer expressamente o seu pensamento, em dar um parecer... Ah! A reticência... Ela é o silêncio que falta em um texto... É o pensamento... É a ação... É o sentimento... Muito mais que a virgula!

Acho que a reticência não deve ser definida... É para ser sentida...

terça-feira, setembro 07, 2010

Fui, não fui...

O feriado acabou. Não fui ao cinema; não fui ao teatro; não fui ao futebol; não fui ao shopping; não fui à praça; não fui à praia; não fui ao aquário do Ipiranga; não fui ao Museu da Língua Portuguesa; não fui ao Museu do futebol; não fui visitar amigos; não fui; não fui...


Fui limpar o quarto; fui limpar coisas; fui limpar roupas; fui entregar coisas; fui comprar coisas; fui devolver coisas; fui levar coisas... Apenas fui...

terça-feira, agosto 24, 2010

Tiririca: a campanha mais consciente

Logo no primeiro dia de campanha eleitoral após a Copa do Mundo, estava andando pela Avenida Cupecê, na zona sul de São Paulo e, levo um susto danado: eis que vejo Tiririca em um carro de som, e acompanhando-o estavam uns 10 palhaços distribuindo santinhos. Na avenida e no trânsito todos riam e diziam: que baita palhaçada!

Dias se passaram e a campanha da televisão começou e eis que vejo o palhaço novamente na telinha e ele pergunta: “O que é que faz um deputado federal? E responde: “Vote em mim que eu conto”. Depois ele dispara: “Vote no Tiririca, pior do está não fica”. Já é sucesso!

Se o governo Lula tem o apoio de todos, o mesmo não acontece com o nosso Legislativo. Com dezenas de casos de corrupção, leis que favorecem a si próprios, casos de propinas, censura à imprensa, nomeação de parentes, entre outros, fazem com que os deputados, senadores e os vereadores sejam vistos de forma pejorativa.

Há muito a população se sente ofendida com leis como o “auxílio paletó”, leis que proíbem bailes funk e dezenas de outras que faz com que as pessoas se sintam como palhaços. Aí surge um cara que literalmente é um palhaço.

E agora? Com certeza, o voto de protesto da população poderá refletir na eleição Tiririca aí o circo estará completo. Mas uma coisa essa eleição deixará de alerta: Tiririca, o nome artístico do desconhecido Francisco Everardo Oliveira Silva que poderá ocupar uma cadeira de deputado federal. Sua fala na TV é a mais consciente, porém quem deverá assumir o posto caso eleito? O Tiririca ou o Francisco? Qualquer um que seja eleito uma coisa é certa: continuaremos a ser palhaços.

Bienal do livro... O coisa divertida!

Depois de dois anos, eis que chega a Bienal do Livro. Na escola, na faculdade só se fala nisso. E, como todas as pessoas normais com pretensões de aparentar uma pessoa (o)culta, resolvi visitar o local e achei muito divertido.

Para começar fui no penúltimo dia à tarde. Resolvi ir de metrô, pois descobri que o estacionamento era R$ 25 pilas. Ao descer na estação Tietê a diversão começava. A fila tinha pelo menos umas mil pessoas na minha frente para pegar um ônibus free... Era gente pra caramba que estavam se divertindo também. Sabendo que poderia demorar umas duas ou três horas para pegar o coletivo de graça, resolvi me divertir indo a pé até o Anhembi.

Acho que umas 50 ou 100 pessoas pensaram em se divertir comigo e fomos em uma verdadeira procissão... Foi muito divertido mesmo caminhar no sol e a temperatura estava muito agradável, por volta de 25 ou 30 graus de calor.

Ao chegar lá, depois de uns 20 minutos, descobrimos que a bilheteria estava fechada por excesso de gente, que também estavam se divertindo muito. Então resolveram deixar uma multidão de pessoas ao sol, um calor danado, esperando por cerca de 15 minutos até as bilheterias fossem liberadas novamente para a diversão da galera.

Depois de chegar mais gente querendo se divertir também resolveram liberar as bilheterias para ficarmos mais uns 15 minutos para comprar o bilhete da diversão, pois tinha esquecido credencial, holerite que dariam a mim o direito de entrar direto e de graça... mas pelo menos, consegui pagar meia entrada como estudante... R$ 5, conto (eeeeee....) E peguei mais uma filinha das catracas, mas esta até que foi rapidinho.

Logo de cara uma multidão danada se divertindo. Era gente, gente, gente... Fui logo na rua B, era o verdadeiro alfabeto de ruas e cruzamentos... na verdade era uma sopa de letras, eu entrei na rua B, sai na rua C na esquina com a F, de repente já estava na Z e descobri que não tinha andado nem a metade depois de duas horas e meia. Foi muito divertido.

Ah! Comprei algumas coisas. Via um monte de livros (todos caros) acho que nas livrarias ou na Internet estariam até mais baratos, mas o que eu achei interessante foram os livrinhos de terror.

Um monte de livros de dráculas, vampiros.... Coisas que antes eram para dar medo, hoje é tema de romances, mas no sentido real da palavra, não o literário. Porém, contudo e, entretanto, eis que vejo uma fila gigantesca, era de um cara que escreveu um livro chamado "A batalha do apocalipse" e também descobri que era um brasileiro, e descobri também que o livro tinha 600 páginas, e descobri também que estava em oferta... Tinha pelo menos uns 50 teens aguardando na fila para pedir autógrafo do cara, coisa bem divertida.

E... Eu resolvi fazer parte daquela diversão, e acabei comprando o livro. Voltei para casa depois de tanta diversão.

Nunca me diverti tanto assim em uma bienal... Até comprei um livro de histórias fantásticas para fazer parte das verdadeiras histórias de diversão... A leitura, mesmo que seja de vampiros.

segunda-feira, agosto 23, 2010

Ontem fez um ano do meu aniversário de 2009

Parabéns para eu

Ontem fez um ano que fiz aniversário! Adoro congratular aniversariantes, mas também é bom sercongratulado. Ontem quando completou um ano do meu aniversário, foi um dia especial para reflexão, acho que todos os dias deveriam ser assim.
A maior surpresa, diferente do ano passado, quando recebi centenas de congratulações, mas não de amigos, mas sim de corporações, como bancos, farmárcias, políticos em geral, que me enviaram correspondências me parabenizando. Este ano, pelo contrário não recebi nada disso. Porém, recebi telefonemas e mensagens calorosas de vários amigos.
Até os garços de um restaurante se juntaram para baterem palmas por fazer um ano após o meu aniversário.
Isso significa que o mês 8 está acabando, falatam apenas 8 dias para o fim do mês, como diria a dignissíma Paula Toller.

segunda-feira, agosto 16, 2010

Agosto, mês de reflexão


Agosto para mim tem um significado muito importante, talvez seja por isso que não tive ânimo de postar nada até o momento. Mês de aniversário e também que no passado aconteceram fatos marcantes.

quarta-feira, julho 28, 2010

Simbolo da Copa: coisa de outro mundo

A Copa do Mundo no Brasil em 2014 já começou mal. Para começar o simbolo da Copa é horrível, ops! quer dizer! Terrível! de um péssimo gosto. Isso traz energias negativas, se esse simbolo continuar...
Para começar, quando acontece algo triste, qual é a primeira coisa que o ser humano faz? É colocar as mãos na cabeça. Pois é! Se não for isso, quem criou este simbolo foi o Chico Xavier.

sexta-feira, julho 23, 2010

Dentro da loja, os ossos

A porta desceu de repente e todos ficaram presos no local. As luzes estavam acesas, porém era preciso abrir a porta o mais rápido possível, caso contrário algo poderia acontecer naquele ambiente. Algumas pessoas já me notavam e me olhavam com certo ar de desconfiamento.
Eu também fico desconfiado de lugares apertados e de gente desconhecida, fico impaciente e chego a tremer os dentes.
Ao lado da mesa havia uma lata de lixo e logo ali no chão estavam lá... Dois ossos. O cheiro estava convidativo. O botão foi apertado por um homem e a porta foi se levantando bem lentamente. Ela mal se ergueu e as pessoas já iam saindo. Aproveitei a oportunidade e com quatro passos bem rápidos peguei os ossos de uma só vez.
Fui advertido pela Ruth, mas já era muito tarde para ela, pois já estavam no meu estômago. Ela então puxou minha coleira e seguimos a multidão. Na minha frente via apenas os pés, e as sacolas, e Ruth me puxava agora com mais força, algumas pessoas se afastavam de mim. "Ele não morde", dizia. Enfim, para mim restou os ossos. Adoro isso.

Capas de discos curiosas


segunda-feira, julho 19, 2010

Eu não gosto do bom gosto


Poesia, música, mixagem, remixagem, colagem, talvez seja tudo isso. Na verdade o “bom gosto” é algo bem pessoal e particular. O que é bom para uns, pode não ser para outros, porém o “bom gosto” alcança o consciente coletivo imposto pela sociedade, como andar, como vestir, etc. Ás vezes isso é tedioso, por isso, às vezes eu não gosto do bom gosto.

By Sérgio e me, myself and I

quarta-feira, julho 14, 2010

O homem é mau por natureza e a sociedade o absolve

Todos os anos alguns casos de polícia ganham as páginas policiais, como a morte do menino João Hélio, o caso Eloá, a morte de Isabella Nardoni, e agora o caso Bruno e sua amante Eliza Samudio e da morte da advogada Mércia e da professora Telma, encontrada soterrada em uma praia no Paraná. Lembrando que esses casos ganharam destaque na imprensa, pois casos semelhantes explodem nos Boletins de Ocorrência das delegacias do país. Todos estes casos contêm elementos de pura maldade. Como um ser racional como o homem é capaz de cometer tais atos.

Segundo Rousseau, o homem é bom, a sociedade o corrompe. Como a sociedade que é composta por pessoas “boas” são capazes de corromper um indivíduo? Ora, se o ser é bom por natureza, deveria conservar suas virtudes ao invés de trocá-las pelos vícios e pela prática da maldade produzida por essa dita "sociedade", que é formada justamente por outros seres "bons por natureza", ou será que o homem é bom até conhecer outro?

Para Kant o homem não é bom nem mau, pois não é um ser moral por natureza, por isso é o único ser que precisa ser educado. Então por isso, o homem torna-se moral quando a sua razão vai até conhecer os conceitos do dever e da lei.

Estas maldades comprovam que o homem é ruim por natureza e deve ser vigiado constantemente. Os valores impostos pela sociedade são recheados de moralidade, imposta pela religião, mas a ainda assim confronta-se com uma sociedade que anseia pelo consumo. Consumo de tudo, de bens materiais e até em “bens humanos”, onde o homem consume o próprio homem, através da corrupção, prostituição, chantagens e vantagens de qualquer tipo, onde o antropofagismo fica inserido no cerne humano.

Desta forma, esta sociedade que é culpada por tais crimes, luta pela condenação dos destes “culpados” e, ao mesmo tempo tenta, através das leis a absolvição dos mesmos. Porém a opinião pública desta sociedade já fez o julgamento condenando todos os envolvidos e transforma tudo em um balaio de gato.

Na verdade, o homem é mau em sua natureza humana e ao mesmo tempo, bom, em sua natureza divina. A herança genética do ser humano é o amor e a bondade de seu criador.

quinta-feira, julho 08, 2010

Serra Negra: Uma cidade de prazer

Tive o prazer de conhecer a cidade de Serra Negra, uma pequena cidade que faz parte do Circuito das Águas. Foi um final de semana de diversão. Taí um passeio imperdível.

quarta-feira, junho 16, 2010

O rádio

Acordei, liguei o rádio, tomei café, fui ao banheiro, tomei banho, fiz a barba, escovei os dentes, me troquei, peguei as chaves e desliguei o rádio. Abro o portão, abro a porta, liguei o rádio, dou marcha ré, fecho o portão, dirijo, para nos faróis, estaciono o carro e desligo o rádio. Cumprimento as pessoas, entro na sala, ligo o rádio, digito documentos, imprimo papéis, leio jornais, e desligo o rádio. Saio da sala, entro no carro, ligo o rádio, dirijo, estaciono na rua e desligo o rádio. Entro em um local, cumprimento as pessoas, e o rádio ligado, não escuto as vozes das pessoas, não escuto o rádio, ando pela calçada e entro no carro e ligo o rádio. Dirijo novamente e estaciono na garagem, chego em casa e me desligo.

terça-feira, junho 01, 2010

Paraty é paramim e paranós...

Quando fui convidado a ir até Paraty no festival de jazz que rolava por lá pensei: putz! Vai ser cansativo, principalmente em uma viagem tão curta... Mas topei a parada. Às 8h da manhã peguei a Rio-Santos e... Pé no chinelo. Nunca tinha pego tal estrada e aos poucos a natureza foi se revelando pelo caminho. Paisagens paradisíacas, montanhas, praias, cachoeiras aos poucos iam se revelando... E, pé no chinelo...

Fomos informados que a viagem teria apenas 3 horas, puro engano, o ponteiro da minha ansiedade já contava 3 horas de viagem e estávamos ainda na metade. Ao passar por São Sebastião foi um relax total, praia de Baraqueçaba... O que é isso? Que lugar é aquele? Muito bonito... Mas para frente, mais e mais praias... Só uma coisa é para se observar... Não há “proletariados” no local. Pelas ruas carrões... Nas praias surfistas, burguesinhas, playboys usufruíam algo que é público, porém poucos têm acesso. Questões sociais de lado, seguíamos pela Rio-Santos até Ubatuba e apreciar as paisagens é completamente relaxante.

Ao chegar em Paraty foi outro encantamento. Uma cidade que respira cultura, pessoas do mundo inteiro se aglomeram para ver e apreciar jazz. Nos bares, rock and roll, com boa comida e uma gelada ao lado. Paraty é paramim, ou seja é pranós... Que venha o FLIP!

quinta-feira, maio 13, 2010

A invenção do Dorímetro e fim da História.

Em pleno 13 de Maio, em memória das vítimas da violência institucional e em homenagem a mais um negro humilhado pela PM na velha São Paulo.


Salloma salomão Jovino da Silva

Alguém certa vez, me perguntou sobre a dor, se não uma questão apenas de ponto de vista!? Essa noção absoluta de relatividade deve explicar um fato recente que surgiu na mídia. No primeiro momento pareceu tratar-se de uma fábula borgiana. Permitam-me contar...

Há tempos que uma equipe de renomados pesquisadores esta montando um aparelho que possa medir a dor. Inclusive já divulgaram que o tal equipamento será capaz de fazê-lo em caráter histórico e retroativo. Um chefe do laboratório deu uma entrevista muito esclarecedora para um famoso jornalista honesto, sustentando que quando o tal aparelho chamado “Dorímetro” estiver funcionando, vai ter fim esse papo de cota, reparação, escravidão, holocausto ou denúncia vazia de genocídio.

Segundo o Doutor Oto Krakauer, responsável pelas pesquisas, a partir de agora vai bastar medir a dor de cada pessoa, de cada nação, de cada civilização e comparar com outras amostras, para saber se “certas reivindicações” de reparação, justiça e equidade têm realmente fundamento ou não.

O objetivo principal daquele que já é considerado “o invento do século” é justamente a economia de tempo e papel que propiciará. O proeminente intelectual que é ao mesmo tempo o proprietário da empresa que fabricará o equipamento argumenta que “muito dinheiro será economizado em psicanalista, em pesquisa antropológica, arqueológica, filosófica e histórica." Sua ênfase recai principalmente nas duas últimas que, segundo o genial pesquisador, “nada produzem de útil mesmo”.

Observadores mais atentos dizem que no Brasil mundo acadêmico e científico está em verdadeira polvorosa. Corre a boca pequena que em alguns centros de pesquisa, especialmente em países em “vias de desenvolvimento” está em curso uma verdadeira corrida maluca em busca de aposentadoria, assim como das últimas bolsas de estudo disponíveis para essa área denominada Ciências Humanas.

Renomados cientistas sociais já se anteciparam e mandaram seus Currículos Lattes, com as devidas cartas de recomendações às ONGs de Empresas como Camargo Correia, Odebrecht, Banco Itaú, Unibanco, Andrade Gutiérrez, Natura, etc. Sob o risco de perder as verbas de pesquisa preferem vender seu requintado trabalho a quem pagar alguma do que, ter de lutar por uma maior democratização do ensino superior.

Mantendo o anonimato fala-se que estão pesarosos e dizendo adeus aos longos seminários internacionais as custa dos cofres público, aqueles pesquisadores que já conseguiram manter algum prestígio ou privilégio, obter ascensão ou lucro com monografias, dissertações ou teses, com questões que desafiam a compreensão do surgimento e desenvolvimento de certa humanidade. Nunca mais será possível um único centavo, para eternas elucubrações sobre colonialismo, imperialismo, hegemonia, escravismo, essencialismo, fenomenologia, existencialismo, revivalismo, religiosidade, cultura, civilização e outros tantos temas. Toda a economia de dinheiro que o uso do “Dorímetro” deverá ser redirecionada para pesquisas sobre as variantes das cefaléias e produção de novos medicamentos pra o cancro-mole.

Enquanto o invento não vem, vamos assistindo a dor ao lado, a dor alheira, nos corrompendo pela dor silenciosa das pequenas e imperceptíveis gentes, dorzinha gostosamente imensurável. A melhor dor é a nossa, porque é dor mesquinha e intransferível. É dor extremamente pessoal, de foro íntimo, ínfimo.

Essa dorzinha individualista não pode rimar com as músicas ritmadas que se espalharam pelas margens do Atlântico. Certamente o gemido dos torturados pelos americanos e ingleses não pode rimar com o soul de James Brown, é certo que não rima. Não podem rimar com cor tão branca e a voz tão negra do Rithm and blues de forte Amy Winehouse. Rajada de metralhadora não é rufo de caixa da bateria, bumbo não é bazuca, baqueta não é bala. Nossa vingança adormecida é resultado dessa dor. Ela resume-se na certeza de que quem atira mata, mas quem mata, mesmo inocentemente morre um pouco também.

Vimos pela internet em tempo real que os corpos despedaçados no Sudão e Nigéria, Kossovo e Bagdá depois de apresentados on-line, ficam meio escondidos em um ponto neutro da tela de LCD, permanecem lá por semanas aparentemente intacto, mas não sentimos o cheiro. Não sentimos o também parte de nós nos corpos que boiaram no Mississipi, nem na pólvora gasta com moradores de rua na zona norte de São Paulo. Não sentimos nada, nem mesmos a ação do tempo, nem do refluir da História. Somos mortos-vivos poderosos, cujos funerais têm que ser refeito todos os dias.

Muitos como eu adoram ver os roqueiros velhos, ver os cabelos brancos e as pelancas de homens vitoriosos cheios de medalhas e prestígio comprado na indústria de cosméticos. Com o passar do tempo virilidade torna-se apenas jogo de cena, só há sensualidade na língua, no farfalhar das notas verdes e no brilho das medalhas. Minha conclusão é que o envelhecimento humaniza, mas não salva, a morte ridiculariza e somente a dor é esclarecedora. Por tudo isso e, até que o Dorímetro seja colocado em funcionamento, devemos incentivar os jovens de ambos os sexos para que memorizem o maior numero possível de datas e nomes de lugares e pessoas.

Salloma Salomão Jovino da Silva é Doutor em História pela PUC-SP e Professor de História da África e Cultura Afro- Brasileira da F.S.A.

terça-feira, abril 27, 2010

Insuma, isto é rock’n’ roll

O último dia 24 de abril vai ficar marcado no cenário da música alternativa brasileira, quando cinco garotos da banda Insuma subiram ao palco de uma das casas mais importantes para o rock and roll alternativa, o Clube Outs, onde lançaram o primeiro CD “O dia de amanhã”. Com um ritmo empolgante e guitarras vicerais, o grupo tem uma identidade própria, conquistada em seis anos de estrada se apresentando nas casas mais importantes do rock alternativo como: Hangar 110, Black Jack, Club Outs, Tribe House, Volkana, Black More, Fofinho entre outras.
Os integrantes do grupo, possuem diferentes influências e opiniões que resultam em melodias bem trabalhadas e solos marcantes. A principal influência da banda é do grupo Dead Fish e se espelham em grupos como Nxzero, Gloria, Houdini, Garage Fuzz e Sugar Kane. Além disso, o grupo já tem um fã clube no Orkut com seus seguidores fieis.

Inicio - A banda começou no colégio São Francisco na zona sul de São Paulo, onde tocava em saraus e festas escolares desde 2000. Em 2006 o grupo ganhou uma identidade sonora tocando em festivais e várias casas noturnas e desde então começaram a compor seu próprio repertório. O CD ficou pronto em 2009 após três anos de ensaio, shows, e muito trabalho.

O grupo é formado por Dan, voz;Felix, guitarra e voz; Sina, baixo; Cabeça, guitarra e Chitão, bateria. Para mais informações sobre o Insuma, basta acessar o site www.myspace/bandainsuma. O contato para shows é pelo telefone 8643-8090 ou 8066-5304 , com Danilo ou Bruno.

terça-feira, abril 20, 2010

Karen, uma história

Só no verão você voltou
Tantos nomes que nem decorou
Um belo passado não iria encontrar
O passado existe? Você se pergunta.

Você resolveu voltar para o lar
Um novo futuro brilhando em seu rosto
Você sabe. Vai ser difícil reconciliar
Saindo da morte, saindo da vida

Você bateu na porta
Ninguém a abriu e começou a chorar
E queria agora e para sempre estar morta
As lágrimas caíram, e ao céu indagou:

Por quê o céu é frio quando estou quente?

Palavras ao lixo em um segundo
A solidão ocupava sua mente
E sua alma se afastava deste mundo
Karen, Karen, repetia seu nome

Sorriu ao céu com ironia
Um homem a olhou e a desprezou
Continuou a sorrir e se desprezou
Sentou-se no chão
Começou a preparar mais uma dose
Misturadas com suas lágrimas fumou, bebeu...
E soluçando, esperou sua cura...

Zensor 20 anos: uma festa só para quem conhece


por Sylvio Micelli

Na última sexta, 16 de abril, em São Paulo, aliás, em plena Rua Augusta no Inferno Club aconteceu a festa de 20 anos do programa de rádio “Zensor”. Hum… Rua Augusta e Inferno já eram o prenúncio de bons ventos…

Muitos hão de perguntar: festa de um programa de rádio???? ‘Ganha camiseta, ganha prêmio, ganha ingresso????’ Calma pessoal que eu explico.

Hoje, com tecnologia reinante de redes sociais e “cloud computing” tudo fica muito mais fácil. Alguns cliques e pronto. Você descobre um mundo novo a cada página que carrega no seu browser.

Tudo era muito diferente em 1990. Por sinal, outro dia. (Recuso a considerar-me velho…)
Pois bem. Entre 1990 e 1994, o DJ e jornalista Eneas Neto levou para a extinta rádio 97 FM (quando esta era no ABC e tocava rock de qualidade) uma proposta não apenas inovadora mas, principalmente, ousada. Criou o “Zensor”, um programa cujo maior trunfo era divulgar a Eletro Body Music (EBM), além de lançar tantas outras coisas, sempre no campo alternativo, digamos, in extremis.

Eneas logrou êxito. O programa permaneceu cult e foi tão inovador à sua época que, se fosse resgatado hoje, 20 anos depois, deixaria muita gente de queixo caído.

“Zensor” era parada obrigatória para quem curtia e curte um som baseado em teclados e sintetizadores, cujas letras falam, em sua imensa maioria, de problemas existencias sempre recheadas por uma aura densa, pesada e raivosa. O horário do programa era maravilhoso. Sábado, início da noite. Hora de se preparar para a balada de nossa turma que frequentava Madame Satã, Retrô, Cais, Hoellisch e tantas outras casas que sobrevivem em nossas retinas e pensamentos.

No país que hoje é do “Rebolation”, que já foi do “Tchan” e que outrora era da lambada, ouvir coisas assim, inovadoras é privilégio de poucos. Quem esteve lá na sexta, sabe do que estou falando. Quem conhece e não foi, perdeu.

Front 242, Nitzer Ebb, Neon Judgement, Tribantura, Vomito Negro, Clock DVA e tantas outras bandas desconhecidas do mainstream grudento das rádios brasileiras provaram que permanecem inspiradoras para os próximos 50 anos. Quiçá, eternas!

Vida longa ao Eneas. Vida longa ao “Zensor”. Vida longa à EBM. E se não for pedir demais, vida longa a mim. Afinal, como já ensinou Front 242, “the way the morning broke was quite unusual.”

terça-feira, abril 13, 2010

vídeo: friends in four years...

Nos últimos quatro anos aconteceram muitas e muitas coisas, muitas diversões que não foram registradas, porém aqui estão algumas.

terça-feira, abril 06, 2010

A barata

Tudo aconteceu naquela noite. Os desejos estavam no esgoto. Foi quando uma música invadiu o ouvido. Era um blues. O pé da mesa não dava equilíbrio ao copo que teimava em derrubar a vodka. E já era a quarta dose. As pessoas a olhavam meio que... Cismadas com algo e podiam questionar: “Como uma mulher tem coragem de ficar sozinha neste lugar”. Não ligava. Assédio era constante. “Posso sentar com você?” “Não!”. Respostas secas sem pensar, magoar ou não, tanto faz. Se distraia olhando os quatro cantos da parede. Arquitetura rústica, vidros, quadros, garrafas, aquários com cobras mortas. Gostava do barulho... Risadas, cochichos, gargalhadas, conversas sobre amantes, conversas sobre amores, conversas sobre futebol, conversas sobre política, discussões e falações. Em um momento seu olhar se prende a uma barata que estava no corredor esquerdo, próximo do banheiro. No meio da multidão, ela conseguiu passar sem ser notada. Nem um pisão. Neste momento sua mente volta para a realidade. Lembrou de quanto estava apaixonada e como aquela morte foi tão estúpida. A barata começou a andar em sua direção, e começou a sorrir sem saber o motivo. No mesmo instante o sorriso desapareceu. Chorou. Ao secar uma gota. Respirou. Ao abrir os olhos a barata estava em cima da mesa. Bebeu o que faltava. Lembrou da cena do assassinato. A barata continuava parada em cima da mesa. Já estava sozinha. Chorou novamente. Levantou da mesa derrubando o inseto sem querer. Neste momento um pé a esmaga. Enxugou uma gota de lágrima discretamente com sua unha e saiu do local discretamente como uma barata.

sexta-feira, março 26, 2010

Cadê?

Cadê minha senha do banco que tinha anotado em um papel e deixei na carteira, porém eu não a encontro? Cadê minha caneta que comprei na semana passada e estava dentro do livro e já não está mais? Cadê minha chave do portão que nunca acho e sempre tenho que ficar tocando a campanhia para que alguém possa me receber? Cadê minha camisa que ganhei de aniversário e já não sei onde está? Cadê o controle remoto da televisão que estava em cima do sofá? Cadê aquele CD que comprei no ano passado e não sei pra quem emprestei? Cadê aquele boné que minha mãe me deu quando viajei e já não sei onde está? Cadê aquela cueca preta de cetim que ganhei e já não a acho na gaveta? Cadê aquele livro do Drummond que estava na estante e já não está mais? Cadê aquele DVD do The Cure que tinha comprado há três anos e já não o encontro? Cadê aquele vinho chileno que comprei no Carrefour no ano passado e guardei, porém sumiu? Cadê aquela gravata que combinava com o meu terno preto que estava no guarda-roupa? Cadê o meu chinelo que comprei em Minas Gerais, vivo descalço? Cadê aquele fone de ouvido do iPod que não o encontro? Cadê aquela agenda de anotações com o telefone dela? Cadê a coleira do cachorro, para levá-lo para passear? Cadê os meus óculos que sempre procuro e ás vezes os encontro no rosto? Cadê o cadarço do tênis? Cadê a chave do carro? Cadê o par da meia? Cadê a moeda para comprar pão? Cadê o relógio... Cadê as minhas horas... Cadê você... Cadê eu...

terça-feira, março 23, 2010

My Autobiography

Sérgio de Souza Pires
My father Sebastião Pires is from Minas Gerais and my mother Cimira de Souza, is from Bahia. They came in São Paulo in 60’s e they met. Two years later, after that, they got married. When I was a child, I was naughty by nature, like every little baby, I was cute, little bit fatty and narry. Must the time I used to play with my dog called “Pingo”.

I used to watch cartoons like “Os Flinstones” and to play soccer with my friends. I had a friend and he was older than us and sometimes he picked me up to go to Morumbi stadium. There a saw Palmeiras time, at this time I was 7 years old, and this repeated many times after that. My father sometimes picked me up to see soccer game too.

With 7 years l had my first girlfriend. Mayre was her name. One year after, I found my second girlfriend, called Sônia. But… I never kissed than and they never knew that they were my girlfriend. Well… Since I was a child a get so in love so easily. I know, this is funny, but is true. Well, at this time I was a shy guy and a started to use glasses, and I still use glasses and I am shy since this time.

sábado, março 20, 2010

V - A - Z - I - O

Sabe, de repente vem assim, um vazio. Aqueles dias que de tão cheio parece que acaba sem nada, sem novidades, sem uma boa conversa, sem bons lugares para ir, sem boas músicas para ouvir, pois todas parecem chatas. Ai penso: o chato sou eu.
Sabe, às vezes o dia é tão cheio... De coisas assim,tipo uma avenida sem farol vermelho, uma música legal no rádio, uma combinação de roupaa que escolheu às pressas e deu certo, um cd legal comprado em oferta, um bom dia de alguém com um sorriso alegre. Aí penso: que coisas pequenas.
Sabe, alguns dias dei tanta gargalhada, comprei sorvete de chocolate,tomei banho de chuva, brinquei com o cachorro no quintal por horas, briguei no telefone com uma pessoa do telemarketing de uma empresa qualquer, cumprimentei vários amigos e também fui cumprimentado. Ai pensei: foi um dia legal. Que tédio!
Aí penso: esse vazio que nos preenche faz parte de nossa essência.

segunda-feira, março 15, 2010

Trilha pela mata fechada em Onça de Pitangui - MG

Foi uma aventura interessante pela mata fechada na cidade de Onça de Pitangui, bem no interior de Minas Gerais. Estávamos em três, contando comigo, o agrimensor e meu primo Zé. Passamos por lugares incríveis, com alguns rastros de animais como tamanduá, tatu, siriemas (as mais curiosas ficavam nos observando). Foram 4 horas de caminhada e tive muito medo, pois é uma região onde existem muita cascavel e jararaca. Ainda bem que não cruzei com nenhuma. Estas cobras só encontramos na cidade...







Aniversário: Malú

No último sábado foi aniversário da minha miga Malú. Porém, o bolo foi comido nesta segunda-feira... De chocolate... Uma delícia.

domingo, março 14, 2010

Um sábado: O amor acontece

Este sábado foi realmente longo, porém muito rico em acontecimentos. A começar com a aula do Marinho, na pós em Estudos linguisticos e literários. Foram duas coisas marcantes, a primeira sobre a poesia "Haikai" já tinha ouvido falar, mas nunca soube defini-la. Na sala uma aranha apareceu para assustar as meninas. Então saiu como improviso um Haikai:

Teia
A mão tateia
Um susto! A caminhar:
uma aranha sem teia

Em seguida as meninas apresentam um trabalho sobre verbetes (confesso que sempre pensei que fosse uma coisa bem chata), mas pelo contrário, sem perceber os verbetes estão em nosso dia a dia, basta vermos os recentes livros, como os almanaques ou mesmo o guia de discos, etc.

À tarde, na aula de literatura africana, teve uma palestra bem interessante com o professor e jornalista Daniel Medina, que contou um pouco da história de Cabo Verde, sua cultura, literatura etc.
Depois uma pausa para uma loira bem gelada, né (ninguém é de ferro).

À noite, ainda tinha mais surpresas, assisti ao filme "Amor Acontece" (Love Happens) e realmente é um filme bem legal, Sabe aqueles filmes que passam uma mensagem e quando acaba da vontade de sentar em algum lugar só para comentá-lo? Pois é. O Amor acontece é um desses filmes. Tem uma mensagem, apesar de ser clichê, previsível. Mas é bonito. E, por coincidência, o filme aborda um tema que vi em sala de aula: os verbetes.

Taí o trailler para dar uma checada. Êta sábado intenso...

quarta-feira, março 03, 2010

O fim da música brasileira

Não. A MPB não está morta. Pelo que ouvimos nas rádios espalhadas pelo país a música brasileira é da pior qualidade. E isso é visível... Ops! Quer dizer, audível. Basta dar uma conferida nas 40 músicas mais ouvidas em todo o país. A mais rica cultura musical do mundo sobrevive nos guetos, nos bares, na cultura do povo brasileiro em todos os estados, porém ela está escondida, não é tocada nas rádios ou está nas estantes da população brasileira com o que já foi produzido.

O gosto duvidoso desta década é parecido com o que já aconteceu antes na época da lambada, pagode, axé, sertanejo, e agora piorou: misturam tudo... Nome de “artistas” como João Neto e Ferederico, Fernando e Sorocaba, entre outras duplas ditas caipiras. O pior é que o Brasil inteiro está ouvindo estas músicas.

Confiram os 20 primeiros segundo a revista Billboard do mês de janeiro.

1) Estrela Cadênte – Victor e Leo

2) Na base do beijo – Ivete Sangalo

3) As Mascaras – Claudia Leite

4) Voa Beija-flor – Jorge e Mateus

5) Flor do meu sertão – Leonardo

6) Amor não vai faltar – Bruno e Marrone

7) O povo fala – Zezé di Camargo e Luciano

8) To nem ai – Hugo Pena e Gabriel

9) Não valeu pra você – Eduardo Costa

10) O que combina com você – Zé Henrique e Gabriel

11) Reinventar – Belo

12) E daí? – Guilherme e Santiago

13) Sinais – Sorriso Maroto

14) Não tem pra ninguém – Jeito Moleque

15) Fui – Exaltasamba

16) Curtição – João Bosco e Vinicius

17) Meteoro – Luan Santan

18) E agora nós? – Sorriso Maroto

19) Fã – Christian & Cristiano

20) Tá esperando o quê? Sorriso Maroto

terça-feira, março 02, 2010

História Infantil: Sem asas para voar

Taí um clichezinho que fiz para dar rizada...

Por Sérgio Pires

Voava rumo ao centro e minhas asas já não eram as mesmas. Ao voar pela Avenida Paulista senti que estava contra o evento. Pousei. Lá na esquina com a Augusta vi algumas pessoas que tentavam erguer voo em um tempo tão ruim. Começava a chover.

Então decidi seguir os conselhos de Cecília. Em tempos de chuva é preciso voar por cima das nuvens. O problema seria como chegar até lá. Acho que não tinha forças o suficiente.

Ao meu redor algumas pessoas desistiram de voar e começavam a andar pela calçada. Segui a multidão enquanto a chuva aumentava ainda mais. Não tinha tempo de parar em algum local para me proteger, então resolvi arriscar a voar novamente, mesmo com uma das asas machucadas.

Aproveitei que ainda não estava trovejando e calculei o tempo. Acho que demoraria pelo menos uns cinco minutos para chegar no Departamento de Voo Humano. Onde estavam me esperando. Fica lá na região central, perto da Estação do metrô Santa Cecília.

Enquanto isso, Cecília me aguardava. A reunião estava prestes a começar. Caso não chegasse a tempo, poderíamos perder as asas. Foi isso que o secretário Gustavo comentou na carta. Tudo porque na última semana voamos por áreas onde o sistema não pode nos localizar, porém ao passar perto de uma torre, fui localizado, daí então começou uma perseguição. Descobrimos que aquela área teria que pagar pedágio das asas. “Ora, não pedi para nascer com asas”, disse ao policial. Porém ele retrucou: “Todos devem ter os mesmos direitos, pois tem gente que nasce sem asas. Daí, os que têm asas tem que pagar. Caso contrário elas serão amputadas”.

Amputadas! Nunca. Carregava o envelope do licenciamento das asas que é pago junto ao Departamento de Voo humano, todos os “asantes”, como são chamados os que têm asas, devem pagar, porém, muitos não têm dinheiro e acabam amputados e se tornam “andantes”, como a maioria.

Ao chegar no departamento, Cecília estava tremendo de medo, pois estávamos na frente do juiz e estavam me esperando com os comprovantes do licenciamento das nossas asas. Ao chegar, Cecília me vê e logo me abraça aliviada. Nosso filho Pedrinho sorri com minha chegada.

Ao entregar os documentos ao juiz, ele arregala os olhos, e diz: “Infelizmente vocês esqueceram de pagar o mês 3. Então serão punidos”. Cecília foi a primeira. Veio um oficial com uma ferramenta estranha, porém bem afiada. E de uma só vez decepou as suas duas asas. Eu fui logo em seguida. E, em menos de 1 minuto estávamos os dois sem as nossas asas. Cecília chorou.

Pedrinho apenas nos olhou e falou. Pai! Vocês agora estão que nem eu. Sem asas. Que nada muleke, agora é que vamos voar. Todos sorrimos.

Mc Donald's and the devil

Mc Donald's e o tridente do 'demo'. Taí, os caras são relamente criativos. Os marqueteiros da multinacional americana colocaram seus produtos expostos em outdoors, e colocaram um suporte bem em cima. Conforme o sol bate, forma-se no final o "M" simbolo do restaurante, porém, para os da "Teoria da Conspiração", trata-se do tridente do demoo....