quinta-feira, fevereiro 25, 2010

música e imagens: Dead Can Dance

Music - Images...

Todas a música tem uma imagem... Algumas músicas tem muito mais imagens, além de sons... Algumas tem até cheiro... Sim! A música nos remete as lembranças e traz consigo seus odores, flagrâncias... Imagens... Vestígios... Reflexos...

segunda-feira, fevereiro 15, 2010

Ahhh! Minas Gerais e suas poesias

Era para ser uma visita breve pelo interior de Minas Gerais, mas resolvi dar um pulo em BH para aproveitar o feriadão de carnaval. Aí fui dar um role de busão a R$ 2,30 a passagem e, para minha surpresa me deparei com algo bem inusitado. Nos ônibus de BH em todos os bancos estão penduradas poesias. Isso mesmo! Poesias. Elas estão disponíveis a todos os passageiros e estão presas a um elástico. Idéia fantástica que deveria ser copiada.


sexta-feira, fevereiro 12, 2010

Sou sempre corrigido pelas máquinas ETs

Sabe! Todo mundo já levou bronca do pai, da mãe, do irmão, do vizinho, do professor, do tio, do supervisor, do chefe... Ufa! São tantas broncas que já levamos que já perdemos até a conta. Para alguns isso é normal, para outros é um absurdo e vê o caso como o “fim do mundo” e coisa e tal.

Mas ultimamente devo confessar que sou o mestre de ser corrigido em tudo que eu faço e o pior, é quem está me chamando atenção, pois não faz parte desse grupo de pessoas que citei, mas sim de ETs. Sim, sim, mas não são seres de outros planetas não! São elas: as máquinas.

Assim como no filme o Exterminador do Futuro, as máquinas estão me dominando e me corrigindo toda hora e me dando broncas. Ontem à tarde enfiei meu cartão na guela do banco 24 horas e ele me cuspiu de volta. Enfiei o danado de volta, e ele cuspiu o cartão novamente e ainda soou uma espécie de campanhia... Na tela a mensagem: “cartão inválido”. A danada da máquina até que é educada, pois logo em seguida me disse em letras cinzas na tela: “Favor inserir um cartão válido”. Só então percebi que realmente estava com o cartão de outro banco.

Na sequência dos botões, cada aperto de um número, tem um som especifico, um verdadeiro “gênius”. A apertar um botão errado, a máquina literalmente “berrou”, fez um som bem alto, tipo me dizendo: “o idiota! Não é este botão”. Enfim, no final deu tudo certo. Mas ela, a máquina me esculachou de verdade. Saí da cabine assim, meio disfarçando e sem graça, pois o próximo a usar a tal máquina já confabulava uma conspiração da minha santa ignorância com a fila toda.

Então chego em casa e ligo a televisão. Depois pego o outro controle e ligo a TV a cabo. Depois pego o outro controle e ligo as caixas acústicas. Depois tento escolher um canal. Mas não está na maldita TV a cabo. Então procuro o outro controle da televisão que a estas alturas já não sei mais onde coloquei. Acho o maldito, esqueço sempre de como devo manter a TV, para que o canal do cabo funcione. Consigo. Com apenas um controle nas mãos, fico a zapear... Enfim, vejo uma programação legal. Aperto o botão. E, levo uma bronca novamente. “Canal não autorizado”. Que merda! Mudo novamente e: “Canal não autorizado”. Aí lembro. Pacote básico. Levo bronca até da televisão!

Fui entrar no carro, o carro apita, me avisando que não a fechei corretamente; vou jogar vídeo game, e sempre uma mensagem estúpida me diz que teclei um botão errado; passo por um posto de gasolina e penso: ah! Tem gasolina pra caramba! Uma quadra adiante ascende o painel e diz que o tanque está na reserva e retorno são cinco quadras adiante com pelo menos 8 semáforos.

Sem falar do computador, que me corrige a todo o momento. Somente neste texto idiota, veio um clipe estúpido andando de bicicleta me chamando a atenção umas 10 vezes. Tanto que tive que deletar o maldito.

O pinto e a garrafa

Certo dia resolvi limpar um porão que existe em casa. Olhei para uma estante cheia de bugigangas e comecei a limpeza. De repente achei um caderno especial da morte de Jânio Quadros, quando era estudante não sei de que série; encartes dos ingressos do Rock in Rio II e da Legião Urbana, shows de rock e o mais curioso foi um livro velho “Para Gostar de Ler – Volume I”, que contém crônicas de Carlos Drumond de Andrade, Fernando Sabino, entre outros.

Comecei a ler alguns contos, como “O Pintinho” de Carlos Drummond, a história narra a celebração de um aniversário, no qual a decoração eram pintinhos sobre a mesa. Subitamente ouvi um barulho na rua, era o carro do garrafeiro, o cara dentro do veículo gritava com um alto falante: “Troco garrafas e panelas velhas por pintinhos”. Não acreditei na coincidência e fui até a rua, juntamente com a euforia das crianças, que desfalcavam a cozinha das mães em troca dos bichinhos. Quando cheguei no local, vi uma caixa lotada de pintinhos coloridos, eram verde, azul e amarelo. A meninada voltava para a casa com as aves piando nos braços.

Segui o filho do meu vizinho e eis que o bichinho estava sob tinta verde em cima do sofá e a criança tentava alimentá-lo com migalhas de pão. Vi que Drummond estava certo quando narrou em seu conto: “não virou galo, nem caiu na panela. No fim de três dias, piando e sentindo frio, o pinto morreu”. Voltei para casa e liguei a TV, e o noticiário dizia que o nosso presidente Lula quer fazer com que o Brasil, seja campeão em exportações na área da agricultura, de carne e de frango. Frango! Pensei: “olha o penoso aí novamente!”. O presidente estará certo, desde que os pintos cresçam, não sejam coloridos, nem trocados por garrafas ou virem enfeites de mesa, mas que sejam a razão de estarem à mesa para serem comidos.

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

Quem quer vai comprar!

Estes dias estava no ônibus indo para o centro de São Paulo, em determinado ponto, subiu um vendedor de chocolates e sem pedir licença, jogou o choquito no meu colo, assim como nos demais passageiros. Depois foi para frente do coletivo e discursou: “ Senhoras e senhores, sou um desempregado, e gostaria que me ajudassem adquirindo estas guloseimas por R$ 1,00”. Em seguida conseguiu vender 1 ou 2 chocolates e se mandou.

No ponto seguinte veio um vendedor de caneta, depois veio um cara que vendia biscoito, seguido por outro que estava vendendo revistinhas para crianças e logo na seqüência chegou um vendedor vestido de palhaço oferecendo balas. Depois disso pensei que estava realmente em um circo gratuito rumo ao centro. Teve passageiro que saiu com as mãos carregadas de canetas, balas, bombons...

Ao chegar no meu destino, comecei a andar pela rua 24 de Maio e os camelôs me ofereciam calças, meias, camisetas... Em seguida me dirigi até a avenida Ipiranga, lá tinha outros tipos de vendedores e me ofereciam serviços: “foto, foto, tire sua foto! Exame de vista, exame de vista! Na rua Santa Efigênia, é pior, lá não se pode nem andar no meio de tanta gente. Mas entrei na loja de informática e sem que ninguém me atendesse, fui direto ao balconista e pedi: “quero um pente de memória para computador. Paguei e vim embora.

Mal chego em casa, e a campanhia toca, vou atender e quem era? Um vendedor de filtro de água. “Muito obrigado, hoje não!”

O povo é rato

O rato é um bicho nojento que devemos combater, traz inúmeras doenças, mas a mídia e algumas empresas multinacionais talvez não pensem desta forma, pois existem vários personagens com o formato destes roedores. Talvez, exista uma comparação entre o "povo" proletariado com esses bichos que vivem à margem de todo o reino animal na visão humana. Nos desenhos animados existem inúmeros personagens como: Mickey Mouse, Ligeirinho, Super Mouse, Tom e "Jerry" , Bernardo e Bianca, Topo Gigio, Stwart Litle, entre outros.

Quem conhece o apresentador Roberto Carlos Massa?, ninguém, mas o seu apelido "ratinho" o transformou em um dos mais importantes homens do meio de comunicação brasileira.

A Folha de São de São Paulo já alguns anos tem como mascote um rato para vender anúncios classificados. O Banco Bradesco tem o "Chip", mais um ratinho simpático para agradar o gosto da população. Os ratos não só invadem a mídia, mas aparecem também em nomes de bandas musicais, e até mesmo marca de roupas.

Gostaria de saber por que nós nos identificamos com os "ratos". Talvez porque a população mais carente vive nos escombros, moram em lugares difíceis de se viver e a luta pela sobrevivência em busca do alimento e do bem estar social é intensa. Os ratos são sempre perseguidos e comparando com os seres humanos, a ratoeira da vida é o desemprego, fome miséria que nenhum político será capaz de resolver.

segunda-feira, fevereiro 08, 2010

Avatar e suas mensagens

O filme de James Cameron Avatar talvez receba várias estatuetas do Oscar e com certa razão. Avatar não é um simples filme, pois é cheio de mensagens. A começar pelo personagem principal, Jake Sully, um cadeirante. Daí, o filme já aborda a inclusão social. Aborda ainda ecologia, espiritualidade, pró-atividades e liderança.

O filme trata os desafios da sociedade atual se livrar da ideologia “homem-dinheiro” e através de um roteiro envolvente e com efeitos especiais que entraram para a história, principalmente em 3D, faz com haja uma interação entre a tela e os espectadores.

No filme, o homem não é a vitima, mas sim o causador dos males quando invade Pandora, um planeta que aparentemente é povoado por um povo primitivo. Assim como na mitologia grega quando Pandora abre a caixa de Epimeteu e saem todos os males e, quando ela fecha, resta apenas a esperança.

No filme é igual, uma mulher nativa, se apaixona pelo avatar do humano Jake Sully, daí então começam os males naquele planeta, restando a esperança de um novo mundo. A mesma analogia bíblica de Eva eAdão, onde Eva dá a maçã ao homem.

Mas Avatar vai ainda mais longe quando trata da espiritualidade, pois há uma interação entre homem-natureza-sagrado. Sem falar em religião, Cameron trata do sagrado como uma forma permanente de contato com Deus, que é uma das razões da manutenção da espécie.

É um filme que, quando acaba, você tem preguiça de levantar da cadeira, mesmo após quase 3 horas de filme. E, quando nos levantamos, estamos mais leves.

sexta-feira, fevereiro 05, 2010

terça-feira, fevereiro 02, 2010

Metallica: encantamento da música

Ainda em dezembro tinha duvidas se comprava ou não o ingresso para ver o show do Metallica em São Paulo. Tentei comprar para o sábado (30) sem sucesso, desisti. Depois pensei: “vou tentar de novo”. Desta vez para o show de domingo. Deu certo.

Estava em Minas Gerais e no sábado, dia do primeiro show, estava retornando a São Paulo, quando o ônibus para em Extrema (cidade do sul de Minas), lá dezenas de caravanas com centenas de jovens de todas as idades, estavam retornando a Minas depois de assistir a primeira apresentação da banda em São Paulo. “Foi emocionante” disse um fã encantado mesmo depois de horas após o show.

Ao chegar em Sampa, já me preparava para ver o espetáculo, meio preocupado com o clássico Corinthians e Palmeiras, então resolvo deixar o futebol de lado, afinal, domingo era dia de rock. Às 17h vou a casa do amigo Wilson, que também ia ao show junto com o filho Joe Hetfield (nome em homenagem ao volcalista do Metallica) que ia assistir a um show pela primeira vez. Saímos às 17h30 e chegamos no estádio do Morumbi às 18h10.

Às 19h entro no estádio e no mesmo momento sobe ao palco a banda Sepultura. Nesta hora caia uma garoa fina e o grupo manda bem. Em 40 minutos o Sepultura faz com que os aproximadamente 60 mil pessoas gritassem o nome da banda e ao final do show os refletores do Morumbi ficam acessos.

Logo em seguida os instrumentos da banda da noite começam a ser afinados e exatamente às 20h55 as luzes se apagam e no telão aparece a cena de um filme de faroeste.

Show – Logo na sequência do vídeo o espetáculo começa a encantar a todos,as imagens desaparecem e começam os riffs da primeira música "Crepping death"... Caracas! Teve gente que exclamou: “Já valeu o show”. Logo em seguida "Ride the Lightning" e "Fuel", depois "Sad but True" e "Unforgiven". Depois veio o pertado "That was Just your life", do album novo, seguida por "The End of the Line", também do disco novo. Para acalmar os ânimos tocaram “Welcome Home (Sanitarium)", depois a porrada “Cyanide” também do úiltimo CD. No final do show, o povo pedia "Seek and Destroy", que foi tocada no Bis. Memorável. Sem comentar as perfomaces dos quatro veteranos do rock.
Na saída do estádio, junto com Wilson e o Joe (que estava completamente estasiado) estávamos com um sorriso perto das orelhas, cometamos: PQP, valeu apena esperar. Eu ainda pensei: Se tivesse conseguido comprar o ingresso no sábado, voltaria no domingo, com certeza!

Veja o set list do show do dia 31
Creeping Death
Ride the Lightning
Fuel
Sad but True
Unforgiven
That was Just your Life
The End of the Line
Welcome Home (Sanitarium)
Cyanide
My Apocalypse
One
Master of Puppets
Fight Fire with Fire
Nothing Else Matters
Enter Sandman
Bis
Helpless (cover de Diamond Head)
Hit the Light
Seek & Destroy