terça-feira, fevereiro 02, 2010

Metallica: encantamento da música

Ainda em dezembro tinha duvidas se comprava ou não o ingresso para ver o show do Metallica em São Paulo. Tentei comprar para o sábado (30) sem sucesso, desisti. Depois pensei: “vou tentar de novo”. Desta vez para o show de domingo. Deu certo.

Estava em Minas Gerais e no sábado, dia do primeiro show, estava retornando a São Paulo, quando o ônibus para em Extrema (cidade do sul de Minas), lá dezenas de caravanas com centenas de jovens de todas as idades, estavam retornando a Minas depois de assistir a primeira apresentação da banda em São Paulo. “Foi emocionante” disse um fã encantado mesmo depois de horas após o show.

Ao chegar em Sampa, já me preparava para ver o espetáculo, meio preocupado com o clássico Corinthians e Palmeiras, então resolvo deixar o futebol de lado, afinal, domingo era dia de rock. Às 17h vou a casa do amigo Wilson, que também ia ao show junto com o filho Joe Hetfield (nome em homenagem ao volcalista do Metallica) que ia assistir a um show pela primeira vez. Saímos às 17h30 e chegamos no estádio do Morumbi às 18h10.

Às 19h entro no estádio e no mesmo momento sobe ao palco a banda Sepultura. Nesta hora caia uma garoa fina e o grupo manda bem. Em 40 minutos o Sepultura faz com que os aproximadamente 60 mil pessoas gritassem o nome da banda e ao final do show os refletores do Morumbi ficam acessos.

Logo em seguida os instrumentos da banda da noite começam a ser afinados e exatamente às 20h55 as luzes se apagam e no telão aparece a cena de um filme de faroeste.

Show – Logo na sequência do vídeo o espetáculo começa a encantar a todos,as imagens desaparecem e começam os riffs da primeira música "Crepping death"... Caracas! Teve gente que exclamou: “Já valeu o show”. Logo em seguida "Ride the Lightning" e "Fuel", depois "Sad but True" e "Unforgiven". Depois veio o pertado "That was Just your life", do album novo, seguida por "The End of the Line", também do disco novo. Para acalmar os ânimos tocaram “Welcome Home (Sanitarium)", depois a porrada “Cyanide” também do úiltimo CD. No final do show, o povo pedia "Seek and Destroy", que foi tocada no Bis. Memorável. Sem comentar as perfomaces dos quatro veteranos do rock.
Na saída do estádio, junto com Wilson e o Joe (que estava completamente estasiado) estávamos com um sorriso perto das orelhas, cometamos: PQP, valeu apena esperar. Eu ainda pensei: Se tivesse conseguido comprar o ingresso no sábado, voltaria no domingo, com certeza!

Veja o set list do show do dia 31
Creeping Death
Ride the Lightning
Fuel
Sad but True
Unforgiven
That was Just your Life
The End of the Line
Welcome Home (Sanitarium)
Cyanide
My Apocalypse
One
Master of Puppets
Fight Fire with Fire
Nothing Else Matters
Enter Sandman
Bis
Helpless (cover de Diamond Head)
Hit the Light
Seek & Destroy

3 comentários:

  1. Olha como o mundo dá voltas!


    Eu me lembro que quando o Metallica abandonou a pose de "metaleiros da pesada" e adotou um novo estilo eu rasguei minha camisa do Metallica e disse: "já era, essa banda não presta mais". Passei a considerá-los um grupo de "posers"...
    Agora, vários anos depois, disse "a banda é muito boa mas o preço tá muito alto, não vale a pena". Bem, depois desta descrição do show, acho que o poser sou eu! rsrsr perdi, e ah, valia sim....

    ResponderExcluir
  2. Bom, só pelo nome do meu filho, Joey Hetfield, já é possível imaginar que eu não perderia esse show por nada. E digo mais não existe como explicar a emoção de assistir ao show de sua banda favorita ao lado do filhão. É indescritivel.

    Agora só resta aguardar que eles retornem em menos tempo do que desta ultima vez, 10 anos.

    ResponderExcluir