quinta-feira, setembro 30, 2010

A cabeça...

O carro quebra e a cabeça dói. Lembrou da última noite que não foi boa. O que fazer às 2h da manhã em um lugar deserto? Ligou o rádio e percebeu que seu amigo tinha esquecido um maço de cigarros no banco de trás. Lembrou que não fumava há dois anos, mas seria a única coisa para aquecer o ar do carro, estava frio. A cabeça doia ainda mais e sem nenhum medicamento. O jeito era tentar ascender o cigarro. De repente o telefone toca, pela ansciedade apertou o botão errado e a ligação cai. O número era estranho, não conhecia. Tocou novamente, ao olhar era o mesmo número. Não sabia quem era. Alô! Quem é! Oi tudo bem! Vc esqueceu sua carteira em casa! Não tenho como voltar aí Jéssica, o carro quebrou na estrada. Você pode pedir ajuda por mim? Não tem orelhão por aqui, não tenho créditos, a gasolina está acabando. Jéssica... Jessica... Jéssica cadê você? A linha caiu. Um trago... Tosse... Dois tragos... Duas tosses... A bituca apagou. O cheiro de cigarro misturava com o frio dentro do carro. Ninguém passava pela via. Abriu a porta foi até uma árvore, abaixou o zíper e urinou... A cabeça doía. Luzes bem distante... Luzes se aproximam, cada vez mais e poderia ser uma ajuda. O carro para, desliga o motor e desce um sujeito gordo, e os botões da farda teimavam em não rasgar a camisa. Mãos na cabeça! Documento do Carro! Esqueci! O quê! Esqueci! Cadê o negócio? Não tenho! O quê? Não tenho nada não! O que é isto aqui? Mostrou uns plastiquihos usados. Lembrou que a Jéssica tinha feito no carro um dia antes! É traficante né? Cadê a arma? Não tenho! Cadê a arma rapaz? Não tenho não! Então ajoelha, vamos lá ajoelha, se não tem documento, não tem nome! Meu nome é Carlos! Sei... Apontou a arma e disparou. Um tiro seco na madrugada sem testemunhas. Carlos é empurrado e cai de rosto no chão! Na próxima vez eu atiro pra valer, esta foi só para te assustar. Ligou para alguém? Não tenho crédito... Sem crédito também? Nesse momento o carro de Jéssica para ao lado. O policial se despede: vai embora! A Jéssica diz: Entra aqui. Carlos obedeceu... E foram. A cabeça agora doía ainda mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário