terça-feira, janeiro 25, 2011

Música soul, groove, acid jazz

Poi é! É um grupo gospel. Gospel? O auge da música gospel no Brasil foi no inicio da década, por volta de 2000/01, na época do rock in rio III. Lembro que tinha uma tenda gospel com apresentações de bandas que estavam no auge na época, como Resgate e Oficina G3. Foi um verdadeiro fiasco. Primeiro pq as igrejas boicotaram as bandas que participaram do evento, alegando qye era copisa do demo, e também pq nenhum roqueiro entrou no maracanã àss 14h para ver estes grupos. Resultado: as bandas se apresentaram para as moscas. De lá para cá, muitos grupos, ditos "gospel" se dissolveram, e as igrejas começaram a fazer estas musicas (Lagoinha, etc.) e alguns artistas isolados ganharam destaque, como Aline Barros. Mas houve uma mudança no cenário iniciado pelos grupos de São Paulo.
O surgimento de grupos como: Raiz Coral, Coral Kades, FLG, Sérgio Saas, Templo Soul e Grove Soul, mostram um outro cenário pouco explorado. O soul raiz, o groove e o acid jazz, iniciado pelos norte-americanos no século passado. A influência é bem visivel e audível de Incognito, Brand New Heavies e James Taylor Quartet, entre outros.
Aqui em destaque o grupo paulista Groove Soul, que brinca com a suavidade, da guitarra e do baixo que sincronizam com a voz da Danny e Simone Soul.

As digitais de Muddy Waters

Entrou segurando dois CDs ainda emplástificados, nunca tinham sido abertos ou escutados por alguém. O prazer de abri-los foi imensurável. Ao colocar o Muddy no cd player, a loira gelada enchia os dois copos com dois dedos de colarinho regados a um bom papo, conversas, filosofias, amores e regados aos acordes do Muddy.

O som limpo, assim como a conversa, assim como a bebida deve ser bebida, apreciada com as nuances do momento, da conversa, da música e do futuro. Quando acabou o Muddy, entrou Led Zeppelin, o prazer de tirar o plástico de um cd novo é como se desvirginasse a música. Os dois CDs eram novos, porém, as músicas velhas e os estavam nascendo, ressurgindo, esquecendo as coisas antigas.

Anos depois, parte dos sonhos se foi, hoje resta apenas um copo com dois colarinhos, e os blues do Muddy Waters insistem em pular, isso porque ficaram os vestígios daquele dia, as digitais de nossos dedos no cd que me recuso a limpar.

segunda-feira, janeiro 24, 2011

Ei de achar motivos para as palavras...

Meus queridos amigos visitantes... Há tempos não escrevo, não fotografo, não rascunho, não abro o Word, nem folhas de cadernos, sulfites, papéis, enfim, papéis em geral onde possa me comunicar, extravasar, idéias, metáforas, aliterações diversas...

Não vejo novidades perante as desgraças noticiadas, perante as notícias anunciadas... Perante as imagens compradas em televisores tela planas em LCD. Enquanto o Bope é cultuado nos cinemas e na vida real, não vejo mais heróis, personagens de cinema, de filmes, ou de qualquer tipo de programação. Parafraseando o Mano Brown dos Racionais, simpatizo com os heróis que estão presos.

Cadê as palavras? Cadê o suor?

Ei de ressurgir!

quarta-feira, janeiro 19, 2011

Pacotinho de Nada.



Este vídeo é do meu primo, que é escritor, professor e especialista em novas tecnologia. Já tem dezenas de contos e histórias publicadas no youtube, que podem ser utilizadas em sala de aula ou para apreciar as histórias dos novos escritores.
Enjoy!

Desconecte-se para conectar



A tecnologia e as pessoas. Temos que valorizar as pessoas que estão em nossa volta. Sabemos a importância da tecnologia, mas é tempo de saber valorizar, pais, mães, esposas, amigos...

O preço de não escutar a natureza

Tragédia recente no RJ

O cataclisma ambiental, social e humano que se abateu sobre as três cidades serranas do estado do Rio de Janeiro, Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo, na segunda semana de janeiro, com centenas de mortos, destruição de regiões inteiras e um incomensurável sofrimento dos que perderam familiares, casas e todos os haveres tem como causa mais imediata as chuvas torrenciais, próprias do verão, a configuração geofísica das montanhas, com pouca capa de solo sobre o qual cresce exuberante floresta subtropical, assentada sobre imensas rochas lisas que por causa da infiltração das águas e o peso da vegetação provocam frequentemente deslizamentos fatais.

Culpam-se pessoas que ocuparam áreas de risco, incriminam-se políticos corruptos que destribuíram terrenos perigosos a pobres, critica-se o poder público que se mostrou leniente e não fez obras de prevenção, por não serem visíveis e não angariarem votos. Nisso tudo há muita verdade. Mas nisso não reside a causa principal desta tragédia avassaladora.

A causa principal deriva do modo como costumamos tratar a natureza. Ela é generosa para conosco, pois nos oferece tudo o que precisamos para viver. Mas nós, em contrapartida, a consideramos como um objeto qualquer, entregue ao nosso bel-prazer, sem nenhum sentido de responsabilidade pela sua preservação, nem lhe damos alguma retribuição. Ao contrário, tratamo-la com violência, depredamo-la, arrancando tudo o que podemos dela para nosso benefício. E ainda a transformamos numa imensa lixeira de nossos dejetos.

Pior ainda: nós não conhecemos sua natureza e sua história. Somos analfabetos e ignorantes da história que se realizou nos nossos lugares no percurso de milhares e milhares de anos. Não nos preocupamos em conhecer a flora e a fauna, as montanhas, os rios, as paisagens, as pessoas significativas que aí viveram, artistas, poetas, governantes, sábios e construtores.

Somos, em grande parte, ainda devedores do espírito científico moderno que identifica a realidade com seus aspectos meramente materiais e mecanicistas sem incluir nela, a vida, a consciência e a comunhão íntima com as coisas que os poetas, músicos e artistas nos evocam em suas magníficas obras. O universo e a natureza possuem história. Ela está sendo contada pelas estrelas, pela terra, pelo afloramento e elevação das montanhas, pelos animais, pelas florestas e pelos rios. Nossa tarefa é saber escutar e interpretar as mensagens que eles nos mandam. Os povos originários sabiam captar cada movimento das nuvens, o sentido dos ventos e sabiam quando vinham ou não trombas d’água. Chico Mendes, com quem participei de longas penetrações na floresta amazônica do Acre, sabia interpretar cada ruído da selva, ler sinais da passagem de onças nas folhas do chão e, com o ouvido colado ao chão, sabia a direção em que ia a manada de perigosos porcos selvagens. Nós desaprendemos tudo isso. Com o recurso das ciências lemos a história inscrita nas camadas de cada ser. Mas esse conhecimento não entrou nos currículos escolares nem se transformou em cultura geral. Antes, virou técnica para dominar a natureza e acumular.

No caso das cidades serranas: é natural que haja chuvas torrenciais no verão. Sempre podem ocorrer desmoronamentos de encostas. Sabemos que já se instalou o aquecimento global que torna os eventos extremos mais frequentes e mais densos. Conhecemos os vales profundos e os riachos que correm neles. Mas não escutamos a mensagem que eles nos enviam, que é: não construir casas nas encostas; não morar perto do rio e preservar zelosamente a mata ciliar. O rio possui dois leitos: um normal, menor, pelo qual fluem as águas correntes, e outro maior, que dá vazão às grandes águas das chuvas torrenciais. Nesta parte não se pode construir e morar.

Estamos pagando alto preço pelo nosso descaso e pela dizimação da Mata Atlântica que equilibrava o regime das chuvas. O que se impõe agora é escutar a natureza e fazer obras preventivas que respeitem o modo de ser de cada encosta, de cada vale e de cada rio.

Só controlamos a natureza na medida em que lhe obedecemos e soubermos escutar suas mensagens e ler seus sinais. Caso contrário teremos que contar com tragédias fatais evitáveis.

Por Leonardo Boff

Teólogo

Postado por choupanadocaboclopery às 15:28

Ronaldo Gaúcho e a ética aplicada à bola


por Sylvio Micelli

Acabou a novela! Afinal… como ía começar o “importantíssimo” BBB, ninguém mais ía lembrar do assunto. Ronaldo de Assis Moreira, vulgo Ronaldinho Gaúcho é atleta do Clube de Regatas Flamengo de tanta gente e de tanta glória.

O fim da história, a mim traz alívio. Não aguentava mais o mesmo assunto nas últimas três semanas, até porque sem bola rolando, o que restava à mídia esportiva era falar do jogador. Assuntos como a unificação dos títulos feita pela CBF e o retorno do jogador Adriano foram rapidamente escanteados (se me permitem o trocadilho).

Seu retorno ao futebol brasileiro após 10 anos, tendo passado por três times importantes da Europa (Paris Saint-Germain, Barcelona e Milan), foi cercado de muita discussão. Três times ou, que seja, quatro times disputaram o passe do atacante: Grêmio, Palmeiras, Flamengo e o Corinthians que entrou no final sabe-se-lá-porquê…

Acredito que existam quatro tipos de jogadores: os excepcionais sem marketing (principalmente os mais antigos), os excepcionais com marketing, os comuns e os jogadores onde o marketing prepondera. Gaúcho se encaixa nesta última categoria. E vou na contramão (como sempre) da maioria. Nunca achei Ronaldo Gaúcho um jogador excepcional. É, obviamente, um jogador que os “entendidos” dizem ser acima da média, mas, mesmo assim, não valia todo esse leilão que vimos.

Outra questão importante é a discussão sobre ética na escolha feita pelo jogador. Os três clubes acreditavam, firmemente, que teriam o futebol do atleta, empresariado por seu irmão, que é um ex-jogador. Parece-me que os três times receberam garantias firmes de que a negociação estava próxima do acerto.

Bom… se analisarmos do ponto de vista da ética e da moral, coisas em desuso, houve um sério desrespeito ao Palmeiras e mais ainda ao Grêmio, clube que revelou o atleta para o mundo. O ponto mais importante não é a escolha feita por Gáucho, mas toda a romaria que cercou a definição. Parecia (quase) a disputa entre PT e PMDB pelos cargos de segundo e terceiro escalões do Governo Federal.

Mas… é apenas futebol. E há muito tempo ele virou apenas business. Big business.

Portanto amigos, ética, moral, amor à camisa etc é coisa para poucos como as lendas Yashin, Uwe Seeler, Pelé, Roberto Dinamite, Zico e Nilton Santos ou os candidatos à lenda que fizeram história por um único clube como Puyol, Carragher ou os goleiros Rogério Ceni e Marcos.

Acho que Ronaldo Gaúcho falhará no Flamengo, assim como falhou o ataque dos sonhos formado por Romário, Edmundo e Sávio, 16 anos atrás.

A conferir.

quarta-feira, janeiro 05, 2011

O Fax e a tecnologia

Liguei meu PC e conectei-me à Internet, e o Windows 7 me informou sobre um possível problema de hardware ocasionado por um software. Mesmo assim, consegui entrar no servidor e fiz alguns downloads. Tive que terminar o trabalho no lap top, como não tinha rede wireless, usei o tablets e me lembrei que ele não funciona sem rede, por isso tentei usar o Iphone 3G, também não deu certo. Liguei para o Call Center e fui informado que devido o problema de rede teria que passar um fax. Fax? O que é isso mesmo?