sábado, dezembro 31, 2011

Meu País - Um filme de reconquista


Meu último filme de 2011 foi nacional. Tive a sorte de assistir a este filme fantástico chamado Meu País com Rodrigo Santoro, Cauã Reymond, Debora Falabella e demais elenco. O filme chama atenção pela interpretação de Rodrigo Santoro e Debora Falabella, aliás, o filme é uma aula de interpretação.
 O filme trata de amor e reconquista... Manuela interpretada por Debora Falabella, é uma doente mental, que acaba sendo o pivô desta reconquista e reconstrução de uma familia, que parecia estar acabada. Uma "doente" que se torna a cura de todos.

Under my 2012 umbrella



Queridos (as), de certa forma, é até clichê utilizar blog, facebook, Orkut, twitter, entre outras redes sociais para desejar boas festas, feliz Natal e feliz Ano Novo. Acredito, particularmente, que o ideal ainda é o velho e o bom, telefone, cartão postal (que coisa antiga!) ou o e-mail. Talvez este último seja o mais ideal, mas não aquele e-mail coletivo, mas sim o individual. Aquele e-mail que você endereça realmente para a pessoa que você deseja se comunicar.
Estes dias ao sair pela cidade, achei um guarda-chuvas, e confesso que odeio este objeto que só serve para ser perdido ou achado. Mas, foi um engano da minha parte. Com o tal guarda-chuvas caminhei pela 25 de Março com um sol danado e, quando estava quase jogando fora, o céu mudou de opinião e mandou uma chuva daquela. O povo se enfiou nas lojinhas, e eu apenas abri o tal guarda-chuvas. Andei tranquilamente protegido e pude usufruir daquele objeto que pensava ser imprestável.
Foi uma pequena lição em 2011. Das pequenas coisas que apareceram se tornaram grandes, com vitórias e conquistas significativas. Ter um guarda-chuvas não é sinônimo de estar protegido, é saber preciso abri-lo na hora certa, para proteger também quem estava comigo. Foi assim, e assim será sempre, o maior Guarda-Chuvas de todos: Deus. Nas horas mais importantes sempre esteve presente.
Isso não quer dizer que mudei a minha opinião sobre o tal guarda-chuvas que detesto, mesmo tendo me ajudado. O negócio chato! Mas, que em 2012 podemos ser abençoado por Deus debaixo do seu guarda-chuvas e, que nossos objetivos sejam conquistados! Como diz a Rihanna: “Under my umbrella... He he he...


Estradas e caminhos de Minas



Uma pequena viagem para Minas Gerais é possível ver paisagens exorbitantes. O que me chamou atenção foi a conservação das estradas, que estão ótimas e uma pequena cachoeira na entrada de Onça de Pitangui.

Tranquilino

Tranquilino: Este é o nome da figura carismática que frequenta a Câmara Municipal de Diadema, entre outras do ABC. Tranquilino é príncipe, herdeiro, candidato à Presidência da República. Já foi entrevistado por vários jornais, revistas... E, agora, diz ele: "começo a campanha para as próximas eleições". Com um modo peculiar de cumprimentar, Tranquilino por onde passa, vai com a mesma indumentária, sempre pregando: tranquilidade e sorrisos.

Mortadela, luzes e Igreja



Três momentos diferentes registrados nestas imagens acima.
A primeira, trata-se do maravilhoso sanduba de mortadela do centro de sampa. Não... Não é aquele do Mercadão que também é maravilhoso. Este é da casa da Mortadela, que fica na esquina mais famosa do Brasil, na São João com Ipiranga.
A segunda imagem foi ainda em setembro quando as primeiras luzes de Natal brilharam em Interlagos. E, a última foi tirada no dia 22 de dezembro, todas às vezes que passo no Largo São Bento, olho para esta igreja, que tem uma arquitetura fantástica.

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Verme que roeu as carnes

“É melhor viver 10 anos a mil do que mil anos a 10”, frase de uma música popular que tem suas verdades. Depois de ver as notícias horríveis nos jornais, sobre violência, corrupção, crise econômica, entre outros fatos horripilantes, cheguei a seguinte conclusão: quero aproveitar todas as oportunidades que aparecerem a minha frente.

Se aparecer um vendedor de jogo do bicho e da loteria federal não vou perder a oportunidade de comprar; quando passar em frente a casa lotérica vou fazer aquela “fezinha” para tentar ganhar o prêmio acumulado.

Vou passar em frente de um restaurante chinês e comer aquele prato gigantesco de frango xadrez. À tarde, comerei hot dog do carrinho da esquina com muita maionese e quando sentir fome novamente vou entrar em um boteco e comer aquela coxinha com uma coca-cola e aos sábados é de lei: Pastel Especial na feira com um caldo de cana grande. E, também sair à noite, teatro, cinema, shows, restaurantes...

É isso aí, aproveitar a vida sem culpa em todos os sentidos. Tudo isso sem tirar a nossa responsabilidade que temos perante a casa, a rua e o trabalho e da nossa própria vida pessoal com os nossos objetivos.

Afinal de contas não podemos nos dar o direito de levar a vida igual ao personagem de Machado de Assis, Brás Cubas, que morreu aos 64 anos, sem alcançar seus objetivos. A história é contada por um defunto, que não aproveitou a vida em nada e diz em sua dedicatória: “ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver, dedico como saudosa lembrança estas memórias póstumas”. É isso aí! Ops! Fiz a dedicatória a esta crônica!