domingo, fevereiro 12, 2012

Morte e Vida pop...

A única certeza que temos em vida é que um dia iremos morrer. A morte eterniza alguns e levam outros ao esquecimento. Diante da pós-modernidade que começava nos anos 60, Andy Warhol afirmou que no futuro todos teriam seus 15 Minutos de Fama. E tudo isso aconteceu, uma pessoa comum por fazer tanto sucesso como algum artista famoso, dando a possibilidade de sermos pop. As tecnologias do século XXI transformam o mundo em uma visão popular, dentro das redes sociais.

Estas redes sociais nos dão a oportunidade de sermos famosos por alguns instantes. Outros conseguem ir mais além, às vezes ficam mais comentados até mesmo que artistas consagrados, como o caso da Luiza, mas este mesmo tempo que consagra, leva ao limbo. Todos nós do século XXI seremos esquecidos e substituídos por outros, novas modas, costumes, gostos, e a morte é só o princípio.

Quando alguns artistas morrem, o mundo fica perplexo perante o “endeusamento” de uma pessoa comum. Mas quando uma pessoa comum morre, há apenas o endeusamento dela feita por amigos e familiares. Fernando Pessoa em um dos seus heterônimos, afirma que a morte é o princípio do esquecimento de sua memória. Após a morte, todos se lembram dos melhores momentos vividos e com o passar do tempo só se lembrarão do defunto em duas datas: a do nascimento e o dia da morte.

Depois que os amigos e familiares forem morrendo também, poucas pessoas se lembrarão das datas, até que ninguém mais se lembre. Talvez, uma pessoa, aqui e outra ali, poderão ter relampejos de lembranças, porém, o nome ficará gravado apenas na lápide de um cemitério. É triste? É a realidade.

Os separados - Já os artistas, são talvez, as pessoas “separadas”, pois, por mais que fiquem esquecidas, deixarão para sempre suas obras. Como pintores, atletas, cantores, escritores... Eles não são normais. A comunicação através da arte, seja ela qual for, é a responsável pela engrenagem social, é o reflexo direto das formas de produção e como afeta os sentimentos dos homens.

Elvis, Picasso, Mozart, Alan Poe, Van Gogh, Kurt Cobain, Amy, Janis, Jim Morrison e a agora Witney, entre tantos outros artistas, têm algo em comum. Não importa a forma como morreram, eles puderam retratar a sua sociedade na época em que viveram. Alguns, por meio do seu livre arbítrio se expuseram demais, devido aos excessos, não que foram bem ou mal compreendidos, amados ou odiados, foi a consequência da arte de viver, de forma certa ou errada. Igual ao trabalhador que caiu na contramão atrapalhando o tráfego, descrita por Chico Buarque. Este deixou quatro paredes erguidas de forma sólida, e virou pop.

Talvez todo o ser humano deveria escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho, para selar de forma definitiva a entrada para o "mundo pop". Mas, tudo isso só valerá se for compartilhado no twitter, facebook, youtube, entre outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário