sexta-feira, março 30, 2012

Se você quiser se lembrar


Hoje reencontrei uma pessoa muito querida de um passado não tão distante. Estava na hora do almoço e após alguns minutos de conversas, assuntos, lembranças, notei uma lágrima nos olhos dela. Não me lembro de ter dito nada triste, mas às vezes, as lembranças doem. Talvez aquela lágrima tenha caído de alegria. Eu não sei. Mas, tanto faz... As lembranças podem trazer algo bom ou ruim, se você quiser se lembrar.

sexta-feira, março 16, 2012

Celulares e Ipod a preço de sangue

O novo sonho de consumo mundial e fenômeno de vendas o iPad, iphones e androids em geral são fabulosos e revolucionários. Podem ajudar a sociedade em todas as esferas com seus inúmeros aplicativos com um preço muito barato. Ops... Não é tão barato assim. Esta tecnologia é a custo de sangue e de muito suor e com trabalho escravo mostrado no documentário Blood in the Mobile, que estará em cartaz na 1ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental que acontece até 5ª Feira que vem. O evento acontece na Livraria Cultura da Avenida Paulista. Mais informações no site:www.ecofalante.org.br/mostra

Morrissey II

Perdido no saguão do Espaço das Americas, conheci pessoas bem animadas e hiper-fã de Morrissey, coisa exagerada mesmo. Nas ruas as camisas dos Smiths e do Morrissey sendo vendidas à baciadas e do lado interno, as camisas oficiais tinham uma cruz com a inscrição Morrissey, uma espécie de deus, com seus inúmeros seguidores. Rídiculo.
Esta foto foi tirada por Maggie, que acompanhou Morrissey em todos os seus shows no Brasil.Em seu orkut, pode-se ver a devoção que a garota tem pelo cantor inglês. Conheci também por acaso, o Nelson, responsável pela página do Facebook Morrissey Brasil, ele foi um dos articuladores e da agitação para a vinda do Morrissey.

terça-feira, março 13, 2012

As memórias e o bulling


Um dos livros que mais gosto de Machado de Assis são suas memórias póstumas... Brás Cubas é um cara sensacional, só a cabeça de um escritor como Machado de Assis poderia criar um universo primoroso. Gosto do inicio, bem lá no começo.

AO VERME

QUE

PRIMEIRO ROEU AS FRIAS CARNES

DO MEU CADÁVER

DEDICO

COMO SAUDOSA LEMBRANÇA

ESTAS

MEMÓRIAS PÓSTUMAS
As memórias às vezes são difíceis de serem resgatadas de uma forma positiva. Ao contrário do nosso amigo Brás Cubas, não pretendo dedicar nada aos meus vermes futuros, mesmo porque, quero compartilhar as boas memórias com todos, ainda em vida, é claro. Hoje, passei em frente a escola onde terminei o antigo 1º Grau. Lembrei de várias histórias e aventuras que poderiam fazer inveja a Huckleberry Finn, das histórias de Tom Sawyer e de repente encontro um amigo de infância e ele me chamou com um sorriso no rosto: "Oi Ceguinho,há quanto tempo!", e me deu um abraço.

Pois é! Ceguinho. Sim. uso óculo desde o berço, e na infância sofri bulling sim, mas lá, naquela época, ninguém sabia disso e nem conhecia esta palavra. Quantas vezes tive que sair correndo ao bater o sinal da saída para escapar da turma da 5ª série que queria me dar umas porradas? Quantas vezes tive que dividir o lanche com o pessoal mais velho para não apanhar na saída? Inúmeras vezes. 

Foram brigas, corridas, tanta coisa. E eu tinha um apelido, que no começo era pra escrachar: Ceguinho. Mas, soube dar a volta. Era bom de bola (mais ou menos né! nas aulas de Educação Física, me destacava, tanto jogando no gol, como na linha. Daí em diante, o apelido pegou. O que era pejorativo, passou a ter outra conotação. E de repente, quem na escola não conhecia o: Ceguinho. Sim, era eu.

O tempo passou, e quando reencontro um amigo daquela época, o Sérgio que aqui relembra um pedacinho da memória, volta a ser o Ceguinho.

segunda-feira, março 12, 2012

Morrissey: There is a Moz that never goes out




Há 12 anos no Olympia em São Paulo, Morrissey se apresentava para um público fiel, que eram os fãs dos Smiths e de seus seguidores em geral, pois naquela época, Moz, como é conhecido, estava no final da turnê de seu sexto álbum, o Maladjusted, de 1997, e sua apresentação encantou a todos, quando apresentou seus hits, dos primeiros álbuns pós-smiths.
Desta vez, neste domingo, dia 11, no desconhecido local para concertos internacionais, no Espaço das Américas, na Barra Funda, viu-se uma multidão de fãs de todas as idades, desde os incondicionais dos anos 80, aos inúmeros grupos de adolescentes. Antes do show, uma multidão se aglomerava no portão principal desde a madrugada de sábado, e não arredaram o pé, mesmo com a forte chuva que caiu à tarde. Na fila, alguns fãs carregavam flores para entregar ao “maior inglês vivo”, segundo o jornal britânico The Guardian, e na rua, via-se um desfile de pessoas de todas as idades, provando que o ídolo pop renovou seu público, mesmo sendo pouco tocado nas rádios, porém, suas músicas, são obrigatórias nas casas noturnas especializadas em músicas índie.
O show começou com a abertura de Kristeenyoung, lançando seu álbum Volcanic, e chegou a tirar alguns aplausos da plateia, pela sua voz, que lembra a cantora Kate Bush misturadas com as performances de Laurie Anderson e PJ Harvey.
Antes do show o telão homenageava ídolos do Morrissey, como o Johnny Cash, Nico, Sandie Shaw e New York Dolls, durante a apresentação destes vídeos, fazia-se silêncio, criado pela expectativa de que Moz poderia subir ao palco a qualquer momento, e de repente ele aparece com uma camisa amarela em uma calça preta e solta: “Hello Sampa!” E dispara a primeira pérola: “First of the Gang to Die".
Dos Smiths foram seis músicas, que levaram os fãs ao delírio. Porém, seu set list, foi inconsistente por não dar um padrão ao show. Em certos momentos as músicas eram lentas e poucos conhecidas como “Speedway” ou mesmo “Meat is Murder”, pois, como vegetariano que é, cantou com um vídeo no fundo onde animais eram mortos, transformando o show em algo chato.
Moz se dirigiu pouco ao público e quando falou foi irreverente: “O príncipe Harry está aqui! Eles querem dinheiro, digam não!”. Aos 52 anos, Moz ainda surpreende no palco, e chegou a trocar a camisa quatro vezes, como de costume. Seu desempenho teve movimentos que lembravam quando era ainda vocalista dos Smiths e acompanhado com uma ótima banda, tanto que em “How soon is now” o rif de guitarra chegou bem perto do incomparável Johnny Mar.
Depois da sonolenta “Let Me Kiss You”, Moz falou: “Tá na hora de melhorar”, e mandou o clássico dos Smiths: "There Is a Light That Never Goes Out". Realmente, não se apaga e nem se apagará, pois Moz, mesmo com sua apresentação inconstante, é para ser admirado tanto pela qualidade das músicas, quanto pelo que ele representa para o cenário musical. Há 12 anos, o seu repertório contou com apenas uma música dos smiths, "Last night I dreamt that somebody love me" e, neste show foram seis músicas que provam que Moz está resgatando o passado, porém para um público novo.

Fonte da Imagem: Comunidade do facebook Morrissey Brasil

Set list do show
"You Have Killed Me"
"Black Cloud"
"When Last I Spoke to Carol"
"Alma Matters"
"Still Ill"
"Everyday Is Like Sunday"
"Speedway"
"You're the One for Me, Fatty"
"I Will See You in Far-Off Places"
"Meat Is Murder"
"Ouija Board, Ouija Board"
"I Know It's Over"
"Let Me Kiss You"
"There Is a Light That Never Goes Out"
"I'm Throwing My Arms Around Paris"
"Please, Please, Please Let Me Get What I Want"
"How Soon Is Now?"
Biz:
"One Day Goodbye Will Be Farewell"
Fiz uma filmagem da abertura do show. O Espaço das Américas é um local ruim, o som não é bom e os telões não estavam funcionando.