segunda-feira, maio 07, 2012

Virada Cultural: pra que serve mesmo?


A Virada Cultural de São Paulo já é um patrimônio. Transformou-se em uma das datas oficiais de São Paulo onde a cultura é convidada a mostrar-se para a população durante 24h uma vez por ano. E só. Fui aos dois primeiros eventos e depois nunca mais, pela má qualidade do evento, desorganização, falta de banheiros públicos, entre outros problemas que sempre vão existir.

Basta pegar alguns números. De acordo com o último dado do censo, a região central de São Paulo, tem aproximadamente 1 milhão de pessoas e de acordo com os números da polícia militar, o público presente à VIII Virada Cultural foi de 4 milhões de pessoas. Cerca 5 milhões de pessoas estavam naquela região sem uma infraestrutura adequada. Mas isso ainda não é a questão principal.

O objetivo da Virada Cultural seria um encontro de artistas para celebrar junto com a população a cultura e as artes em geral, todo o trabalho que foi realizado durante o ano. Uma celebração divida com todos, valorizando os artistas e o público, devido ao trabalho realizado na base, nas comunidades, nas escolas, nas praças públicas espalhadas pelos bairros em todos os finais de semana. Mas, sabemos que isto não acontece.

A prioridade da administração municipal não é a cultura, pois se a fosse, não haveria 4 milhões de pessoas famintas por cultura. A arte, assim como a cultura não tem essa visibilidade nos 364 dias restantes. Com isso, a prefeitura continua dando mostras que prefere organizar um evento “pontual” ao invés de garantir que iniciativas culturais espalhadas pelos bairros e periferias tenham espaço o ano inteiro.

A todo instante observamos cortes de verbas, ou até mesmo, repressão aos artistas de rua e testemunhamos, descasos com a produção cultural e a desvalorização de artistas, com a falta de incentivos e poucos espaços públicos de apresentações.

E, todos sabem que cultura é importante para o desenvolvimento do ser humano, pois é através dela que nós nos identificamos como sociedade e como seres capazes de criar e recriar nossos próprios valores. E não é em uma simples “Virada Cultural” que isso vai acontecer. O mesmo acontece com a tal “Virada Esportiva”, porém, com problemas até mais graves, que merecem outro texto para fazer tal descrição.

E tentaram até alimentar o povo com uma “galinhada” de um grande chefe de cozinha, servindo apenas 600 pratos em um universo de 4 milhões.

A Virada Cultural deveria ser constante, não precisa ter “quantidade”, basta “qualidade”; não precisa levar milhões em um único dia, mas sim, centenas em cada dia, descentralizada pela cidade, levando artistas as praças, workshops em escolas, incentivando a arte em todos os sentidos. O público tem fome sim, mas não de “galinhadas”, mas sim da verdadeira arte.

Um comentário: