domingo, outubro 28, 2012

Que PT você quer?


Lá em meados dos anos 80, me pai, que nunca se envolveu com política, se reunia com alguns moradores de bairro na Paróquia da Avenida Santo Afonso, aqui no Jardim Miriam. Mediados pelo padre Tony, o pároco da igreja, surgia ali a Associação dos Moradores de Bairro e, que tempos mais tarde ajudou para o nascimento do Partido dos Trabalhadores. Na época, o local era uma das bases do partido na região, que lá no final dos anos 80 apoiava o então metalúrgico Luis Inácio Lula da Silva.
Lembro quando meu pai participava das reuniões de bairro, que na verdade funcionava como uma pré-sede petista ainda na igreja, e tempos mais tarde acabou ganhando uma sede própria, com status de “associação” e as reuniões do partido foram para outro espaço. Mesmo, assim, quase toda a diretoria da associação era de “petistas”.
Com o passar do tempo, lá pra meados dos anos 90, o PT perdeu força no bairro e outro grupo político assumiu a associação. É sabido que o PT daquela época é diferente do PT de hoje. Aqueles jovens que lutaram por democracia na época da ditadura hoje, alguns deles não sabem ainda lidar nem com as redes sociais. Talvez o quadro do partido tenha envelhecido, perdido forças, pois não se renovou.
É claro que o corpo a corpo é muito mais importante que as redes sociais, porém, os interesses que se trocam do PT de hoje, com o PT de anos atrás são bem diferentes. Exigir que o Partido dos Trabalhadores tivesse estes mesmos interesses do passado, é pedir para que o partido regrida, pois mudaram os valores, o plano, o projeto, as pessoas, enfim, a sociedade mudou, porém, restou apenas um desejo: poder.
Acusar o partido e dizer que sua história foi borrada com o caso do “Mensalão” é hipocrisia, pois o partido é uma instituição bem maior. Todos os partidos políticos no Brasil têm uma história de luta, de direitos e de objetivos por uma sociedade justa. É claro, que, cada um à seu modo com suas ideologias. Mas, quantos casos escândalos rondaram a nossa política e os nossos partidos? O importante é moralizar a política e condenar os culpados.
Em toda esta “polarização” PT-PSDB trará o protesto dos derrotados, que argumentam: “O povo é burro elege o partido do mensalão, partido sem propostas...” O mesmo acontece do outro lado. “Entrou o novo, não mora na cidade, sem proposta, projetos e agora tudo vai por água a baixo”. Pensamentos pequenos e injustos, pois o melhor de tudo isto, é a democracia. A oportunidade de uma nova proposta ser aplicada em prol da população. Cabe à sociedade aprovar ou não depois de quatro anos.
Capital Paulista - No caso de São Paulo com Haddad, é preciso tempo. O que não pode acontecer é o loteamento das Subprefeituras e permitir que coronéis continuem a mandar na cidade sem conhecer a necessidade dos bairros como Kassab faz. Enquanto ministro, Haddad foi revolucionário, apesar de receber várias criticas. Mas criou uma visão sistêmica da educação, que levou o Ministério a atuar da creche à pós-graduação; criou o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), que passa a medir a qualidade do ensino fundamental e médio, por mais que seja criticada por alguns educadores, serve como parâmetro para o desenvolvimento da educação no país.
Talvez a maior mudança foi a substituição do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF) pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica- (FUNDEB). Muitos perguntam: “O que é isto?”. Trata-se da lei obrigatória que faz com que os municípios invistam na Educação, como todo, da pré-escola ao Ensino Médio. Antes era só o Fundamental. Isso faz parte agora da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Tem ainda o ENEM e o Prouni.
O que temos certeza é que a população quer ser bem tratada, com bons hospitais, transporte público de qualidade, escola em perfeitas condições e com professores estimulados para entrar em uma sala de aula. Independente de partido o mais importante é fazer cm que o povo tenha uma identidade capaz de exercer a cidadania e reivindicar os seus direitos quando for necessário. Que partido você quer?

quarta-feira, outubro 24, 2012

À noite me vem



Escuro me cai e me leva às memórias. Me deixa com vontade de pegar um livro antigo só para ver se encontro anotações rabiscadas. Estes dias achei uma, engraçada e ao mesmo tempo ridícula de uma aula chata. Estava sem data. À noite quero ouvir música. Daquelas que faz tempo que você não escuta, e ouvir alto no fone de ouvido. Mas o ruim é que sempre avanço para a próxima faixa antes dela terminar.

À noite me vem vontades. Com o controle na mão fico a zapear canais e nunca encontro o que eu quero. Paro em um canal, e 20 segundos é o máximo que assisto cada um, depois recomeço tudo de novo. Sempre vejo as coisas pela metade. Você viu o que aconteceu? Perguntam-me, e eu nunca sei, mudo de canal na hora errada.


À noite me vem a preguiça, os planos pro dia seguinte, o computador, facebook, o hotmail, twitter... Televisão, Jornal da Globo... Aquele livro que parei de ler (penso em recomeçar).


À noite com as luzes da rua, o brilho das esquinas e os flashes da pista de dança é bem diferente da noite com a luz do abajur, daquela luz vermelha do aparelho de som que insiste em ficar acesa, mesmo depois de desligado, porém à noite (a)calma.

À noite me vem macia, serena... Quente, às vezes fria. Proporciona encontros, sorrisos... Sim, ela me vem.

sexta-feira, outubro 19, 2012

Adeus, Emmanuelle


Adeus, Emmanuelle

A atriz holandesa Sylvia Kristel (na foto ao lado), conhecida por ter protagonizado o filme erótico francês "Emmanuelle" (1974), morreu anteontem, aos 60 anos, enquanto dormia, em Amsterdã. Ela lutava contra um câncer na garganta. "Emmanuelle" foi inspirado no romance homônimo de Marayat Bibidh Andriane e, sob a direção de Just Jaeckin, quebrou tabus em relação ao sexo no cinema. Filmado com orçamento de US$ 500 mil, arrecadou US$ 100 milhões e, em alguns países, permaneceu mais de uma década em cartaz. Em 1977, em passagem pelo Brasil, Kristel participou de filmagens da novela "Espelho Mágico", de Lauro César Muniz. Na época, a atriz pediu a liberação de "Emmanuelle" no país, o que só aconteceria em 1980. 
Fonte: Agora - 19.10.12


quinta-feira, outubro 18, 2012

Estátua de Maria Esther Bueno fica isolada e público não tem acesso


Na última vez que fui ao estádio do Pacaembu, ao olhar pelas grades de um portão deparei-me com a estátua da maior tenista brasileira de todos os tempos, Maria Esther Bueno. A obra ficava em frente ao estádio até 1995 e depois desapareceu.
Hoje a estátua fica exposta às moscas em um espaço perdido atrás do Tobogã.
Lembrando que a tenista ao longo de sua carreira, venceu dezenove torneios do Grand Slam (7 na categoria simples; 11 em duplas femininas; 1 em duplas mistas). Segundo o anuário do Daily Telegraph, que registra a classificação dos tenistas entre 1914 e 1972, Bueno foi a Nº.. 1 do mundo em 1959 e 1960. 
O International Tennis Hall of Fame também a incluiu como a melhor tenista do mundo, em 1964 (depois de perder a final no Torneio de Roland-Garros e ganhar Wimbledon e o U.S. Open) e 1966.
Famosa pela elegância do estilo de jogo e pela potência do serviço, é a maior tenista brasileira de todos os tempos.
A estátua é um patrimônio público, deveria estar exposta em um local visível. Lamentável!