quinta-feira, abril 30, 2015

Eliseth Cardoso - Naquela Mesa



Em uma banca de jornal havia vários vinis expostos ao sol pelo valor de R$ 1 cada bolacha, peguei alguns discos e levei pra casa e, ainda sem limpá-los, coloquei na agulha do toca-discos e me deparei com preciosidades.

Elizeth Moreira Cardoso nasceu num cortiço na rua Ceará nº 05, no subúrbio de São Francisco Xavier, próximo ao Morro da Mangueira. Oriunda de uma família bastante humilde, tinha o sonho de ser artista, e era levada pelo pai para cantar pelos bairros da zona norte carioca, cobrando ingresso (10 tostões) das outras crianças para ouvi-la cantar os sucessos de Vicente Celestino. O pai, Jaime Moreira Cardoso, era seresteiro e tocava violão, e levava a filha em suas apresentações. A mãe de Elizeth, Maria José Pilar, era dona de casa e gostava de cantar. Elizeth possuía cinco irmãos: Jaimira, Enedina, Nininha, Diva e Antônio. A família frequentava casa de sambas e festivais de música popular na cidade, além de conviver com grandes músicos na casa de Tia Ciata, amiga de seus pais e de seus tios Ivone e Pedro. Quando criança, também colocava em prática seu lado escritora e atriz, e costumava escrever peças e organizar teatros para as crianças da vizinhança, e sempre tendo como repertório de suas criações as músicas de Vicente Celestino.2
Embora almejasse brilhar nos palcos, sua vida não fora nada fácil: Após concluir o primário, ela e seus irmãos tiveram que abandonar os estudos e ajudar no sustento do lar, já que passavam necessidades. Elizeth começou a trabalhar aos dez anos, e entre os anos de 1930 e 1935 foi balconista, funcionária de uma fábrica de saponáceos e cabeleireira.3 

Futebol, Water Buffalo Ledge e Glee

Glee
Estes dias terminei de assistir a 4ª temporada de Glee em apenas uma semana. Achei fantástico. Já conhecia o seriado teenager quando passou a primeira temporada na TV aberta, vi apenas alguns episódios, e esporadicamente via algumas apresentações de músicas na internet. O seriado chamou atenção da forma como trata a música em um ambiente de colégio.

Desta vez, ao ver a temporada completa, tive uma visão diferenciada. Não sabia que o Glee era um pequeno clube de um colégio, na verdade trata-se de um projeto específico, que foi autorizado pela direção da escola para a disputa de um torneio regional. Em resumo, o grupo se apresenta apenas com objetivo de uma única apresentação anual e caso passasse, iria para uma segunda apresentação nacional. Entretanto, é um grupo de alunos que são amantes da música que se apresentam para si mesmos, como um ensaio, diversão e lazer. Isto é muito legal se fosse realmente implantado como um projeto dentro das escolas (serve de exemplo).

Lembro que tinha este mesmo costume com amigos, pois quando comecei a trabalhar toda a minha grana ia em discos e CDs. No quarto tinha um monte de bolachas de vinil amontoadas e a galera se aglomerava para ficarmos ouvindo músicas e falando bobagens deixando a hora passar. Tudo em prol da música, era quase que um clube. Fazíamos sabatinas musicais, às vezes, alguém levava um cd ou um disco novo e colocava para rolar, outro amigo trazia cerveja e ficávamos horas debatendo às músicas e os estilos de som. Vi em Glee, a necessidade de compartilhar músicas e estilos, afinal, de que adianta termos um belo acervo, conhecimento e um estilo de música própria sem poder compartilhar com alguém? Glee faz isto. É cultura pop.

Fred e Barney no Water Buffalo
Isto me faz lembrar da necessidade das pessoas se agruparem, tipo clube ou algo onde as pessoas podem se encontrar para compartilhar gostos em comum. Lembrei do Water Buffalo Ledge dos Flintstones. Era criança quando via o Fred e o Barney com uns chapéus idiotas que eles usavam às sextas-feiras. Era um clube só de homens e suas esposas ficavam questionado sobre o que acontecia naquele local proibido para o universo feminino. Na verdade, era esta a necessidade, de compartilhar algo.

No futebol é a mesma coisa. Ir em qualquer campo de várzea ou sair com amigos para jogar bola em um dia qualquer à noite é um prazer imensurável. É network, esporte, risadas com jogadas idiotas, é voltar a ser criança. O mesmo acontece com outras modalidades, ou mesmo as mulheres que se encontram para fazer qualquer outra atividade. Sair para compartilhar algo e voltar a ser criança é algo necessário para todos, principalmente quando se relaciona à música.


Por isto, já estou pegando o violão e cantarolando algumas canções, meus CDs e discos, tem hora marcada aos sábados e domingo à tarde. Futebol é aos domingos e as corridas durante a semana. E nas horas livres, vou começar a 5ª temporada de Glee. Haja tempo, mas parafraseando a cultura pop nacional: “… Mas temos muito tempo… Temos todo o tempo do mundo… Todos os dias, antes de dormir, lembro e esqueço como foi o dia. Sempre em frente, não temos tempo a perder…”.

sexta-feira, abril 24, 2015

Sobre a terceirização

Sou contra a terceirização. Mas tenho uma questão séria sobre isto. Por quê nunca defenderam os faxineiros e os seguranças que são terceirizados há anos? Estes trabalhadores, às vezes atuam anos em empresas, públicas ou privadas como se fossem funcionários da instituição e sem direitos.


Nunca ninguém lutou também contra os lojistas que terceirizam mão de obra barata no final de ano. Ao contrário, sempre exaltam a geração de emprego e, o funcionário, que por sorte ou talento poderá ser efetivado. Agora que água foi no pescoço, reclamam. Será que a terceirização foi ruim para quem não tinha direito algum?

sexta-feira, abril 03, 2015

Sobre monografias e TCCs

Bem assim kkkk Fernanda Ribeiro, Ivania Piva Mazur, Keissiane M. Geittenes, Marilce Mari, Jeffe Mari, Mariane Bertonceli,Marcia Bertonceli, Andréa Meira.

Posted by Juliane Parcianello on Domingo, 22 de março de 2015