quinta-feira, abril 30, 2015

Futebol, Water Buffalo Ledge e Glee

Glee
Estes dias terminei de assistir a 4ª temporada de Glee em apenas uma semana. Achei fantástico. Já conhecia o seriado teenager quando passou a primeira temporada na TV aberta, vi apenas alguns episódios, e esporadicamente via algumas apresentações de músicas na internet. O seriado chamou atenção da forma como trata a música em um ambiente de colégio.

Desta vez, ao ver a temporada completa, tive uma visão diferenciada. Não sabia que o Glee era um pequeno clube de um colégio, na verdade trata-se de um projeto específico, que foi autorizado pela direção da escola para a disputa de um torneio regional. Em resumo, o grupo se apresenta apenas com objetivo de uma única apresentação anual e caso passasse, iria para uma segunda apresentação nacional. Entretanto, é um grupo de alunos que são amantes da música que se apresentam para si mesmos, como um ensaio, diversão e lazer. Isto é muito legal se fosse realmente implantado como um projeto dentro das escolas (serve de exemplo).

Lembro que tinha este mesmo costume com amigos, pois quando comecei a trabalhar toda a minha grana ia em discos e CDs. No quarto tinha um monte de bolachas de vinil amontoadas e a galera se aglomerava para ficarmos ouvindo músicas e falando bobagens deixando a hora passar. Tudo em prol da música, era quase que um clube. Fazíamos sabatinas musicais, às vezes, alguém levava um cd ou um disco novo e colocava para rolar, outro amigo trazia cerveja e ficávamos horas debatendo às músicas e os estilos de som. Vi em Glee, a necessidade de compartilhar músicas e estilos, afinal, de que adianta termos um belo acervo, conhecimento e um estilo de música própria sem poder compartilhar com alguém? Glee faz isto. É cultura pop.

Fred e Barney no Water Buffalo
Isto me faz lembrar da necessidade das pessoas se agruparem, tipo clube ou algo onde as pessoas podem se encontrar para compartilhar gostos em comum. Lembrei do Water Buffalo Ledge dos Flintstones. Era criança quando via o Fred e o Barney com uns chapéus idiotas que eles usavam às sextas-feiras. Era um clube só de homens e suas esposas ficavam questionado sobre o que acontecia naquele local proibido para o universo feminino. Na verdade, era esta a necessidade, de compartilhar algo.

No futebol é a mesma coisa. Ir em qualquer campo de várzea ou sair com amigos para jogar bola em um dia qualquer à noite é um prazer imensurável. É network, esporte, risadas com jogadas idiotas, é voltar a ser criança. O mesmo acontece com outras modalidades, ou mesmo as mulheres que se encontram para fazer qualquer outra atividade. Sair para compartilhar algo e voltar a ser criança é algo necessário para todos, principalmente quando se relaciona à música.


Por isto, já estou pegando o violão e cantarolando algumas canções, meus CDs e discos, tem hora marcada aos sábados e domingo à tarde. Futebol é aos domingos e as corridas durante a semana. E nas horas livres, vou começar a 5ª temporada de Glee. Haja tempo, mas parafraseando a cultura pop nacional: “… Mas temos muito tempo… Temos todo o tempo do mundo… Todos os dias, antes de dormir, lembro e esqueço como foi o dia. Sempre em frente, não temos tempo a perder…”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário