segunda-feira, agosto 10, 2015

Uma carta, o pão e o leite

Há tempos, as pessoas eram mais humanas e a violência não passava na televisão como o suprassumo das notícias; há tempos, ficávamos abalados quando aconteciam crimes, corrupção, entre outros casos semelhantes, mas hoje, enxergamos tudo isto como coisas banais, de nosso dia a dia. Aquela coisa da Lei de Gerson, criada no final dos anos 70, de querer levar vantagem em tudo, ficou enraizada no (in)consciente coletivo das gerações que vieram a seguir, e hoje, o modus-operandi deixou para trás a ética e a moral, e o que é absurdo, passa a fazer parte de nosso cotidiano.
Sem quer entrar neste mérito, mas este texto é apenas para relatar uma imagem que vi em um muro, onde tinha uma caixa de correios para “carta, pão e leite”. Achei fantástico, pela minha idade, não cheguei a ver tal serviço, de pão e leite nas caixas de correios, mas achei esta caixa simplesmente maravilhosa, um “absurdo”, da normalidade atual, onde as pessoas não enviam mais cartas, mas sim, e-mails, whatapps e compram leite desnatado ou integral de caixinhas e o pão em bisnaguinhas em supermercados.
 Às vezes vão até a padaria e compram pão por kg, de massa congelada pré-feita. Nas padarias, não se usa mais aquelas lenhas, que víamos quando elas chegavam para assar os pães feitos pelos padeiros. Ah! Padeiros? Quem é este ser mesmo? São poucas as padarias que ainda utilizam o trabalho deste profissional.
Esta caixa demonstrava uma confiança e uma relação humana bem maior. Significa que a pessoa colocava ali o litro de leite e o pão, neste caso, provavelmente, ficava aberta e qualquer um poderia ter acesso, assim como o pagamento, que deveria ser feito bem depois, provavelmente em uma caderneta. Ninguém tirava vantagem de nada desta situação.
Infelizmente, aquelas pessoas se foram, ficaram apenas as caixas e as memórias das cartas, dos pães e dos leites.

Nenhum comentário:

Postar um comentário