terça-feira, outubro 20, 2009

Religião nas escolas sim. Por quê não?

Foi aprovado pelo Senado brasileiro o acordo firmado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva e a Santa Sé, que estabelece a obrigatoriedade do oferecimento de ensino religioso pelas escolas públicas brasileiras. Diz o parágrafo 1 do Artigo 11: "O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação."


Porém, de acordo com a professora Roseli Fischmann, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Metodista, de São Bernardo do Campo, ee essa lei for sancionada pelo presidente, a constituição será violada. A afirmação foi feita em entrevista a revista Nova Escola de Outubro deste ano.


Equívoco - Acredito que o ensino religioso seja importante, desde que a grade dessa disciplina não interfira na escolha da crença de cada um. Acontece que já existem colégios batistas, metodistas, presbiterianos, católicos, adventistas... Todos particulares. E a escola pública? Como seria esta disciplina?


É certo que o mito, o sagrado está dentro da nossa cultura e quando contar com o apoio da antropologia, filosofia, sociologia, arqueologia, história, entre outras, o ensino religioso pode ser interessante para a construção da própria indentidade do indivíduo. É um risco. Pois haverá casos de ufanismos tipo “a minha religião é melhor que a sua”, mas não é isso que deve ser falado em sala. Mas sim sobre cultura e identidade.

3 comentários:

  1. Não concordo com uma lei que obriga alunos de escolas públicas a terem em suas grades curriculares, uma diciplina religiosa. Mais uma vez a educação está sendo jogada para a escola, seja através do conhecimento ou até mesmo do cunho religioso. Educação e religiosidade devem vir de dentro da casa de cada pessoa. A escola nao tem obrigação de estruturar o caráter de uma criança, que chega em casa e vê o pai bêbado, a mãe passando fome... Não é a religiosidade imposta pela escola que vai mudar essa triste realidade. Quando o estado impõe uma religião como obrigatória ela perde o seu cunho espiritual, doutrinal e de seriedade, pois as pessoas estão sendo obrigadas a seguir uma determinada doutrina impósta. Não há o livre arbitrio de se escolher o que se quer seguir. A escola é um local de se obter conhecimento e não um lugar para dizer no que vc deve ter fé.
    Existem sim, escolas de religiões especificas e particulares... Que não possibilitam quem não tem condições, estudar nessas entidades. Cabe a elas, criar um espaço de solidariedade para abrigar tbm quem não tem condições... Ai sim, o pai ou a mãe que desejar criar seus filhos com base numa religiosidade, terá a opção de coloca-los numa escola religiosa - seja ela qual for. O problema não é estabelecer uma religião para as escolas públicas, mas ir em cima dessas entidades que cobram caro, para que abram instituições gratuitas para alunos que não possuem dinheiro para pagar uma particular.
    Assim, manteremos a democracia e o direito de escolha.
    Viu, demorou mas passei por aqui!!!
    Esse tema tem pano pra manga... Falar de religião é bem complicado... Corajoso de sua parte abrir essa discussão aqui! rsrsr
    Beijos!!!
    Camila

    ResponderExcluir
  2. Olá Sérgio! Escrevi um monte de coisas, mas não consegui postar! rsrsrs
    Mas vamos ver o que lembro! :-)
    Bem, sou contra se estabelecer uma lei que obrigue as escolas públicas a terem uma diciplina voltada para uma religião em especifico. Até porque não é a escola que deve dar a educação a um aluno. Essa educação deve começar dentro da casa de cada um! A função da escola é de oferecer conhecimento e possibilitar uma condição de relações. É o primeiro lugar onde um aluno começa a estabelecer a relação de grupo. Acho complicado essa primeira relação ser dentro de uma instituição que o obriga a seguir um cunho religioso, com o qual nem ele mesmo sabe se ele acredita. A solução para essa questão educacional/Religiosa, seria as escolas particulares que pertencem a insituições religiosas, abrirem unidades para que alunos sem condições financeiras, possam ingressar. Seria uma opção da familia junto ao aluno, colocá-lo numa escola religiosa. Ai sim eu concordo! Mas, não acho legal alunos irem para escola pública por exemplo, e serem obrigados a vivenciar algo que não seria democratico. Eu mesma sempre fui de outra religião e estudava numa escola pública que tinha costumes católicos. Sim, moramos em um país católico... Mas, isso tira o direito de se fazer escolhas e caimos na questão da cultura de massa... Mais uma vez o poder e a manipulação tentando dominar as massas... É preciso ter a sua individualidade e o poder de escolha. Por tanto, a escola deve ser um espaço para se abrigar as diferenças e não estabelecer um padrão para todas as pessoas. Isso aliena!
    Esse assunto dá pano pra manga... Corajoso de sua parte escrever sobre isso! rsrsrsr
    Mas é sempre bom trocar ideias e pontos de vista.
    Beijos e vamos trocando figurinhas!
    Camila

    ResponderExcluir
  3. Legal Camila... Sua opinião é muito importante para debater este assunto.
    Beijos

    ResponderExcluir