sábado, fevereiro 18, 2017

“O teu cabelo não nega mulata” e a chatice dos “corretos”


Várias marchinhas estão sendo proibidas ou por recomendação dos “politicamente corretos” de não tocá-las nos carnavais pelo Brasil a fora. Que coisa mais chata! Tem gente que acha preconceito em tudo sem fazer análises contextuais da época. O pior é que são pessoas de “cátedra” da USP e demais universidades que recortam trechos de música para fazer análises sociológicas proselitistas.

Pois, bem. Vamos pegar uma das músicas proibidas, “O teu cabelo não pega mulata”, de Lamartine Barbo, composta em 1927. Acusar Lamartine de racismo é uma ignorância tremenda. Primeiramente é necessário conhecer a fonte, afinal “o meio é a mensagem”, não é verdade? Lamartine era um poeta, compôs hinos inesquecíveis para vários clubes nacionais, considerados os mais belos, como o América, Vasco da Gama, Fluminense, Botafogo e Flamengo. Fez ainda mais hinos para vários clubes brasileiros e ainda várias outras marchinhas de carnaval muito comum em sua época. Era irônico em suas letras e sua música foi censurada nos anos 30 no Governo de Getúlio Vargas, praticamente dando fim as marchinhas de carnaval, fato que se repete nos dias de hoje.

A implicância é pela letra de “O teu cabelo não pega mulata”, pois bem, podemos fazer uma análise, rápida.

A primeira estrofe:
“O teu cabelo não nega, mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega, mulata
Mulata, eu quero o teu amor...”

Alguns argumentos, dizem que este trecho é um racismo implícito. Alguns, em teses que cheguei a ler, afirmam que, esta mulher em questão, alisou o cabelo, na tentativa de embranquecimento. Algumas teses, relatam uma página inteira só para analisar estas duas primeiras linhas.

No trecho "como a cor não pega", dá um problemão danado. Vamos analisar da seguinte forma: Em 1927, havia sim, muito preconceito no Brasil, muito mais latente do que nos dias de hoje.  Nesta época ainda era possível ter contato com ex-escravos, pois completava apenas 39 anos da Lei Áurea, e a situação dos negros não era nada fácil. Muito menos para o amor de um branco com uma negra, ou vice-versa. Não era aceito pela sociedade de forma alguma.

Recentemente assisti um episódio de um seriado muito antigo “Daniel Boone”, um cara que vivia no meio do oeste americano junto com os índios. No episódio um índio se apaixona por uma mulher branca. A sociedade foi obrigada a tirar a mulher da casa do índio, se não o matariam, inclusive o herói do filme.

Ou seja, não é o autor em si, que desmerece, mas sim, a sociedade, pois o poeta quer amar. “Mulata, eu quero o teu amor”.

Não vou analisar o texto inteiro, mas gostaria de destacar esta estrofe, que os críticos nunca relatam:

“A lua te invejando faz careta
Porque, mulata, tu não és deste planeta”

A lua te invejando faz careta, é uma simbologia clara da sociedade de sua época. A lua toda branca inveja a beleza desta mulher, como que a sociedade ficasse invejosa e vira as caras para a beleza desta mulher. Aqui pode ser a denúncia do racismo da sociedade. E ele explica que ela não é deste planeta, ou seja, não faz parte destas pessoas, é algo ainda maior.


A música é uma canção de amor e ao mesmo tempo uma denúncia do preconceito de sua época.

A ausência que jamais será esquecida

Aos poucos os espaços são ocupados e as ausências podem ser superadas, mas jamais serão esquecidas.
Há meses não me vem nada em mente para postar neste blog após o mês de novembro de 2016. Definitivamente, o ano passado não foi um bom ano e em particular, foi péssimo, pois perdi o meu pai.
Acostumar com a ausência é algo terrível e difícil. Ao mesmo tempo, evito ser mesquinho para aceitar o sofrimento alheio, e ele, meu pai, estava sofrendo. esta era a minha tristeza maior. Sua partida não me conforta a dor, mas a sua ausência machuca. Enfim, como Cristão, sei que um dia nos encontraremos em um outro patamar.
Esta foi a razão do meu sumiço deste blog. Além disto, há ainda novos desafios, como o novo cargo de professor de Inglês da Rede Pública do Estado de São Paulo, no Fundamental II e Ensino Médio em uma escola na periferia, bem no extremo sul, próximo a Diadema.
Ainda há tempo para atuar como jornalista no jornal online O Bairro e no Guia da Cidade Ademar, fazendo jornalismo de bairro na periferia de São Paulo.

terça-feira, outubro 25, 2016

Você é o que você paga.


Nossas vidas estão associadas às várias contas que temos que pagar em nosso dia a dia. Algumas delas fazem jus ao que necessitamos, e a maioria não serve absolutamente para nada. Começo por este que voz escreve estas linhas, que ao checar meu extrato bancário me decepcionei ao notar em tantas futilidades, mesmo andando sem nenhuma moeda ou nota na carteira ou no bolso, apenas o cartão do banco, que é a prova cabal, pois deixa um enorme rastro no extrato.
Antes, andava com dinheiro vivo, e o meu rastro era o número de objetos que acumulava em casa, como a revista Bizz, lá dos anos 80 e 90, tenho a coleção inteira e nunca fui assinante, se fosse, até poderia ganhar algum desconto; uma coleção de aproximadamente 1 mil discos, hoje reduzida a 500, e o mesmo número de CDs. Além de DVDs, livros, entre outras tranqueiras que acumulavam meu quarto, quando adolescente.
O escritor Oscar Wilde, dizia que, a pessoa é o que ela lê. Neste mesmo raciocínio eu levava no campo da música: “a pessoa é o que ela ouve”. Cansei de ser mal educado quando visitava casa de pessoas e ia logo analisando a estante de CDs ou vasculhando seus discos. Já na casa de amigos ficava encantado quando encontrava algo legal. Hoje, seguindo este preceito, concluo que, “somos o que estamos pagando”.
Ao analisar o rastro do meu extrato bancário, descobri que gosto de comidas e bebidas de boteco; cervejas caras em padarias; doces fora de hora; multas de trânsito; pagamento com juros da conta do celular; saques bancários inúteis, pois não sei que fim levou aquela grana, entre outras despesas bestas. Nada de significativo, como um ingresso para algum show ou teatro, ou até mesmo um presente, um perfume ou uma roupa qualquer.

Logo, cheguei à conclusão que é necessário consumir de forma consciente, não só para nossas finanças pessoais, mas para a construção da nossa própria identidade. Direcionar o nosso dinheiro em coisas úteis traz consequências positivas para a nossa vida como pessoa. Não importa o quanto ganhamos, seja muito, ou pouco, pois na verdade, somos o que pagamos.