sexta-feira, novembro 27, 2009

iPod nano... Um presentinho sensacional


Há anos não me divertia tanto com um brinquedinho tão bacana. Já tive vários tocadores de MP3, mas igual ao iPOD 4ª geração nunca  tive. Pirei completamente e pensei: "Só falta falar". mas não é que o danado fala! Ele diz a música e o nome do artista. Além disso ele filma, grava, toca... Marca o condicionamento físico, agenda, telefones... Que engenhoca da hora...

quinta-feira, novembro 26, 2009

Você não tem trocado?



Sei de cor e salteado todas as filas que pego sempre vai andar mais devagar. Ainda bem que na maioria dos locais em que é preciso pegar a tal fila, já adotou a fila única. Sendo assim, fico até conformado quando a fila demora, pois não sou o único a estar ali, na fila, mas várias pessoas. E o pior: ninguém reclama.

Parece que todos estão felizes em pegar fila. Já me acostumei tanto com isso que nem ligo mais. No supermercado existem os famosos caixas rápidos. Lá a fila é única e supõe-se que seja realmente rápido, pois é para quem está comprando até 10 itens. Mas ao chegar lá, percebe-se que as pessoas estão com muito mais que isso. Algumas têm a cara de pau de levar um carrinho cheio. Ninguém reclama. Nem eu.

Estes dias estava lá... No hipermercado. Como é horrível fazer compras. Aqueles corredores, aquelas pessoas, trânsito de carrinho de supermercado. Imagina só! Cada corredor é uma doidera são tantas coisas que não posso, outras tantas que eu quero.

Procuro pela gostosa que fica promovendo um salgadinho novo. Nada. A menina de patins passa pela terceira vez em minha frente e sai em disparada. Vou até a sessão de pneus. Acho o produto em oferta. Pego dois.

Qual fila pegar... Eis a questão. A fila dos caixas expressos: enorme. Procuro por um caixa, passo por um, dois... Quatro, nove... Acho um que só tinha uma pessoa. Beleza. Espero, espero... Nem tinha percebido que tinha uma lâmpada acessa chamando por um gerente. Aguardei tanto que quase o pneu ficou careca de tanto esperar.

Pronto. Saco a grana e dou para ao caixa. Ele repentinamente aperta um botão e acende a lâmpada novamente a procura do gerente. Que foi? Pergunto. Você não tem trocado? Você ta de brincadeira. Respondo já careca. E demora, demora... Enquanto isso, os outros caixas eram hiper velozes, não tinha nem fila. Os caixas rápidos, eram velozes... E eu ali, pior que Barrichello.

Enfim, quem chega de repente não era o gerente, mas sim, a mina de patins. Quando a vi no meio das pessoas parecia que vinha em câmera lenta. Como uma patinadora profissional. Ao chegar no caixa, ela dá um 360º e já saca um malote com a grana, o caixa faz um movimento de 180º e recebe a encomenda. Ela pega uma caneta, ele abre a gaveta, ela pega um papel, ele aperta um botão do caixa, ela faz anotações; a máquina cospe um papel amarelo; ela entrega para o caixa; ele retira o papel da máquina; ela estende a mão; ele entrega o relatório; ela segura o documento e já sai em disparada para atender outra lâmpada.

Aqui está o troco. Ele fala. Ok. Nem liguei para fila. Guardei no bolso e fui embora. Vou a lanchonete, peço um lanche e, ao pagar: Você não tem trocado? Diz o caixa.

Barbie crazy...


Barbie Girl
"Mais uma dose... É claro que estou afim.. A noite nuca tem fim..."

quarta-feira, novembro 25, 2009

Um e-mail constrói e destrói...

Ligo o computador. Conto 28 mensagens não lidas. Deleto alguns pelos título, outros pelo correspondente. Ficam apenas os e-mails dos amigos, ou os pessoais ou profissionais. No meio deles estão os "e-mails" sobreviventes. Aqueles que não foram deletados pela criatividade do assunto.
Ao abrir certos e-mails é um risco: de vírus, baboseiras mil, correntes entre outros. Mas estes dias recebi um e-mail de um desconhecido que... (ainda bem que era desconhecido). Além de mensagens estúpidas continha erros imbecís.
Mas... Faz parte da modenidade. Amanhã terá mais e-mails que serão abertos...

quinta-feira, novembro 19, 2009

Dia da Bandeira...

A criação da data foi em razão da Proclamação da República, no dia 15 de novembro de 1889, onde a mesma foi apresentada. O Decreto número 4 deu legitimidade à bandeira, como símbolo nacional.

A primeira bandeira do Brasil foi criada em 18 de setembro de 1822, mas como não era oficial, perdeu lugar para o novo modelo. Mas a primeira bandeira hasteada em solo brasileiro foi a da Ordem de Cristo, vinda de Portugal.

A letra do Hino à Bandeira foi escrito por Olavo Bilac e a música composta por Franciso Braga. Ele foi apresentando pela primeira vez em 9 de novembro de 1906.

HINO À BANDEIRA

Salve lindo pendão da esperança!
Salve símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza da Pátria nos traz. Recebe o afeto que se encerra
em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil! Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul. Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!
Contemplando o teu vulto sagrado,
Compreendemos o nosso dever,
E o Brasil por seus filhos amados,
poderoso e feliz há de ser! Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil! Sobre a imensa Nação Brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre sagrada bandeira
Pavilhão da justiça e do amor!Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

quarta-feira, novembro 18, 2009

UMA BURCA PARA GEISY

De um poeta popular nordestino...

Miguezim de Princesa

I
Quando Geisy apareceu
Balançando o mucumbu
Na Faculdade Uniban,
Foi o maior sururu:
Teve reza e ladainha;
Não sabia que uma calcinha
Causava tanto rebu.

II
Trajava um mini-vestido,
Arrochado e cor de rosa;
Perfumada de extrato,
Toda ancha e toda prosa,
Pensou que estava abafando
E ia ter rapaz gritando:
"Arrocha a tampa, gostosa!"

III
Mas Geisy se enganou,
O paulista é acanhado:
Quando vê lance de perna,
Fica logo indignado.
Os motivos eu não sei,
Mas pra passeata gay
Vai todo mundo animado!

IV
Ainda na escadaria,
Só se ouvia a estudantada
Dando urros, dando gritos,
Colérica e indignada
Como quem vai para a luta,
Chamando-a de prostituta
E de mulherzinha safada.

V
Geisy ficou acuada,
Num canto, triste a chorar,
Procurou um agasalho
Para cobrir o lugar,
Quando um rapaz inocente
Disse: "oh troço mais indecente,
Acho que vou desmaiar!"

VI
A Faculdade Uniban,
Que está em último lugar
Nas provas que o MEC faz,
Quis logo se destacar:
Decidiu no mesmo instante
Expulsar a estudante
Do seu quadro regular.

VII
Totalmente escorraçada,
Sem ter mais onde estudar,
Geisy precisa de ajuda
Para a vida retomar,
Mas na novela das oito
É um tal de molhar biscoito
E ninguém pra reclamar.

VIII
O fato repercutiu
De Paris até Omã.
Soube que Ahmadinejad
Festejou lá no Irã,
Foi uma festa de arromba
Com direito a carro-bomba
Da milícia Talibã.

IX
E o rico Osama Bin Laden,
Agradecendo a Alá,
Nas montanhas cazaquistãs
Onde foi se homiziar
Com uma cigana turca,
Mandou fazer uma burca
Para a brasileira usar.

X
Fica pra Geisy a lição
Desse poeta matuto:
Proteja seu bom guardado
Da cólera dos impolutos,
Guarde bem o tacacá
E só resolva mostrar
A quem gosta do produto

Serra sempre opta pelo pior

O governador José Serra dá mais uma demonstração de seu desprezo pela vontade da maioria e de sua inclinação para o autoritarismo.
Desta vez, ignorou a opção majoritária do colégio eleitoral da Universidade de São Paulo que decidiu pela escolha do professor para encabeçar a lista tríplice dos candidatos a Reitor da USP e decidiu nomear o segundo colocado, professor João Grandino Rodas . A propósito, o escolhido de Serra é diretor da Faculdade de Direito e foi responsável pela convocação da tropa de choque da PM, em 2007, para desalojar os estudantes que faziam uma reunião naquela faculdade. Tudo a ver.
A decisão autoritária de Serra quebra uma tradição de quase três décadas na Universidade de São Paulo. O último governador a proceder desta maneira foi Paulo Maluf, em 1981, durante a ditadura militar. O governador, portanto, está em péssima companhia.
É importante registrar que a comunidade universitária luta pela eleição direta para Reitor, hoje restrita a um universo de 300 pessoas com direito a voto. O governador do PSDB, além de recusar o aprofundamento da democracia na Universidade, vira as costas para a decisão ali tomada, impondo sua vontade de forma ditatorial.
Infelizmente, há coerência nesta atitude de José Serra. Ela é pertinente com sua trajetória como prefeito da capital e com sua atuação até o momento à frente do Governo do Estado. Suas maiores “realizações” são medidas que retiram direitos dos professores e do funcionalismo, impõem mecanismos centralizados de avaliação, restringem o direito dos professores a reajuste salarial, combatem os avanços educacionais em nível nacional e prejudicam a qualidade de ensino nas escolas estaduais. Ou seja, em todo o seu governo, como agora, no caso da USP, Serra sempre opta pelo pior.

Maria Izabel Azevedo Noronha
Presidenta da APEOESP
Membro do Conselho Nacional de Educação

terça-feira, novembro 17, 2009

Censura agora é via justiça

O poder Judiciário brasileiro está dando brechas de uma ditadura disfarçada. se não bastasse o Jornal O Estado de S. Paulo ser censurado, agora juízes estão probindo pessoas de manifestarem suas oponiões.
Basta ver esta matéria...

segunda-feira, novembro 16, 2009

Luciana Melo lança novo álbum em dezembro

Por Sérgio Pires

O sexto álbum da cantora Luciana Mello, deve sair em dezembro intitulado “O samba me encantou”. Seu quinto trabalho "Nêga" aconteceu em 2007, de lá para cá, além de shows, houve uma mudança importante em sua vida, pois deu à luz a sua primeira filha, Nina, da união com Ike Levy. Em nova fase o álbum tem influências dos clássicos do samba.

A cantora revelou que o samba sempre esteve presente em sua vida. “Quem escuta samba sempre terá esta influência”, diz. Luciana também revela que no cenário da música contemporânea há novos talentos como, Nina Becker, Mariana Aydar, Curumim, Silva Machete, entre outros.

Luciana que há uma alegria ainda maior que a música, trata-se de sua filha Nina e seu irmão Jair compôs uma música especial para ela. “È uma das músicas que ouço todos os dias. Esta é a melhor fase da minha vida. Ter um filho é melhor coisa do mundo”, diz.

Luciana relata que todos os dias quero ouvir algo diferente. “Acabei de escutar Take 6. Todos os dias coloco coisas novas, às vezes músicas clássicas, entre outras. Vou direto à internet e os amigos sempre me recomendam alguma coisa”. Fã de Michael Jackson, Sade, Maxwell, Luciana também tem como referência Ed Motta, João Bosco, Emilio Santiago, entre outros. “Alcione... Enfim, muita gente boa.”

Social - Sempre envolvida em causas sociais e shows beneficentes, Luciana é madrinha da APAE de Jundiaí e da Avon em um projeto beneficente em uma campanha contra o câncer de mama e recomenda que as pessoas conheçam o seu corpo e consultem sempre um médico. “É importante se tocar e acabar com o tabu, pois uma em cada 100 pessoas desenvolve a doença e, dentre estas pessoas os homens também estão inclusos”.

Referente à moda Luciana diz não seguir nenhum estilo específico. “Nada de grifes, ou coisas assim, eu faço a minha própria moda”, finaliza.

sexta-feira, novembro 13, 2009

Entrevista com o dito cujo

Sabe aqueles dias raros em que ligamos a televisão pelo toque de botão no próprio aparelho? Bom, fiz isso porque não achava o bendito controle remoto. Ao deitar assisti um comercial tão longo que nem me deparei em que canal estava. Quando o show começa tomo um susto: Era um programa com um pastor exorcista!

Com sono e com preguiça de levantar para trocar o canal, insistia em ver o espetáculo. De repente uma pessoa se manifesta... Com as mãos para trás aparece um sujeito que o pastor afirmava que estava endemoniado. “Poxa! Expulsa logo o cão!”, pensei com os meus botões. Mas o pastor aproveitou para entrevistar o dito cujo ao vivo. Afinal, não é todo o dia que se pode assistir a entrevista do cão, lá, diretamente dos quintos, para a rede brasileira.

Com os olhos semi-abertos e morrendo de sono via o pastor perguntar: “O que você quer”: ele respondia com uma voz rouca: “quero dessstruirrrrrr... Argh!” (fazia um gesto estranho com as mãos). O que você quer com esta pessoa: “quero matarrrrrrrr”. Nesse caso eu mesmo fiquei com medo. Era mais horripilante que os filminhos de vampiros que estão passando no cinema.

E o tal pastor não mandava o demo embora não! Queria conversar e conversar com o dito cujo. Naquela situação, a pessoa mesmo não tinha identidade, era só um “meio” para falar com o tal do cão. De repente o dito cujo não tinha mais nada o que falar, a não ser resmungar: “matar”, “roubar... E destruirrrrrrr”.

E o pastor olhava para a câmera e ao mesmo tempo também falava com os telespectadores. Até que ele finalmente expulsa o danado. Duas pessoas conhecidas como diáconos, estavam atrás do homem que cai e é segurado.

Segundos depois ele levanta. O pastor pergunta: “Como você se sente agora? Está liberto?” E a pessoa timidamente responde um sim. E, depois entra o comercial. Levanto... E só então desligo a tv.

segunda-feira, novembro 09, 2009

A catarse do vazio: o caso Uniban ou caso Geisy?

Por Sérgio Pires
A estudante Geisy Arruda ao ser expulsa da Uniban coloca a faculdade no mesmo balaio dos alunos que a insultaram, como uma catarse coletiva, passando a garota de vítima como a culpada dos fatos que aconteceram no último dia 22 de outubro. Parte da mídia ou da opinião pública pode até dizer que a aluna tem parcela de culpa, quando de fato não tem. O caso da garota pode ser avaliado por uma questão simples: identidade.

Ciampa (1984) afirma que “no seu conjunto, as identidades constituem a sociedade, ao mesmo tempo em que são constituídas, cada um por ela”. Cada indivíduo, dentro da sociedade na qual faz parte se constitui através das relações sociais, assume identidade pessoal em sua história de vida. Tanto os indivíduos quanto a sociedade estão sempre interligados.

Dessa forma, o vestuário é fundamental para a constituição desta identidade, pois é um canal de comunicação aceito por todos. A forma de se vestir pode ser uma representação da identidade, pois de acordo com Hall (2005) de um lado nos diferencia, marca a individualidade e, por outro, nos iguala e também nos confunde dentro de um grupo.

Hall afirma que a identidade ao mesmo tempo muda de acordo com a forma como o sujeito é interpretado ou representado. Dessa forma, Geisy nada mais fez do que se expressar através da roupa, pois sua indumentária é uma forma de comunicar, faz parte de sua identidade. Hall relata que esse processo é às vezes descrito como constituindo uma mudança de uma política de identidade de classe para uma política de diferença.

De acordo com Hall, esta identidade pode ser positiva ou negativa, ganhada ou perdida. Porém, quando compararmos aos fatos que aconteceram com a estudante, ela não só perdeu a identidade, mas sim, a tiraram, ou seja, ao ser expulda, sua identidade foi roubada.

A nota divulgada pela Uniban no último domingo (08) nos grandes jornais de São Paulo, relata que a estudante “tem freqüentado as dependências da unidade em trajes inadequados, indicando uma postura incompatível com o ambiente da universidade...” Se, ao partir da lógica de Hall sobre identidade e sobre a afirmação do posicionamento da Uniban, a aluna não tem uma identidade de acordo com seus padrões. Ou seja, revelou aí uma INTOLERÂNCIA grave.

Todos têm o direito de se expressar, seja através das artes, da música ou da moda. Mesmo que ela choque, é preciso ter tolerância e respeitar as diferenças. Nos anos 60 a estilista inglesa Mary Quant inventou a mini-saia ao cortar o vestido de uma manequim e, o impacto surtiu um efeito que foi além da moral, mas sim político e influenciaria toda a juventude dos anos 60 por chocar os padrões de conduta. A mini-saia subverteu o moralismo tradicionalista imposto às mulheres. Antes o modelo da mulher era doméstica, dona de casa e submetida ao marido.

Nessa mesma época, a geração bay-boom do pós-guerra atinge a adolescência e rompe os arquétipos morais e ideológicos que moldaram as mentalidades e os costumes das épocas passadas. A música, o corpo e o vestuário, serviam para compor a identidade e para alcançar objetivo de “protestar”. O rock então surge com seu ritmo considerado do diabo com uma dança lasciva e proibida de Elvis com suas roupas justas e contra os “bons costumes”, porém isso serviu de armas emancipadoras pela liberdade de costumes e idéias que se prolongaram pelos anos seguintes.

Se as pessoas não puderem se expressar através da roupa, em um ambiente universitário, por ser subversiva. Logo serão proibidas as idéias ou qualquer outro tipo de manifestação que fere os padrões impostos. Porém, o exemplo mal dado pelos alunos da Uniban, assim como da diretoria de expulsar a estudante coloca em cheque o papel universitário e faz questionar sobre o pensamento da atual juventude e sobre a identidade do jovem contemporâneo. Afinal, é na universidade o local onde as idéias acontecem através das artes, da literatura, da sociologia, entre outras áreas e, até mesmo da moda através da forma de se vestir.




Bibliografia

CIAMPA, A. Costa. “ Identidade ”. In: Psicologia Social. O homem em movimento. Organizado por Silvia Lane e Wanderley Codo. São Paulo, Brasiliense, 1984.

Hall, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-modernidade / DP&A, 11ª Edição 2006

Fashion Bubbles> A invenção da mini-saia>. Disponível em < http://www.fashionbubbles.com/2006/a-invencao-da-mini-saia/> Acesso em: 9 novembro de 2009.



terça-feira, novembro 03, 2009

Estadão ainda sofre pela Censura

Quem diria que passados 25 anos após a ditadura militar no Brasil, o país ainda sofre com a censura. Desta vez, por meio de medidas consideradas "legais", pois políticos entram na justiça e impedem o exercício do jornalismo.
O jornal O ESTADO DE S. PAULO passa por este problema há mais de três meses.