sexta-feira, julho 23, 2010

Dentro da loja, os ossos

A porta desceu de repente e todos ficaram presos no local. As luzes estavam acesas, porém era preciso abrir a porta o mais rápido possível, caso contrário algo poderia acontecer naquele ambiente. Algumas pessoas já me notavam e me olhavam com certo ar de desconfiamento.
Eu também fico desconfiado de lugares apertados e de gente desconhecida, fico impaciente e chego a tremer os dentes.
Ao lado da mesa havia uma lata de lixo e logo ali no chão estavam lá... Dois ossos. O cheiro estava convidativo. O botão foi apertado por um homem e a porta foi se levantando bem lentamente. Ela mal se ergueu e as pessoas já iam saindo. Aproveitei a oportunidade e com quatro passos bem rápidos peguei os ossos de uma só vez.
Fui advertido pela Ruth, mas já era muito tarde para ela, pois já estavam no meu estômago. Ela então puxou minha coleira e seguimos a multidão. Na minha frente via apenas os pés, e as sacolas, e Ruth me puxava agora com mais força, algumas pessoas se afastavam de mim. "Ele não morde", dizia. Enfim, para mim restou os ossos. Adoro isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário