quarta-feira, outubro 16, 2013

Escritor burguês: Literatura brasileira atual para quem?

Por muito tempo pensei que fosse ignorante por não achar graça alguma nos atuais romances brasileiros. Por trabalhar com jornalismo e por ser formando em Letras, achei que sempre deveria estar “antenado” no que acontecia no meio literário em nosso país. Tanto que conclui um ótimo curso de especialização em Estudos Lingüísticos e Literário, mas às vezes sentia-me perdido em relação aos novos escritores que me foram apresentados.  Comprei pelo menos uns 13 romances destes novos escritores e confesso. Só consegui terminar um, o de Marcelino Freire. Todos os outros não passaram da página 40. Não consegui terminar de lê-los e foram para os sebos trocados por CDs .

No princípio culpava-me, achei até que não estava preparado para tal curso, pois as histórias que se revelavam nestes livros não me satisfaziam em nenhum momento. Histórias cansativas, personagens sem “personalidades”, protagonistas clichês, e, de vez em quando as figuras de linguagens fazem com que os críticos endeusem estes escritores “premiados”. Esta semana senti um alívio. Deparei-me com o trabalho da pesquisadora da UNB, Regina Dalcastagne, que revelou que o escritor brasileiro atual é um burguês "intelectual", bem antenado e na maioria das vezes jornalistas na casa dos 50.


O resultado revela porque muitas histórias destes romances são chatas, porém premiadas, pois elas são destinadas ao mesmo público que as escreve. Os números impressionam, pois, 72,7% dos escritores brasileiros são homens; 93,9% são brancos; 78,8% possuem ensino superior; 36,4 são jornalistas e a maioria mora no eixo Rio - SP e sua idade média é de 50 anos. Os personagens são: 0,4% animais; 1,3% entes sobrenaturais; 62,1% homens e 37,8% mulheres. 

De acordo com a pesquisadora, o personagem médio destas obras pode ser definido como um homem branco, heterossexual, intelectualizado, sem deficiências físicas ou doenças crônicas, membro da classe média e morador de grande centro urbano. Quando estas obras são escritas por autoras mulheres, 52% das personagens são do sexo feminino e quando são autores masculinos, 32,1% são personagens são mulheres. 

Os locais destas narrativas são distribuídos da seguinte forma: 82,6% nas metrópoles; 14,3% no meio rural e 37,2% em cidades pequenas. Um dado interessante são as ocupações dos protagonistas, que revelam muitas vezes, a profissão do escritor. 8,5% são escritores; 7% são bandidos; 6,3% artistas; 5,8% estudantes; 5,6% jornalistas; 5,4% comerciante; 5,4% professores; 4,4% sem ocupação; 4,4% religioso e 3,3% militares.

Um dado interessante é que a maioria dos personagens que não são homens ou brancos é apenas coadjuvante. Em 56,6% dos romances não existe sequer um personagem não branco e apenas 7,9% dos personagens são negros. Dos romances desta nova literatura nacional, 56,3% dos adolescentes negros retratados são dependentes químicos, contra 7,5% de adolescentes brancos na mesma situação. E a pesquisa não para por aí, pois a autora pesquisou 258 livros e encontrou apenas três protagonistas negras. Das mulheres que foram retratadas nestas histórias 25,1% eram donas-de-casa. Dos personagens negros retratados nestes romances, 73,5% eram pobres e 20,4% eram bandidos. Agora, os autores retrataram 88,9% das personagens femininas em uma relação “íntimo/familiar”.

Todos estes números da pesquisa revelam porque as histórias dos romances são chatas. Não há um trabalho de pesquisa de campo para se escrever um bom romance. Estes profissionais que lidam com a escrita, como “jornalistas”, “professores” ou áreas afins, que possuem uma boa formação, pensam que escrever é algo simples, quando de fato não é. No Brasil ninguém vive da literatura, é uma segunda opção ou um hobby de gente “intelectualizada”. Isto não quer dizer que só tem coisa ruim. Tem muita coisa legal, mas é tão pouco que é difícil até de encontrar em livrarias.

Depois desta pesquisa, me senti melhor. Percebi então que não estava errado em achar algumas histórias horríveis, romances repetitivos e extremamente burgueses. Qualquer romance de vampiro é melhor do que muitas histórias da nova literatura brasileira, claro que tem exceções.

Veja a entrevista com a autora na Cult, na matéria

Literatura brasileira é coisa de branco?


Nenhum comentário:

Postar um comentário