quarta-feira, setembro 25, 2013

Furby


Furby... Estes brinquedinhos que possuem vida própria...

quarta-feira, setembro 18, 2013

FSA

FSA Staff

Esporte agora é para ser visto praticado pelo “outro”


Definitivamente o povo brasileiro não dá a mínima pelo esporte (com exceção do futebol, é claro). Mas ao fazer tal afirmação quero deixar claro que a “grande” mídia em geral não colabora para mudar este cenário. E, se ao analisarmos os atletas de ponta que temos, chegaremos à conclusão que eles se destacam não pelo apoio ou qualquer tipo de patrocínio, mas sim por esforço próprio. Por isso temos que ter orgulho quando atletas brasileiros se destacam em qualquer tipo de competição internacional.
As empresas ainda não se deram conta do valor que o esporte pode agregar em um indivíduo. Não apenas nos esportes competitivos, mas no investimento na formação do cidadão. Isso deveria começar lá... Desde criança, nas aulas de educação física, valorizando outras modalidades como o vôlei, basquete, handebol, atletismo, etc.
Hoje sabemos que é necessário patrocínio para montar bons times de basquete, vôlei, etc. Aliás, há anos São Paulo não conta com um bons times de basquete ou vôlei, mas para o investimento no esporte como cidadania o que falta mesmo é uma boa gestão do poder público.
Não existem bons projetos, tanto do governo municipal, estadual ou federal. O que existe é uma pequena “virada esportiva”, que este ano, vai acontecer com verba reduzida do prefeito Haddad, mas, o evento que acontece uma vez por ano, não atinge o seu objetivo.
Em resumo, não há bons projetos que envolvam o poder público (em qualquer esfera) e a sociedade. Em outras palavras, as pessoas que ocupam as pastas de secretarias de esporte são mal capacitadas, principalmente há que envolve o nosso ministro Aldo Rebelo, que faz uma administração “de cabide”, pois não vemos fruto nenhum do seu trabalho e, isto é em efeito cascata, desde a esfera federal, até as secretarias municipais. Pode até existir pessoas com boas intenções, mas como diz o ditado: “De boa intenção o inferno está cheio”.
São necessários projetos específicos para cada comunidade, isso de acordo com as suas características, tanto culturais como geográfica. É necessário fazer uma pesquisa do local para averiguar a característica da população que mora em tal bairro onde o projeto pode ser aplicado. Bom, aí as coisas começariam a funcionar.
Enquanto isso, o esporte é coisa do “outro”, de quem joga em um time qualquer, ou de quem pode pagar uma academia. “Esporte é coisa que passa na televisão e é praticado por quem não tem nada o que fazer”. Esta é a visão de muitas pessoas que não tem acesso ao esporte. Em outras palavras, o esporte perde o seu contexto de significado e passa a ser “lazer”, para ser visto e não praticado. Tanto, que várias pastas municipais as secretarias que envolvem esporte chama-se “Esporte, Cultura e Lazer”, tudo junto e misturado, é o mesmo balaio. É nesta mesma visão equivocada é que acontece a Virada Esportiva, algo para ser visto e sendo praticada pelo “outro”, ou então, aquela ideia: “Vá e pratique esporte”, como este programa acontecesse nos outros 364 dias no ano.
Não é só de futebol que vive o homem, mas de todas as atividades físicas, capazes de fazê-lo, pensar, agir e se interagir na sociedade, transformando-o em um cidadão.


terça-feira, setembro 17, 2013

O ramo e a paciência.

Estava prestes a cortar um pé de árvore que tem em frente a minha casa e que estava seco, por duas vezes fui buscar uma serra para corta-la, arrancá-la de vez. E, para minha surpresa, eis que a vida começa a brotar bem devagar e um novo ramo se faz presente. Aprendi a ter paciência.

sábado, setembro 14, 2013

Corrida mirim


Júlia, sobrinha da Denise, ficou em 2º lugar na Corrida Miriam, no Constâncio Vaz Guimarães - Fica o registro de um evento bem legal e o incentivo ao esporte.

terça-feira, setembro 03, 2013

Caso Snowden: a imbecilidade de Dilma de negar o asilo político

O governo norte-americano o acusa de traidor e delator, mas para muitos ele colaborou para a liberdade de imprensa e também denunciar, ao divulgar dados, que ele próprio achava “ilegal” a atitude do governo de seu país em espionagem e acesso a certos dados sigilosos. Preso em um aeroporto na Russia, o jovem Edward Snowden viveu igual ao personagem de Tom Hanks no filme O Terminal de Steven Spielberg. Snowden pediu asilo político ao Brasil, mas a incopetencia da presidente Dilma e do ministro das Relações Exteriores, na época, Antonio Patriota, antes de ser demitido,  negaram ao pedido de Snowden.
O asilo a Snowden seria a melhor resposta ao governo norte-americano, principalmente agora, que, com os dados, descobriu-se que a presidente Dilma era investigada pelos americanos. Snowden pode ter até mais dados a revelar, mas o Brasil perdeu a oportunidade.
Mas, por quê o Brasil negou o asilo ao ex-técnico da Agência Nacional de Segurança Americana (NSA), Edward Snowden? É inexplicável. Até o O cineasta americano Oliver Stone, criticou a postura do governo brasileiro ao negar o asilo. Para ele, o Brasil se posicionou rápido demais.