sexta-feira, dezembro 30, 2005

O ano novo mais velho

O ano novo mais velho

O ano novo mais velho que me lembro foi quando estava na casa de minha tia, e me lembro de ficar tentando biliscar alguns petiscos, mas a minha altura que era quase igual a da mesa, fazia com que a minha mão não alcançasse o que queria. Então meu tio colova na vitrola gradiente um disco do Martinho da Vila e o samba corria solto.
Na televisão a corrida de São Silvestre era transmitida pela TV Gazeta e todos lá com copos de champagne na mão torcendo para um brasileiro. Acho que ele deve ter ganhado, lembro que foi uma festa quando o corredor cruzou a linha de chegada, todos se abraçavam, os rojões se misturavam para a conquista do brasileiro, junto com os ano novo. Na verdade nem lembro quando foi isso, são apenas imagens.
Teve um outro velho ano novo que me lembro, que subi no telhado de casa para ver melhor a queima de fogos. Foi logo depois da missa do galo, em seguida fui para a rua dar feliz ano novo para os vizinhos e quem passasse pela rua. Teve um outro ainda, que passei na igreja; lembro de um outro que passei mal de tanto comer; um outro ainda fui até a casa de uma outra tia, que mora no bairro do Rivieira Paulista. Lugar longe... Nem parece São Paulo, foi bom, mas meio silencioso.
O mais recente velho ano novo que me lembro, foi quando estava nos Estados Unidos. A comunidade brasileira se reuniu e foi uma tremenda festa, silênciosa é claro, sem rojões, nem queima de fogos, apenas um... Ih! Nem lembro o que comi, mas sei que às 2h da manhã já estava dormindo.
Há ainda um bem mais velho, tão velho que as lembranças parecer ser em preto e branco. Lembro apenas que alguém me apontava para o céu, onde as estrelas se misturavam com os fogos. E, este ano novo envelhecerá também, assim como os outros que continuarão a surgir.

quinta-feira, dezembro 29, 2005

A opção de cinema

A opção de cinema
Fui ao cinema estes dias, aliás vou todas as semanas, e percebi que o número de filmes que trata de fantasias, ou conto de fadas vem aumentando. São vários os títulos como Harry Porter, king kong, Crônicas de Nárnia, entre outros. sem falar nos que já passaram como o Senhor dos Aneis, Guerra nas Estrelas... Tudo que for fantasia é moda em holywood. Mas, e para quem não gosta? Ih! Esta pergunta é muito dificil, pois o que resta então é ir até o Espaço Unibanco, ou nas salas alternativas assitir aos filmes ditos "cabeças" (estes confesso que não tenho pasciência).
Uma outra opção é ir até a locadora mais próxima e alugar um filme qualquer. Mas, ainda assim, prefiro as salas do cinema tipo holywoodiano. Gosto de explosões, efeitos especiais acompanhados com um roteiro que contenha ficção e fantasia. Este é o tempero certo para uma diversão.
Aquele papo de cinema de informação, ou aquela concepção do cinema europeu não me satifaz. Nem mesmo os mais conceituados como Pedro Almodovar.
Agora o que está me surpreendo é o cinema brasileiro (que tanto odiava), que na última década produziu pérolas como o Cidade de Deus e Carandiru, que ao mesmo tempo que fazem denúncias, também traz aventura, e o mais interessante nestes filmes, principalmente em Cidade de Deus, é o posicionamento da câmera, que nunca está parada, dando mais movimento ao filme. Além desses, teve Central do Brasil, O Quatrilho...
Mas, como não fui viajar e passarei o ano novo em Sampa, certamente irei ao cinema, fugindo da política, do trânsito, e mergulhando na fantasia.

quarta-feira, dezembro 07, 2005

Nossa! Voltei!

Fala verdade!
Olha, custou, mas eis que apareço por aqui novamente. Isto porque durante todo este tempo, estava com preguiça, o computador bichou, a internet tava uma porcaria...
Bom, mas deixando a ladainha de lado, estou de volta para escrever ou relatar as picuinhas da vida. E, tenho uma porrada de coisas a escrever, então "vamos nós".

terça-feira, outubro 18, 2005

Referendo



Vou votar NÃO sim!
Antes de mais nada, quero repudiar o referendo sobre a proibição das armas de fogo, que acontecerá no próximo domingo. Trata-se de uma bobagem, pois o jogo já está ganho pela ingenuidade de quem pensa que o tal desarmamento oficial dos cidadãos resolve o problema da violência. Na verdade o governo está dizendo: “É permitido proibir”.
Pois bem, teremos de aprovar o capítulo VI, das disposições finais, da lei de número 10.826, de 22 de dezembro de 2003, assinada pelo ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos e, sancionada pelo Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, que regulariza o porte, o uso e a comercialização de armamento. Este último capítulo diz o seguinte: “Art. 35. É proibida a comercialização de arma de fogo e munição em todo o território nacional, salvo para as entidades previstas no art. 6º desta Lei. § 1º Este dispositivo, para entrar em vigor, dependerá de aprovação mediante referendo popular, a ser realizado em outubro de 2005. § 2º Em caso de aprovação do referendo popular, o disposto neste artigo entrará em vigor na data de publicação de seu resultado pelo Tribunal Superior Eleitoral." Ora, foi idéia do ministro, o mesmo que defendeu os assassinos do Índio Galdino, que foi morto queimado enquanto dormia em 1997, e o caso foi arquivado. O ministro também defendeu os acusados de matar o estudante Edison Hsueh em 1999 durante um trote da USP. O caso também foi arquivado.
Quando alguém está mal intensionado comete crimes de toda forma e as “armas brancas que que estão na cozinha – como cutelos, machadinhas, facões, tesouras e punhais – poderiam ser usados da mesma maneira. Alguém se lembra d cimitarra (objeto cortante) que Elias Maluco usou para supliciar e decapitar o jornalista Tim Lopes, não é arma de fogo – assim como não é pneu, gasolina e fósforo, que o bando usou para desmaterializar o cadáver, no chamado "microondas".
Depois de refletir sobre o assunto e cheguei à conclusão de que vou votar pelo "não", sim senhor! Faço a seguinte observação: jamais cacei animais, não porto arma de fogo e nem me acho capaz de fazê-lo e, além de tudo, antipatizo com a indústria de armas e a corrida armamentista, bem como sou contra a violência e siuy a favor da defesa dos direitos humanos acima de qualquer coisa. Há um clima de patrulha ideológica, com a igreja católica e entidades de direitos humanos. Além disso, o Congresso estão induzindo, via propaganda, ao povo aprovar o “sim” incondicionalmente. Se as pesquisas não forem viciadas, vamos a esmo ferir o mercado, a livre iniciativa, o direito à defesa e a liberdade. Afinal o Brasil perdeu a razão.

domingo, outubro 09, 2005

Rock'n Run

Música e esporte reunidos no Rock'n Run
No último domingo participei do Iº Rock´n Run, foi um evento esportivo diferenciado, (muito louco) que combina show de rock com corrida e caminhada. A corrida era de 6km e a largada e chegada foram em frente ao Credicard Hall.

Barão Vermelho ao Vivo (Show nota 10)
Duante o percurso de rua (na marginal) houve apresentações de bandas ao vivo, como o quarteto paulista Mestre Duka e a banda Beatsoul, que estavam mandando bronca a cada 1,5 km. AH! Mas o melhor foi depois de ter recebido a medalha, o show do Barão Vermelho. Foi foda! Faz pelo menos uns 10 anos, ou muito mais, da última vez que os ví. Adrenalina Pura. Os caras são bons!!!

No dia 12 tem mais corrida, mas desta vez colocarei fotos!!!

sexta-feira, outubro 07, 2005

A arma de espoleta e game de sangue

O dia das crianças está se aproximando e com ele a expectativa dos pequeninos em ganharem um brinquedo. Quando tinha seis anos, lembro de ter ganhado do meu pai, um revólver 38 de espoleta. Era identico a um verdadeiro. Um outro amigo, que não lembro o nome, somente o apelido "kekinha", tinha ganhado uma pistola automática, também de espoleta; um outro amigo de escola ganhou um revólver com um cano alto prateado. Éramos um trio, que fazíamos muito barulhos com as espoletas.
Nesta época nem se falava em "desarmamento infantil", e a palavra violência nem passava pela nossa cabeça. Hoje, não existem mais estes tipos de brinquedos, é proibido, pois um revólver de espoleta pode transformar uma criança em um homicida, assassino, bandido, ladrão, traficante, homicida, ou seja, um ceifador da vida. Que coisa não? Assim como os vídeos games, onde existem cenas de violência, com muito sangue. Para alguns isso pode acarretar no psicológico da criança e poderá transformá-la no futuro em um adulto problemático. Alguns pais e psicólogos querem restringir estes tipos de brinquedoas às crianças.
Com esta onda de proibição, futuramente, os educadores irão proibir a bola, pois a criança em contato com a redondinha, pode causar lesões sérias, além de incentivar a violência, na ânsia de vencer. Além do mais o futebol deve ser algo perigoso, pois há juízes que não são confiáveis. Afinal, algum pai pode tentar subornar o ditocujo para favorecer a equipe de seu filho.
Então qual será o melhor brinquedo para as crianças? Com certeza seria mais atenção por parte de nossas autoridades, com políticas públicas para que os menores não fiquem nos faróis das esquinas. E uma educação digna. Assim, as espoletas e os vídeos games não farão mal algum a nenhum adulto.

A arma de espoleta e game de sangue

O dia das crianças está se aproximando e com ele a expectativa dos pequeninos em ganharem um brinquedo. Quando tinha seis anos, lembro de ter ganhado do meu pai, um revólver 38 de espoleta. Era identico a um verdadeiro. Um outro amigo, que não lembro o nome, somente o apelido "kekinha", tinha ganhado uma pistola automática, também de espoleta; um outro amigo de escola ganhou um revólver com um cano alto prateado. Éramos um trio, que fazíamos muito barulhos com as espoletas.
Nesta época nem se falava em "desarmamento infantil", e a palavra violência nem passava pela nossa cabeça. Hoje, não existem mais estes tipos de brinquedos, é proibido, pois um revólver de espoleta pode transformar uma criança em um homicida, assassino, bandido, ladrão, traficante, homicida, ou seja, um ceifador da vida. Que coisa não? Assim como os vídeos games, onde existem cenas de violência, com muito sangue. Para alguns isso pode acarretar no psicológico da criança e poderá transformá-la no futuro em um adulto problemático. Alguns pais e psicólogos querem restringir estes tipos de brinquedoas às crianças.
Com esta onda de proibição, futuramente, os educadores irão proibir a bola, pois a criança em contato com a redondinha, pode causar lesões sérias, além de incentivar a violência, na ânsia de vencer. Além do mais o futebol deve ser algo perigoso, pois há juízes que não são confiáveis. Afinal, algum pai pode tentar subornar o ditocujo para favorecer a equipe de seu filho.
Então qual será o melhor brinquedo para as crianças? Com certeza seria mais atenção por parte de nossas autoridades, com políticas públicas para que os menores não fiquem nos faróis das esquinas. E uma educação digna. Assim, as espoletas e os vídeos games não farão mal algum a nenhum adulto.

sábado, setembro 24, 2005

Um outro olhar sobre Sampa





Ah! Às vezes nos recusamos a ir ao centro de São Paulo. Afinal é uma bagunça danada, carros, motos, buzinas, trânsito, camelôs, gritaria e um mar de pessoas. Todas andam apressadamente e ao levarmos um esbarrão, não ouvimos nem sequer um pedido de desculpas. Mas, faz parte, já estamos acostumados a "passar" pelo centro. Lá vamos apenas para comprar algo e voltar para casa o mais rápido possível. Afinal fazer o quê neste local, de bagunça, violência...
Mas, em um simples sábado me senti protagonista de um cenário histórico. Um centro que poucas pessoas percebem. Teatro Municipal, Praça da Sé, Pátio do Colégio... Lugares que são mais que cartões postais, pois fazem parte de nossa história.

sexta-feira, setembro 02, 2005

11 de setembro pode ter sido uma farsa


Galera, peguei esta notícia no site: Leitura Clandestina, é bem interessante.

11 DE SETEMBRO – PODERIA TER SIDO TUDO UMA FARSA?

SERÁ MESMO POSSÍVEL QUE TUDO AQUILO TENHA SIDO PLANEJADO PELO PRÓPRIO EUA?
Por FERNANDO RIVOIRO
11 de Setembro de 2001 – Evidências sobre as torres de Nova Iorque.
Abaixo a LITERATURA CLANDESTINA apresenta várias evidências sobre o fato de que a derrubada das torres do Nova Iorque NÃO foi feita por terroristas:

1. No dia seguinte à derrubada, o governo dos EUA já tinha nome, endereço e fotos dos “terroristas”. Por que não os pegaram antes então?

2. Já haviam câmeras de TV profissionais colocadas estratégica, dissimulada e sorrateiramente para transmitirem o evento a todo o mundo, desde o seu início, em vários ângulos.

3. Os “atentados” aconteceram antes das 9:00, hora local, quando a maioria dos funcionários nem tinha chegado ainda, já que nos EUA a hora de trabalho começa por volta das 10:00 da manhã.

4. Mais de 80% dos trabalhadores das torres eram de imigrantes e, sabe-se bem, que os EUA não têm simpatia por imigrantes e não os recebem bem.

5. Existe uma informação não confirmada de que cerca de 3.000 trabalhadores judeus das torres não foram trabalhar naquele dia.

6. Você viu alguma lista de passageiros dos aviões ser divulgada? Claro que não, pois ninguém viu.

7. Sempre que há um acidente aéreo, familiares e amigos vão aos aeroportos buscar notícias sobre os passageiros. Você viu isso acontecer? Claro que não, ninguém viu, pois nada foi divulgado sobre isso, já que não havia o que divulgar. Aqueles aviões voaram por controle remoto. Sabemos que isso já é tecnologicamente possível hoje em dia.

8. O número dos vôos daqueles aviões era 093 e 011. Segundo foi divulgado, o 093 devia ser relacionado ao ano de 1993, quando uma bomba explodiu na garagem de uma daquelas torres e, o número 011, deveria ser relacionado ao próprio dia 11 de setembro. Cá pra nós, acredito que seqüestrar um avião deve ser uma tarefa muito difícil, dois aviões deve ser mais difícil ainda; seqüestrar dois aviões no mesmo dia e horário deve ser bem mais complicado. Será que os terroristas ainda iriam ter exigência para escolher os números de vôos? Qual a vantagem disso pra eles? Seria a de aumentar a complicação? Nenhuma vantagem nem importância, claro! A ligação desses números aos “atentados” só tem serventia à àqueles que pretendem montar e forjar provas contra alguém.

9. Sempre quando um grupo de terrorismo verdadeiro faz algum atentado, imediatamente esse grupo reivindica o atentado para si, pois isto traz prestígio àquele grupo. Você viu algum grupo fazer isso? Claro que não, nenhum grupo reivindicou aqueles “atentados”. Mais uma evidência de que não há sentido em relacionar os números 093 e 011 aos “atentados” e atribuir os “atentados” a um grupo de terrorismo não-oficial. E o fato de ter ficado em aberto quem realmente praticou aqueles atos, faz com que os EUA ataquem todo mundo indiscriminadamente, isto é, bombardeiem os países cujos governantes eles têm interesse em derrubar. Se um grupo tivesse assumido os “atentados” então os EUA seriam forçados a combater somente tal grupo, o que não é de interesse pra eles, pois era pra deixar tudo em aberto mesmo para “terem” o perverso “direito” de atacar quem quiserem.

10. Seqüestrar e manter esses aviões seqüestrados apenas com canivetes ou faquinhas e sem nenhuma arma de fogo em punho parece ser tarefa cinematográfica e difícil de imaginar que nenhuma reação tivesse sido tomada com efeito.

11. A área das torres, desde há muitos anos, já era deficitária economicamente.

12. O dia escolhido para os “atentados” foi o 11 de setembro ou 11/9. Porém, os países de fala inglesa invertem a ordem e escrevem 9/11. Este número coincide com o número 911, adotado e conhecido nos EUA como o número de emergências.

13. Agora vamos analisar tecnicamente a queda das torres. Todo mundo viu e percebeu que as torres caíram como impulsões perfeitas. Todo mundo estranhou isso. Mas, deixando as primeiras impressões de lado, vamos verificar como as torres foram construídas e entender as explicações técnicas dadas para as suas quedas quase perfeitas verticais, sendo que os escombros ficaram exatamente dentro da área do respectivo terreno. As duas torres foram construídas diferentemente dos prédios de alvenaria. Elas eram formadas por 4 vigas de aço, uma em cada quina do prédio. Em cada andar e em cada uma dessas vigas saíam suportes.

A explicação técnica divulgada foi a de que a laje mais superior, de camada bem espessa e pesada que servia para manter a estabilidade das torres contra o vento, com a debilidade dos andares do impacto começou a descer, a derrubar e a empurrar um andar sobre o outro, fazendo então os prédios caírem verticalmente. Embora seja difícil acreditar que abalos daquela ordem produzam efeitos tão ordenados, vamos, mesmo assim, aceitar como verdadeiras e válidas tais explicações bem como as quedas tão verticais e localizadas, já que as torres tinham construção não-convencional.

A questão mais importante vem agora. Trata-se do terceiro prédio, aquele menor e que ficava atrás das duas torres. Este terceiro prédio foi construído de alvenaria e de forma convencional. A explicação para a sua queda foi a de que os abalos produzidos nas duas torres geraram abalos sísmicos equivalentes a de um terremoto e estes então derrubaram aquele prédio. Vocês viram como aquele prédio caiu de forma perfeita verticalmente, como uma implusão mais do que perfeita? Vocês também perceberam como a mídia pouco mostra e pouco se refere àquele terceiro prédio? É incrível, pois os terremotos sempre ocasionam quedas laterais dos prédios afetados, nunca tão verticais. E, por que, esse terremoto escolheu um único prédio daquela área?

14. Há poucos dias, recebi uma foto que apresenta uma vista aérea da área das torres, porém, mostrando uma imagem invertida, ou seja, vendo-se em primeiro plano o “terceiro” prédio e depois as torres. Fica fácil de perceber e entender através desta foto que esse terceiro prédio simplesmente estava atrapalhando a área física do terreno das torres. E agora, recentemente, sabe-se que eles vão construir naquela área o maior edifício do mundo. Será que a área das torres não estava precisando ser limpada?

15. Portanto, já se nota que a derrubada das torres e do terceiro prédio atendeu e resolveu várias finalidades:

a) Colocar a culpa em terroristas e, mesmo sem prova nenhuma e com simples menção às torres, tentar justificar os ataques dos EUA contra estados soberanos, dominá-los e obter as suas riquezas diretamente.
b) A toda invasão feita pelos EUA invoca os “atentados” às torres ou aos terroristas. Ronald Reagan impressionava seu povo dizendo que a Nicarágua iria invadir os EUA, a mídia insistia nisso e o povo “bacon-com-hamburguer-e-batata-frita” acreditava.
c) Limpar o terreno e resolver o problema da área economicamente deficitária, onde agora entendemos que o mesmo precisa ser utilizado para a construção de prédios mais altos e mais modernos do mundo, para eles mostrarem e imporem a sua pujança, cuja “pujança” cultural, porém, sucumbiu aos níveis mais baixos e bárbaros da história humana.
d) Eliminaram alguns imigrantes e dificultaram ainda mais a entrada de outros.
e) Com os ataques bélicos e invasões, usaram a ONU para desarmar o Iraque e a desmoralizaram mais do que já estava, ou melhor, eles vão se servir dela quando precisarem novamente e fizeram a ONU e o resto dos países de trouxa.
f) Com as invasões e ameaças dividiram a União Européia, mais do que já era dividida.
g) Desejam eliminar todos os mandatários e países que não se alinham com as políticas antidemocráticas norte-americanas, inclusive fazendo embargos criminosos.
h) Colocaram todos os países em estado de alerta e trouxeram de volta a corrida armamentista, tendo o Bush e o Dick Cheney, por exemplo, interesses nas indústrias do petróleo, construção civil e de armamentos dos EUA.


16. A conspiração para botar a culpa em outros não é nova naquelas bandas de lá. Na década de sessenta, a CIA propôs a John Kennedy um plano para matar 2.000 americanos com o fim de culpar Cuba, mas JFK não aceitou.

17. Dick Cheney, vice-presidente dos EUA no governo de Bush-filho, foi diretor da CIA no governo de Bush-pai.

18. Bill Clinton disse que Bush é um “animal político, capaz de fazer de tudo para se eleger”.

19. Mentira é o que não falta para os Estados Unidos: eles utilizaram todo o poder da mídia a seu favor para invadir e destruir países de forma bárbara bem como desprezar o resto do mundo com o falso pretexto de encontrar armas de destruição em massa, mas exatamente os EUA usaram bombas nucleares de urânio na Guerra do Golfo e também na invasão ao Iraque em 2003 (Jornal da Band, 15/04/03).

A fumaça em forma de cogumelo, característica e exclusiva de bombas nucleares, pôde ser vista claramente durante os bombardeios dos Estados Unidos sobre Bagdá. Mas isto é minimizado e escondido por eles e pela mídia e tudo fica por isso mesmo.

quinta-feira, setembro 01, 2005

Viva a Bossa Nova e o Pearl Jeam!

A bossa nova é patrimônio mundial
Nossa! Há quanto tempo não escrevia nada. Pessoal, fiquei feliz por uma coisa que fiquei sabendo estes dias. A "Bossa Nova" já é patrimônio mundial. Este ano o dicionário Oxford incluiu a palavra definindo como um estílo musical que nasceu no Brasil. Pena que para nós pobres brasileiros, a bossa nova é aquela coisa chata... "Um banquinho e o violão..."
Ela é muito mais que isso, como disse Caetano Velozo: "Os brasileiros não merecem a bossa nova". Na Europa já houve o movimento "New Bossa", onde apareceram, Sade, Mat Bianco, Style Council, EBTG, Basia, entre outros nomes. Enquanto aqui no Brasil a bossa nova continua: " Um banquinho e um violão..."
Para comemorar este fato, a banda Pearl Jeam, colocou uma música de Tom Jobim "Garota de Ipanema" em seu site oficial, na abertura da página. Viva o Pearl Jeam! Viva a Bossa nova!
Deêm uma olhada no site da banda: pearljeam.com/

sábado, agosto 20, 2005

quem comeu as pizzas não fui eu

Olha! Não fui eu quem comeu a pizza!
Diz o ditado que ao apontarmos o dedo para alguém, existem três apontados para nós mesmos. Mas o dedo indicador não julga, apenas aponta. Estes dias estava com uma fome danada, ao abrir a geladeira vi aquela maravilha! Três pedaços de pizza, que sobraram da noite anterior...Comi um, dois, ops! Vou deixar o terceiro para alguém. Ah! Que nada, mandei o terceiro goela abaixo. Logo em seguida alguém me pergunta: Pô! Quem comeu as pizzas? Hum...Olha não fui eu! Respondi de forma tão descarada que me condenei, pois não tinha mais ninguém em casa naquele momento.
Tenho medo quando pego elevador lotado e encontro com uma turma de adolescentes, principalmente quando um olha para a cara do outro e começam a dar risada. Aí pronto. Segundos depois um cheiro estranho ganha o ar, e eles ficam falando: Olha! Não fui eu!
Assistindo a CPI dos Correios e do mensalão, os depoentes apenas falam: Olha! Não fui eu! O pior é que eles ainda completam: Bom, não sei de nada; não conheço; o dinheiro não era meu...
Então decidi. Vou falar descaradamente, mesmo sabendo que estava só em casa. "Não comi as pizzas na geladeira". É claro que ninguém irá acreditar, assim como os homens do planalto, que mentem na tentativa de comer as pizzas no final da história.

segunda-feira, agosto 15, 2005

Aniversário



Este mês de agosto é muito especial para muitos amigos que comemoram seus aniversários neste mês (inclusive eu). Neste último final de semana, my friend Simone virou uma balzaquiana em uma festa comemorada no Athilio Music, na Vila Olímpia, onde a galera tomou umas "biritas" ouvindo rock and roll.

Jardim Miriam




Depois de uma semana sem deixar nada registrado aqui, eis que deixo a preguiça de lado! Mas o que me chamou atenção esta semana é que existem certas belezas que passam despercebidas nas ruas da periferia, mas o que mais nos deixam indignados são os descasos das autoridades como problemas simples, como buracos na rua, etc. Mas, no fundo a beleza dos bairros da periferia quem faz são os moradores, ou seja a comunidade, então aqui vai algumas fotos do Jardim Miriam.

domingo, agosto 07, 2005

CD


Olhem o que eu descobri!
Confesso que estou em uma briga interna, ou continuo comprando Cds ou baixo as músicas e os cds pela internet. É claro que prefiro baixar as músicas. Mas eis que surge um problema grave: conheci o cd de João Donato, chamado "A bad Donato, psychedelic funky experience", gravado em 1970. Meu, o que falar quando meus ouvidos sentiram o groove deste cara! Só para ter uma idéia, o cara é pianista e estava naquela onde de jazz bossa nova no final dos anos 60. Um maluco empresário de Nova Iorque disse pra ele: "Grava um CD de jazz e compra os intrumentos que vc quiser. No encarte do cd ele conta que foi as compras e trouxe uns teclados de última geração, (imaginem isso em 1970). "Tinha tanto botão que nem sabia pra que servia", diz Donato. Mas o fato é que o cara ficou ouvindo durante uma semana James Brown e Led Zeppelin, quando entrou no estúdio para gravar foi o ritmo de Brown que imperou. Dizem alguns criticos que Donato foi o causador do movimento que veio surgir anos depois. A discoteque, ou simplesmente disco.
Mas com certeza jamais poderíamos saber que por de traz de tudo isso estaria um brasileiro. Aliás, até a capa deste álbum já foi copiada por diversos rappers.
De mais!

HI!

Aí galera, primeiramente queria agradecer aos e-mails que tenho recebido. Thanks! Para quem não o tem, anotem aí: sergiospires@hotmail.com e mandem suas opinões ou críticas sobre o blog. Ou se preferirem façam os cometários diretamente no blog.

Valeu!

Olha, vou deixar aqui uma mensagem, eu não gosto muito dessas coisas não, mas este e-mail eu achei legal.

AQUELES QUE FICAM!!

Um famoso palestrante começou um seminário numa sala com 200 pessoas, segurando uma nota de R$ 100,00.
Ele perguntou: "Quem de vocês quer esta nota de R$100,00?".
Todos ergueram a mão...
Então ele disse: "Darei esta nota a um de vocês esta noite, mas primeiro deixem-me fazer isto..."
Aí, ele amassou totalmente a nota.
E perguntou outra vez: "Quem ainda quer esta nota?"
As mãos continuavam erguidas...
E continuou: "E se eu fizer isto... Deixou a nota cair no chão, começou a pisá-la, esfregá-la. Depois, pegou a nota, agora já imunda e amassada e perguntou:
E agora? Quem ainda quer esta nota de R$100,00??
Todas as mãos voltaram a se erguer.
O palestrante voltou-se para a platéia e disse que tinha ensinado uma lição...
Não importa o que eu faça com o dinheiro, vocês continuam a querer esta nota, porque ela não perde o valor. Essa situação também acontece com a gente... Muitas vezes em nossas vidas, somos amassados, pisoteados e ficamos nos sentindo sem importância.
Mas, não importa... jamais perderemos nosso valor.
Sujos ou limpos, amassados ou inteiros, magros ou gordos, altos ou baixos, nada disso importa! Nada disso altera a importância que temos! O preço de nossas vidas, não é pelo o que aparentemos ser, mas pelo que fizemos e sabemos!!!
Agora reflita bem e procure responder a estas perguntas:
1-Nomeie as 5 pessoas mais ricas do mundo.
2-Nomeie as 5 últimas vencedoras do concurso Miss Universo.
3-Nomeie 10 vencedores do prêmio Oscar, como melhores atores ou atrizes.

Como vai? Mal né? Difícil de lembrar???
Não se preocupe. Ninguém de nós se lembra dos melhores de ontem. Os aplausos vão-se embora! Os troféus ficam cheios de pó! Os vencedores são esquecidos!
Agora responda a estas perguntas:
1-Nomeie 3 professores que te ajudaram na tua verdadeira formação.
2-Nomeie 3 amigos que já te ajudaram nos momentos difíceis.
3-Pense em algumas pessoas que te fizeram sentir alguém especial.
4-Nomeie 5 pessoas com quem transcorres o teu tempo.

Como vai? Melhor não é verdade?
As pessoas que marcam a nossa vida não são as que tem as melhores credenciais, com mais dinheiro, ou os melhores prêmios... São aquelas que se preocupam com você, que cuidam de você, aquelas que de algum modo estão contigo.
Reflita um momento.
A vida é muito curta!
Você em que lista está?
Não sabe?...
Permita-me te dar uma ajuda...
Você não está entre os famosos, mas está entre aqueles que eu lembro com carinho e gosto muito.

quarta-feira, agosto 03, 2005

32 dentes e boca vazia


32 dentes e boca vazia
“Não acredito em ninguém; não acredito em ninguém com mais de 30; não acredito em ninguém com 32 dentes". É interessantes esta relação bucal, já relatada em uma música dos Titãs, com a nossa vida cotidiana. Principalmente quando vemos os escândalos na política, argh!
A boca é a parte do corpo mais importante, pois é por ela que nos alimentamos, mastigando os preciosos alimentos, através de nossos maravilhosos dentes, incisivos, pré-molares, caninos e os sisos (se adulto). Mas, a dança canibalesca dentro da boca é inabalável com as palavras, pois é por aí que saem os sons, as informações mais inteligentes ou torpes através da nossa língua.
Mas é absurdo como testemunhamos o péssimo uso da boca. Tanto para se comunicar ou para alimentação. Estudos mostram que a população brasileira está ficando cada vez mais obesa, por conta dos enlatados e dos fast food proliferados pelo país, ou ainda pessoas que não têm o que por na boca. E as conversas saudáveis que existiam nas praças, nos cafés, nos bares estão desaparecendo ou sendo trocados pelas fofocas, ou conversas que não levam a lugar nenhum, a não ser um assunto em moda: mensalão.
Ultimamente estamos vendo bocas vazias tanto de comida quanto de conteúdo. Ao ligarmos a televisão assistimos programas vazios. Ao assistir ao vivo na televisão depoimentos de pessoas envolvidas em casos de corrupções, continuamos a testemunhar as bocas vazias.
Como diz o poeta Manoel de Barros, que brinca com as preposições, "ninguém leva isso de sério", pois na verdade as bocas nada mais são que instrumentos individuais de comer.

domingo, julho 31, 2005


O mês de julho acabou e a preguiça me permitiu que eu lesse apenas dois livros. Aliás, duas obras magníficas, o primeiro foi Werther de Goethe.
"Sim, nada mais sou do que um viajante, um peregrino sobre a terra! E você é alguma coisa mais do que isso? (passagem do livro)

Uma outra obra fantástica foi "GEN Uma história de Hiroshima" com o título "Pés descalços"

Trata-se de um mangá legítimo, mas que em vez de trazer robôs futuristas, ninjas ou garotinhas combatendo alienígenas, traz uma história real, a do bombardeio de Hiroshima e suas conseqüências, escrita e desenhada de forma autobiográfica por alguém que esteve lá e testemunhou o horror quando tinha sete anos de idade.
Segundo os críticos, Gen poderia ser classificado como um gibi panfletário, mas seu ponto forte é a caracterização da vida e dos costumes do Japão no período da guerra, onde o fanatismo militarista e a escassez de alimentos imperava.
A explosão da bomba, por exemplo, só acontece no final do livro. O que chama atenção, é de um simples mangá que é capaz de trazer muito mais informações sobre o horror da bomba do que muitos filmes não conseguiram fazer.
Uma poesia...

Trancedental

A cidade que ví construída
Era tão vazia e sem vida
As coisas que via
Fazia-me navegar pelas veredas da incapacidade humana
Assim como a fauna urbana

Não temos mais nada o que compreender
Não temos mais nada a fazer
Assim como um mendingo fazendo promessas
Assim como tentar entender
Assim como tentar viver
Assim como lutar

Enchergar a nova terra
O mais belo caminho
A mais bela flor
Talvez ainda viva

quarta-feira, julho 27, 2005


Olhem só o que fizeram, mas até que ficou engraçado! Isso é obra do pessoal da diagramação do jornal. Me contaram e não acreditei, mas até que ficou legal.
Da esquerda para direita, George, eu, Robson e Daniela.
Putz!
Até mais!


Este é um dos melhores CDs gospel que já ouvi. Quem curte um bom funk vai se surpreender. É de mais! Não dá pra ficar parado!

Um cd que estou ouvindo muito e vale conferir é o 100th Window da banda Massive Atack. Nos últimos álbuns, a banda contou com as participações de Tracey Thorn (Everything But the Girl) e Liz Fraser (Cocteau Twins), desta vez a cantora convidada é O'Connor, que andava meio sumida. Mesmo assim, a garota manda bem em "A Prayer for England" com uma voz suave que combina bem com as batidas tecno do grupo. Uma outra canção que disponibiliza um bom clima para quem ouve o CD é "What your soul sings", nesta interpretação O' Connor mostra que continua com uma bela voz e a atmosfera gerada pelo som do grupo caiu bem com a cantora.
Mas, a música mais bela do CD é a 5ª faixa, "Butterfly Caught", onde o clima denso prevalece, lembrando um pouco a banda Pink Industry. Fantástico!
Vale a pena.








Um pouco de poesia...

O pescoço e os pés

Os pés andam com os sapatos;
Um amigo meu já anda descalço;
Agora, você prefere os pés no chinelo.

Eu prefiro o pescoço

Ela prefere tênis amarelo;
Os pés preferem as meias;
Agora, você prefere sapatos sem meias.

Eu prefiro o pescoço

A língua prefere a boca;
As orelhas preferem a língua;
Agora, você prefere os pés.

Eu prefiro o pescoço

segunda-feira, julho 25, 2005







Aí pessoas! Aqui estão algumas fotos da cidade histórica de Pitangui.
Chamo atenção para uma foto em especial, que é a do muro de barro, construído pelos escravos há uns 300 anos. Aquela que estou "segurando a jaca", favor ignorar (rs!).

Na viela (acima) funciona uma lan house, não parece mas dentro da casa (um sobrado azul e laranja) estava lotada de jovens ligados na net.

quarta-feira, julho 20, 2005

Kit viagem
Amanhã estarei indo para Minas Gerais. É claro que para qualquer viagem é necessário um kit básico de entretenimento, então estou levando na bagagem, um walkman é claro; Werthers de Goethe; e um aparelho de MP3 forrados de músicas.
Coloquei as seguintes faixas, que para mim são as melhores no momento. Confira:
1 - The Verve - Bitter sweet symphony
2 - Dave Matthews band - Crash into me
3 - Eletronic - Forbidden city
4 - Smiths - You've got everything now
5 - Smiths - I don't owe you anything
6 - Daryl Hall/John Oates - I can't go for that
7 - Galaxie 500 - Fourth of july
8 - Queen - Under Pressure
9 - Marvin Gaye - Mercy mercy me
10 - Marvin Gaye - What´s going on
11 - Cure - Just like heaven
12 - Beach boys - Wouldn't it be nice (Fantástica)
13 - Beatles - A day inthe life
14 - OMD - Secret
15 - Indigle Girls - Power of two
16 - Lemonheads - If I could talk I'd tell you
17 - Lemonheads - Into in your arms
18 - Primitives - Crash
19 - Primitives - Thru the flowers
20 - Sonic Youth - 100%
21 - Aztec Camera - Oblivius
22 - The Church - Under the milkway
23 - Bronski beat - In my dreams
24 - Areta Franklin - Respect
25 - Led Zeppelin - Night Flight
26 - Led Zeppelin - Ten years gone
27 - Neil Young - Harvest mon
28 - Lloyd Cole - Perfect Blue
29 - Lloyd Cole - Cut me dow
30 - Rolling Stones - Farway eyes

Até a volta, estas 30 músicas irei ouvir muitas, muitas, muitas vezes...
Até breve.

terça-feira, julho 19, 2005


Valeu!!
Este espaço é um desejo antigo e pela primeira vez tomei vergonha para começar a esrever sobre alguma coisa, sem ser matérias jornalísticas. Como as futilidades são interessantes, não é verdade? Concordando ou não, o besteirol do dia a dia não deixa de ser comentado, nas rodas de amigos, em casa, na faculdade, no busão, na fila do banco...
Mas, pra vamos jogando as coisas na panela e vamos ver no que dá.
Bom, este blog está saindo do forno, como é a primeira vez que escrevo, irei começar colocando uns textos antigos, aos poucos irei atualizando.

Estes dias, andando em um sebo achei o um CD do Pink Floyd que estava procurando há tempos. Já o tinha gravado, mas nada melhor que o original não é vardade. Para quem não o conhee, a capa deste ábum que me refiro, é a terceira bunda da esquerda para direita.
Verme que roeu as carnes
“É melhor viver 10 anos a mil do que mil anos a 10”, frase de uma música popular que tem suas verdades. Depois de ver as notícias horríveis sobre o "mensalão", violência no Brasil e atentados por aí, cheguei a seguinte conclusão: quero aproveitar todas as oportunidades que aparecerem a minha frente.
Se aparecer um vendedor de jogo do bicho e da loteria federal não vou perder a oportunidade de comprar. Quando passar em frente a casa lotérica vou fazer aquela “fezinha” para tentar ganhar o prêmio acumulado.
Vou passar em frente de um restaurante chinês e comer aquele prato gigantesco de frango xadrez. À tarde comerei hot dog do carrinho da esquina com muita maionese e quando ver o tiozinho, que vende coxinhas por Diadema gritando “glória Deus”, vou comprar umas duas.
À noite se me ligarem para sair para dançar, irei chacoalhar o esqueleto ao som de muita black music ou rock, o que seja! E por aí vai, cada um a sua maneira.
É isso aí, aproveitar a vida sem culpa em todos os sentidos. Tudo isso sem tirar a nossa responsabilidade que temos perante a casa, a rua e o trabalho e da nossa própria vida pessoal com os nossos objetivos.
Afinal de contas não podemos nos dar o direito de levar a vida igual ao personagem de Machado de Assis, Brás Cubas, que morreu aos 64 anos, sem alcançar seus objetivos. A história é contada por um defunto, que não aproveitou a vida em nada e diz: “ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver, dedico como saudosa lembrança estas memórias póstumas”. É isso aí!