sábado, novembro 05, 2016

Teatro Municipal de São Paulo

Detalhes que são despercebidos do Teatro Municipal de São Paulo

terça-feira, outubro 25, 2016

Você é o que você paga.


Nossas vidas estão associadas às várias contas que temos que pagar em nosso dia a dia. Algumas delas fazem jus ao que necessitamos, e a maioria não serve absolutamente para nada. Começo por este que voz escreve estas linhas, que ao checar meu extrato bancário me decepcionei ao notar em tantas futilidades, mesmo andando sem nenhuma moeda ou nota na carteira ou no bolso, apenas o cartão do banco, que é a prova cabal, pois deixa um enorme rastro no extrato.
Antes, andava com dinheiro vivo, e o meu rastro era o número de objetos que acumulava em casa, como a revista Bizz, lá dos anos 80 e 90, tenho a coleção inteira e nunca fui assinante, se fosse, até poderia ganhar algum desconto; uma coleção de aproximadamente 1 mil discos, hoje reduzida a 500, e o mesmo número de CDs. Além de DVDs, livros, entre outras tranqueiras que acumulavam meu quarto, quando adolescente.
O escritor Oscar Wilde, dizia que, a pessoa é o que ela lê. Neste mesmo raciocínio eu levava no campo da música: “a pessoa é o que ela ouve”. Cansei de ser mal educado quando visitava casa de pessoas e ia logo analisando a estante de CDs ou vasculhando seus discos. Já na casa de amigos ficava encantado quando encontrava algo legal. Hoje, seguindo este preceito, concluo que, “somos o que estamos pagando”.
Ao analisar o rastro do meu extrato bancário, descobri que gosto de comidas e bebidas de boteco; cervejas caras em padarias; doces fora de hora; multas de trânsito; pagamento com juros da conta do celular; saques bancários inúteis, pois não sei que fim levou aquela grana, entre outras despesas bestas. Nada de significativo, como um ingresso para algum show ou teatro, ou até mesmo um presente, um perfume ou uma roupa qualquer.

Logo, cheguei à conclusão que é necessário consumir de forma consciente, não só para nossas finanças pessoais, mas para a construção da nossa própria identidade. Direcionar o nosso dinheiro em coisas úteis traz consequências positivas para a nossa vida como pessoa. Não importa o quanto ganhamos, seja muito, ou pouco, pois na verdade, somos o que pagamos.

quarta-feira, outubro 19, 2016

Estes dias fui correr e agradeci.


Estes dias resolvi correr. A corrida é muito mais que uma atividade esportiva é uma terapia. No começo corremos contra o nosso corpo, bate um cansaço, uma sensação chata de desistir, mas logo vai passando. Chega em um momento que as pernas te levam junto com o pensamento. E a leve brisa da corrida faz você refletir, agradecer por aquele momento, é um momento de paz e tranquilidade em cada passada suavemente cadenciada pelo ritmo. Nada de esforço, apenas sentindo o ritmo e agradecimento.

Quais são dores de ser puro?

segunda-feira, junho 06, 2016

Estátua isolada


Uma bela estátua no Vale do Anhagabaú, isolada, triste e sem olhares, quando a olhei percebi sua beleza e a contemplei por minutos.

terça-feira, março 15, 2016

Proposta para nova camisa da seleção

A CBF não é uma entidade confiável depois de tantos escândalos recentes. Na última manifestação o povo vestiu um a camisa amarela que seria da seleção brasileira, mas na verdade é da CBF. Fiz uma brincadeira com esta camisa, e se trocássemos o simbolo da CBF pelo brasão brasileiro? Não ficaria mais bonita? A CBF apenas organiza a seleção, mas não precisamos vestir a camisa desta entidade.

segunda-feira, fevereiro 15, 2016

Singelamente

Foi bem assim, devagar, entende? Eu estava andando pela Avenida Cupecê, lá na Cidade Ademar,
quando eu a vi entrando na igreja. Ela estava toda nua e estava sozinha. Era uma morena de aproximadamente 1.70 de altura com os cabelos cacheados e cumpridos até a cintura. Pensei até que fosse pegadinha ou propaganda de televisão. Dois dias depois descobri que o Carlos a conhecia, e ele me disse que o nome dela era Penélope. Achei estranho, pois nunca conheci ninguém com o nome de Penélope, a não ser a do desenho animado. Contei o fato ao Renato, e, de imediato ele desmentiu o Carlos e disse que esta menina estudava no Leonor Quadros, uma escola pública da Cidade Ademar, e que o nome verdadeiro dela era Amélia e que estava muito deprimida por ter acabado o seu casamento. Semanas se passaram e eu encontrei a Suzi, e sem querer ela tocou no assunto da mina que entrou nua na igreja. Ela disse que conhecia a irmã dela, e disse que tinha ficado louca depois de um acidente de carro na Avenida 23 de maio. Suzi disse que a mina se chama Ester, em homenagem a mulher da bíblia, já que seus pais eram evangélicos e depois disto nunca mais ouviu falar dela e, que a última vez que a viu foi neste vídeo que viralizou na internet. Não falei a ninguém que a tinha visto, apenas fiquei curioso, e descobri que ela tinha três nomes, ou três histórias diferentes de quem supostamente a conhecia. Foi aí que resolvi tirar esta história a limpo. Fui até a igreja e ao adentrar logo na porta, uma morena muito simpática sorriu e me deu um jornal junto com um papel com uma mensagem bíblica. Reconheci aquele rosto singelo das semanas anteriores, um olhar profundo que enaltecia sua bochecha rosada, um vestido justo e delicadamente comportado junto a um lenço que cobria seus cabelos cacheados. Sem palavras agradeci o jornal e o pequeno panfleto e me senti completamente nu, e renovado ao vê-la daquele jeito, vestida. Não contive a curiosidade e perguntei: “Qual é o seu nome? Um breve olhar foi a resposta completada pelas palavras singelas. “Não preciso de nome, só preciso ser”, disse sorrindo. Agradeci e fui embora.

Sobre músicas que "martelam" ou matelaram a nossa cabeça

segunda-feira, fevereiro 01, 2016

Álbum de fotografias, memórias, facebook e a felicidade falsa

Lembro de uma aula do professor de história Ivanir, na antiga 6ª série, pois ele nos mostrou uma foto em nosso livro, que se tratava de uma imagem pré-histórica desenhada pelos homens de cro magnon há milhares de anos. A imagem era de vários homens caçando e no centro do desenho tinha um animal que seria a caça, e o professor nos explicou que aquele registro era importante para a nossa história pois retratava um modo de vida daquele povo, pois a caça, era um evento social importantíssimo para a cultura e também para a sobrevivência do grupo, pois a identidade não era individual, mas sim coletiva, por isto as imagens geralmente eram de pessoas em grupo.

Aquela aula ficou marcada até hoje, pois a nossa identidade é o que nos move dentro desta sociedade em que vivemos, e nos tempos atuais ela é múltipla, como explica Stuart Hall, em seu livro “A identidade cultural na pós modernidade”. Diante desta multiplicidade de identidades que possuímos, algo me incomodou muito nos últimos tempos com a declaração do renomado filósofo Leandro Karnal. Ele afirmou em uma palestra, aliás, orientou a todos “a pararem de postar felicidade falsa no facebook”, e isto foi compartilhado por milhares de pessoas, do próprio facebook, como uma afirmação “feliz”, basta saber, se era do filósofo, ou da “felicidade falsa” de quem compartilhava deste pensamento.

Quem sou eu para entrar em um debate com Leandro Karnal, assistir ao seu vídeo no youtube que alguém intitulou: “Para de postar felicidade falsa no facebook”, me incomodou muito. Isto porque, ele fala de vários assuntos, citando Hamlet, O príncipe, entre outros escritores, e no final solta esta frase polêmica, que eu ouso a discordar do filósofo, pois o papel das redes sociais é exatamente este: postar a felicidade, mesmo que seja uma felicidade idealizada, pois ela é a possibilidade da construção de uma felicidade real, como a imagem dos desenhos do homem das cavernas, afinal, nem todas as caçadas tinham sucesso, mas eram idealizadas.

No passado, os álbuns de fotografias, das nossas mães e avós, eram compartilhados apenas por parentes, e entes mais íntimos da família, pois as pessoas sentavam na sala, em um café ou lanche da tarde e ficavam ali, folheando as memórias “felizes” do passado. Hoje, a felicidade é no presente, e constitui um novo conceito do homem moderno com as tecnologias em tempo real.

Vários pensadores, filósofos, escritores afirmam que, quanto mais nos conhecemos, mais devemos nos entristecer, como Fernando Pessoa em seu Livro do Desassossego, ele faz as seguintes afirmações: “...Fugir ao que conheço, fugir ao que é meu, fugir ao que amo...” “... Parece-me que sonho cada vez mais longe, que cada vez mais sonho o vago, o impreciso, o invisionável. ” “...Quanto mais me vejo rodeado, mais me isolo e entristeço...”

Temos então que concordar com tais pensamentos? Eu não posso me conhecer profundamente e me sentir feliz com possíveis mudanças? Pelo filósofo e alguns pensadores não. Podemos citar também Aristóteles, que ao passar por uma feira em Atenas e ao ver tantas coisas desnecessárias sendo vendidas, falou que o homem não precisaria de nada daquilo para viver, em outras palavras, não precisava de “coisas” materiais para serem felizes.

É claro que sabemos disto. Temos plena consciência, ou deveríamos ter, que a felicidade real é a que nasce dentro de cada indivíduo, dentro de um ambiente social adequado. O antropólogo Roberto da Matta em sua obra “A casa, a rua e o trabalho”, é um retrato desta múltipla identidade, pois o bem-estar social deve estar em harmonia nestes ambientes, assim como o seu bem-estar pessoal-sentimental. Hoje as redes sociais é um novo ambiente a ser estudado e analisado profundamente, e enquanto isto não acontece, ignoremos o conselho de Leandro Karnal, pois continuaremos a postar a nossa felicidade no facebook, mesmo que idealizada, afinal, há um verbo que não foi analisado pelo filósofo: compartilhar, pois esta palavra tem um novo contexto, em um novo tempo, mas Karnal não tem redes sociais, seria ele então feliz, ou triste porque conhece a si mesmo.

quinta-feira, janeiro 28, 2016

Cocteau Twins e o lirismo de Treasure

O grupo inglês Cocteau Twins foi um fenômeno na Inglaterra nos anos 80 e a cena alternativa mundial, o que veio a se chamar “indie” nos dias de hoje. Eles nunca foram do tipo de banda que enchia estádios ou preenchia os tempos livres da MTV e também nunca venderam milhões de álbuns. Em vez disso, era uma banda conceitual no sentido real da palavra, tinha um estilo próprio com uma identidade ímpar da vocalista Elisabeth Fraser, que, com suas nuances vocais, fazia calmamente uma mudança fundamental na percepção, exercendo uma influência do lírico, com as nuances de guitarras, às vezes distorcidas, que era uma novidade para a sua época.

O grupo esteve junto durante 15 anos e acabou em meados de 1998, mas deixou um legado ímpar para seus fãs ao redor do mundo. Tive a oportunidade de vê-los no Brasil nos anos 90 no Projeto SP, na turnê do álbum Heaven or Las Vegas (1990). Foram vários álbuns marcantes, mas gostaria de destacar um em especial, o Treasure (1984). Um clássico. Para os amantes da boa música, não importa, o estilo, este álbum agrada a todos. Não é um disco pop, é um álbum de música no real sentido da palavra. Os músicos sempre rejeitaram este álbum, alegando que foi gravado às pressas, mas a imprensa e os fãs foram ao delírio, e consideram o melhor trabalho da banda, pois é o mais vendido.


Deixo aqui o link para este álbum obrigatório na discografia de qualquer um.

terça-feira, janeiro 19, 2016

A mãe que comeu o filho

Texto e arte do livro "Crônicas e contos" de Sérgios Pires a ser lançada em 2016


É impossível uma pessoa morrer de fome no mundo, não consigo ter esta concepção, porém isto acontece, e o pior, ignoramos. Uma publicação cientifica, inglesa The Lancet, um veículo de fama internacional que, publicou um relatório, há quatro anos, afirmando que mais de 3 milhões de crianças morreram de subnutrição em 2011. É muito triste e temos que fazer uma reflexão séria, sobre o meio ambiente, consumo e também solidariedade.
Todos os programas governamentais atuais, começaram a partir do Fome Zero, pois a intenção de acabar com a fome do governo brasileiro é legítima, apesar de ter várias críticas.
Todos sabemos que o melhor não é dar o peixe, mas sim, ensinar a população a pescar. Infelizmente, muitos se esquecem, que para ir à pesca, são necessários utensílios que o povo não tem. E a população faminta só tem a vontade, mas não tem material para a batalha. É claro que sempre tem alguns que tiram vantagens e aproveitam da situação deixando de fora quem realmente precisa.
Hoje, com os refugiados da Síria, das pessoas que ainda estão lá, sofrendo, assim como dezenas de países que estão em conflitos, milhares de pessoas estão morrendo, não só de balas e bombas, mas de fome.
Há cerca de quatro mil anos, o povo de Samaria em Israel passava por grandes dificuldades por causa da seca e pela fome que assolava a região. O rei andava a cavalo pela região, quando ouviu a seguinte reclamação de duas mulheres que o interpelaram: "Esta mulher disse, dá o teu filho, para que hoje o comamos e amanhã comeremos o meu. Então cozemos o meu filho e no dia seguinte, eu disse: Dá o teu filho para que o comamos, e ela o escondeu. Ouvindo isso o rei (envergonhado) rasgou suas vestes e se vestiu de pano de saco" (2 Reis - 6:28,29,30) Mas tarde Deus proveria suprimentos na entrada desta cidade com farinha e cevada para saciar a fome do povo.

Estamos assistindo cenas horríveis de violência no mundo, não irei me espantar quando os seres humanos começarem a se transformar em canibais para sobreviver. Até o momento o antropofagismo é social, mas as roupas de saco quem veste no Brasil e em todo o mundo, não são os governantes, como em Samaria, mas sim o povo, que envergonhado assiste as pessoas morrerem de fome e tentamos esconder a nossa nudez, pois estamos parados e anestesiados vendo os fatos acontecerem sem agir.

Decida por Maria

Arte - Bodão - (texto e desenho fazem parte do livro "Contos e Crônicas" de Sérgios Pires que será lançada em 2016)


A dona Maria saiu para fazer suas compras no meio de semana, pela manhã, pois receberia visitas em sua casa à tarde. Precisava comprar café, açucar, arroz e feijão, produtos básicos que nunca faltaram em sua casa. Aliás, estes ítens nunca deveriam deixar de estar nas mesas de todos os brasileiros, pois o país já foi uns dos primeiros no mundo no cultivo destes produtos.
Então vamos voltar a dona de casa, que no caminho tinha que passar no banco para pagar as contas de água, luz, telefone, IPVA e IPTU. Apenas um detalhe: Maria tinha esquecido que naquele dia o ônibus tinha aumentado, quer dizer, reajustado, como dizem os nossos governantes.
Satisfeita por pagar suas contas em dia, foi ao mercadinho, pegou com carinho o café, o açucar, o arroz e o feijão. Ao chegar no caixa, uma surpresa, os trocados que sobraram das contas que foram pagas, eram insuficientes para levar os quatro produtos. O caixa exclamou: "A senhora tem que tirar um íten".
Dona Maria olhou o café e refletiu que não poderia dispensá-lo, pois receberia visitas em sua casa; o açucar estava ligado diretamente ao café e se não levasse o arroz e o feijão, não teria o que comer naquele dia. Enquanto isso a fila do caixa aumentava.
É vergonhoso ao Brasil deixar faltar estes produtos na mesa dos brasileiros. Não queremos que nenhum governo viabilize uma situação como esta, mas infelizmente sabemos que esta cena acontece todos os dias nos mercadinhos e nos grandes hipermercados do país. O governo deve incentivar a agricultura e fazer uma política para que estes produtos fiquem mais baratos, viabilizando uma política completa, que vai desde a logística para que estes produtos chegue até a nossa mesa, até o pequeno agricultor que faz o trabalho mais árduo.
A história de Dona Maria é uma ficção, qualquer semelhança com a vida de algumas pessoas é pura coincidência. Portanto, não sou digno de tirar qualquer produto da dona de casa, pois seria injusto, ela foi fiel ao Estado pagando suas contas e foi desprezada pelo governo, que a deixou passar vergonha na fila do caixa. Decida por Maria!

sábado, janeiro 16, 2016

Feiras, suas cores e temperos





Os temperos já foram comparados ao ouro. Estas riquezas que dão “vida” aos alimentos são encontradas em feiras espalhadas pela cidade na sua forma mais pura, ao contrário dos supermercados.
(fotos tiradas na feira do Jardim Miriam em 16.01.2015)