segunda-feira, outubro 26, 2015

O programa Esquenta é odiado pela “burguesia”, da direita e da esquerda


Se há um programa que causa debates na televisão aberta é o “Esquenta”, veiculado aos domingos na Rede Globo para todo o país. Uma breve pesquisa na internet revelará várias críticas ao dominical comandado por Regina Casé que atinge altos índices de audiência por ser ou tentar ser o porta voz da periferia, e isto causa polêmicas em todos os aspectos.

Nas últimas décadas criou-se um senso comum que a linguagem da periferia é o rap, principalmente em São Paulo, por isto há vários programas que exaltam a cultura hip hop como o único gênero da periferia, como Manos e Minas, entre outros. Ficam de fora, às vezes o samba, o funk, sertanejo, entre outros.

Fiquei interessado sobre o tema ao assistir alguns programas e, acho a proposta bem legal. Como mostrar a periferia de uma forma alegre? Ela (Regina Casé) faz um programa digno e fui repreendido por um conhecido ao fazer tal afirmação. Intelectual de esquerda, marxista nato, afirmou-me que é um atestado de pobreza e burrice ver tal programa, pois valoriza apenas uma cultura duvidosa e alienante. Outro dia, um outro conhecido, este conservador, afirmou a mesma coisa, praticamente o mesmo argumento, aí cheguei a uma conclusão: “O programa Esquenta é criticado não por suas características, mas sim pelo preconceito”.

A periferia é multicultural, tem de tudo, e é esta mistura é a síntese do Esquenta, “tudo junto e misturado”. Mas isto não é bem visto por críticos intelectuais principalmente estes “burgueses” de todos os gêneros. É possível encontrar críticas ao Esquenta com teores preconceituosos, como este que encontrei na internet.

“Comandado pela brega Regina Casé (sic) ... O dominical tem a roupagem espalhafatosa e colorida das roupas da apresentadora... O programa mostra um Brasil com valores culturais pobres ao levar para exibição o que considera a voz dos marginalizados. Então é comum ver um linguajar cheio de gírias, moças seminuas rebolando, dançando funk e outros ritmos ao som de letras pobres e sem sentido, senão o de exaltar a sensualidade e o sexo fácil. O Esquenta mostra o Brasil dos desgraçados, dos desprovidos de sonhos, dos que não tem expectativas, dos que estão juntos e misturados. Uma grande periferia, onde o nóia está próximo do traficante. Onde a dona de casa e o trabalhador a tudo vê, tudo ouve, tudo sente, mas que finge que nada viu, nada escutou, nada sentiu e ainda tem o bandido e traficante como amigo do peito. Tudo junto e misturado, é esta a impressão que O Esquenta passa”. (Ver texto original).

Há ainda textos engajados que afirmam que o programa tem características racistas, por colocar o negro em posições “suburbanas”. “O programa reforça o estereótipo dos negros brasileiros como indivíduos suburbanos, subempregados, mas ainda assim felizes, sempre com um sorriso no rosto, esquecendo-se das mazelas cotidianas por meio da dança, do remelexo, das rimas pobres do funk, do mau gosto de penteados e cortes de cabelo extravagantes” (ver a matéria original).

Caro amigo ou amiga que lê estas poucas linhas, o fato, é que a periferia incomoda, seja qual for a abordagem. Qualquer tipo de programação que mostre uma cultura que não venha do “mainstream” central, ou da Vila Madalena e adjacências elitizadas espalhadas pelo nosso Brasil, será sempre vista como uma subcultura, e sempre será criticada por todos, não importando a ideologia.

A cultura seja ela qual for, deve transitar entre si como trocas de informações, fazendo com a cidade possa ser mais homogênea, mesmo com tantas diversidades de gêneros. As informações nos botecos da periferia são diferentes dos “botecos” elitizados com suas músicas e comidas gourmet; são, na maioria das vezes, mais “frescas”, saindo do forno, sempre com uma moda diferente, com roupas coloridas e cortes de cabelo com gosto duvidoso para alguns. 

Mesmo assim, ganhará a mídia e irá se apresentar em programas como o Esquenta. Depois disso, será elitizado nos bairros ricos e nos bares gourmet e nos locais onde vendem comidas de rua, ops! Aliás, agora é truck foods. Enfim, vários usuários espalharão esta moda do subúrbio pela cidade e, ainda assim, continuarão a condenar tudo que a televisão mostra da periferia, seja do bem ou do mal. Onde fica mesmo a periferia?

terça-feira, outubro 13, 2015

A censura e a incensura da burguesia e a linguagem "figurada"


As letras de funk e dos raps da periferia são alvos constantes de preconceito pela mídia e da classe dominante em si. Não quero aqui defender um estilo em detrimento do outro, mesmo porque não gosto nenhum pouco de funk com suas letras "pesadas" e do rap (também tem letras pesadas) mas vejo mais talentos, como Emicida, Criolo, Racionais, entre outros, que levam o estilo e a cultura à frente, mas trata-se apenas de um gosto pessoal.

Muitos se esquecem que a música é uma linguagem. Às vezes, outros gêneros dão à voz ao "bandido" e ainda o transformam no protagonista, como o cinema, o teatro e a literatura, e tudo se transforma em ficção. Com a letra das músicas é a mesma coisa. Mas, isto vai depender diretamente de quem canta, pois o preconceito, vai desde as letras e também do emissor, deixando claro um preconceito bem latente, tanto da linguagem, como cultural. Se for um cantor oriundo da classe média, a letra que fala de violência, é interpretada como "figura de linguagem", e é vista a beleza lirica da canção. Peguei um texto clássico, um bom exemplo disto, é a letra da música "Exagerado" do Cazuza.

"...E por você eu largo tudo
Vou mendigar, roubar, matar
Até nas coisas mais banais
Pra mim é tudo ou nunca mais..."

Não quero tentar fazer uma análise linguística desta letra, mas este trecho em si, é visto como algo "belo" e romântico, mas os três verbos "mendigar",  "matar" e "roubar", não contem nada de "romântico", se este trecho fosse interpretado por qualquer  MC de funk ou por algum rapper, poderia sofres sérios problemas de preconceito. A subversão do substantivo "mendigo" em verbo, dá a impressão que ser mendigo é uma opção.

Será que se o Mano Brown dos Racionais cantasse esta letra em ritmo de rap teria o mesmo contexto de Cazuza? Mas, a música do Cazuza, é legal, afinal, ele é considerado um poeta que representou uma geração. Será? Particularmente, gosto de algumas canções, mas é um cantor comum, nada mais do que isto.

O problema é o "endeusamento" de alguns artistas em detrimento de outros, que falam a mesma coisa, e a única diferença é a classe social e o preconceito latente em nossa sociedade.

segunda-feira, outubro 05, 2015

As Vantagens de Ser Invisível - Seria já um clássico?


Estes dias conversando com alguns amigos sobre o que foi a juventude dos anos 90, começamos a divagar sobre algo que pudesse representar, ao menos, um pouco, o que foi aquela geração, principalmente baseada nos filmes. Lembramos de alguns títulos como “Singles” (Vida de Solteiro) e alguns outros. A turma falou que sentia falta de filmes desta geração e, para minha surpresa, me deparei com o filme “As vantagens de ser solteiro”, história baseada no livro.

Comecei assisti ao filme sem intenções, e aos poucos, a cada quadro, me surpreendia com o personagem Charlie que é o personagem que narra o filme em primeira pessoa e percebe-se que é um jovem traumatizado, e as revelações acontecem aos poucos, por conta do suicídio de seu melhor amigo e também sobre a morte de sua tia, tudo isto somados aos problemas de sua escola com “bulling” que ele sofria. Este roteiro, parece clichê, mas a forma como os fatos são narrados revelam ao público as sensações deste protagonista.

Charlie era um cara tímido, mais com um potencial de “louco”, no sentido que vale a pena fazer tudo para curtir a vida ao máximo, e acaba fazendo amizades com um grupo que tinha as suas mesmas características.

Seus amigos Patrick e Sam a eterna ex-Harry Porter Emma Watson, são fundamentais para a reconstrução da identidade de Charlie, assim como o seu professor de literatura, interpretado por John Cusack. Um dos traumas deste herói, era o amor pela sua tia de uma forma doentia (não vou entrar em detalhes para não atrapalhar que ainda não assistiu ao filme).

Duas cenas inesquecíveis são essenciais para este belo filme e, a primeira com a belíssima interpretação de Emma Watson, quando Sam escuta pela primeira vez a música Heroes de David Bowie e no final esta cena é repetida por Charlie. Não que o filme seja um clássico, mas ele deixa marcas profundas sobre o que foi os anos 90 e sua geração, mas talvez sim. A vantagem de ser invisível já nasce “Clássico”.

sexta-feira, outubro 02, 2015

Rock in Rio: um festival necessário para a cultura pop

Entrada principal do Rock in Rio, um ponto de selfies para quem chegava ao local
Para a sobrevivência da cultura musical pop, os festivais deverão sempre existir. Depois do Festival de Woodstock em 1968, em uma fazenda nos Estados Unidos, esta modalidade de shows fez parte de um entretenimento inevitável para a música. “A sociedade consome o que ela produz”, já dizem alguns sociólogos e, este consumo está relacionado também ao indivíduo e, quando se trata de música, os grandes festivais são um reflexo social e cultural das apresentações, assim como os músicos envolvidos e, as razões pela qual os festivais acontecem. No caso específico do Rock in Rio, é simplesmente, lazer nonsense, apenas festejar a cultura pop.
Naturalmente tive que entrar no clima "selfie"
A critica do jornalista Alexandre Matias, do UOL, publicada nesta segunda, dia 28, sobre o “shopping pago com trilha sonora”, é descontextualizada, sobre o que é um “festival”. Será que o festival seria igual ao primeiro Rock in Rio, em 1985, onde não tinha infraestrura alguma? Para exemplificar, no dia 16 de janeiro de 1985, nas apresentações do AC/DC e Scorpions, os lanches haviam se acabado, bebidas tinham sido esgotadas e a multidão se aglomeravam nas filas dos banheiros químicos. Faziam as necessidades na lama daquela noite chuvosa, sem telão e com um som de qualidade duvidável, a não ser pela ótima apresentação dos músicos, mas aí é uma outra questão.
Hoje, há atrações, há bares, stands, realmente é um “shopping” não no sentido pejorativo, mas da adequação. É tudo pop, é tudo consumo. Esta é a nova tendência dos festivais, muito diferente do mais famoso, o Woodstock de 1968, que aconteceu com objetivo de festejar a Paz, pois os Estados Unidos estavam em guerra. Outro festival famoso foi o Live Aid, que aconteceu em 1985, para arrecadar fundos contra a fome nos países africanos, especificamente a Etiópia; houve ainda o festival “feminista” Lilith Fair, nos Estados Unidos, que foi realizado entre os anos de 1996 e 1997, levantando a causa das mulheres, e tem ainda vários festivais famosos, como: Glastonbury Festival (Reino Unido), Lollapalooza, Coachella Fest, entre tantos outros, mas estes são puramente fomentadores de cultura.
Um chafariz era um outro ponto de fotos do evento
É irreversível. Nos Estados Unidos, na Inglaterra, entre outros países, a cultura dos festivais já acontecem há décadas. Os mais velhos sempre vão reclamar com saudosismo e sempre farão comparações com o passado e costumam a dizer ainda que o rock morreu. Desde os anos 70 os roqueiros-murmuradores falam isto, e sempre continuarão a falar. Mas, desde os anos 50 até agora, o rock e a música pop, se reinventaram várias vezes, gerações e gerações vestiram roupas diferentes, ouviram riffs diferentes, assim como as batidas completamente diferentes a cada ano. Mas é daí?
Criticar um festival porque lá tem a Katy Perry, ou porque tem Roda Gigante e Montanha Rurra? O grupo The Jam, dos anos 70, já afirmava “That’s Entertaiment”, e como o Camisa de Vênus a traduziu: “É só pra passar tempo”, enfim, é puro entretenimento. Pela critica do jornalista, é porque lá tinha muitas lojas, banheiros e bares o bastante para se entreter? Bom, o importante disto tudo é que tinha música, então aumenta que isto daí é rock and roll, e viva os festivais!