segunda-feira, dezembro 29, 2014

A retrospectiva da saudade


Drops Yo
Há uma balela linguística que afirma que a palavra “saudade” é tipicamente brasileira, pois não há em outras línguas uma palavra que carrega tal sentimento. Tal afirmação descaracteriza este sentimento para usar, por exemplo, a palavra “miss” em Inglês e que tem o mesmo significado, porém ela vai ter o mesmo sentido da palavra saudade de acordo com a situação que ela for utilizada. Mas, não é exatamente isto que gostaria de dizer em referência a palavra saudade.

Nos últimos tempos, desde a época do Orkut, há uma centena de postagens nostálgicas sobre décadas anteriores. Até aí tudo bem, mas comecei a reparar que este revival ficou estranho de uns tempos pra cá. Isto por que há uma saudade enaltecedora do passado em detrimento da atual geração.

Estas coisas só acontecem quando realmente se finda uma geração e chega outra. Acredito que as gerações dos anos 60 até a dos anos 90, apesar de momentos históricos completamente diferentes, tinham, ainda, muitas coisas em comum, apesar de serem diferentes. De 2000 em diante a virada foi de 360 graus.

Alguns, mais antenados acompanham as mudanças, outros orgulham-se por sucumbir ao tempo e afirmam que já não pertencem a este tempo. E o pior, curtem e reproduzem retrospectiva do passado menosprezando a geração atual. A começar por enaltecer produtos do passado que já não existem e ainda afirmam, que, naquele tempo era melhor. É claro, que todos nós gostamos de relembrar momentos históricos e que marcaram nossas vidas, assim como as “coisas passadas”, mas não podemos afirmar categoricamente que eram melhores.

É até compreensível afirmar que esta geração é carente de talentos em todas as áreas. No esporte, na cultura, nas artes, não só o Brasil, mas o mundo está carente de talentos, de novos grupos, novas ideias… Aqui no Brasil, esta geração tem o funk, um estilo duvidoso e ruim, comparando a Caetano ou Chico Buarque, quando ainda jovens, mostraram seus talentos para sociedade.  Era um momento histórico diferente e aquele movimento estava em ebulição.

Hoje, todos estão carentes de algo bom para ser consumido em uma sociedade que não te oferece alternativas de ascensão, e um porta voz, seria um símbolo e iria fazer parte do “mainstream” social, é cult, para alguns, e alienação para outros.

Carrinho de Rolimã
Consumir a cultura pop, faz parte do repertorio da sociedade “pós-moderna” (alguns acreditam que isto não existe), porém, faz parte da identidade desta nova geração, que não jogou pião, não empinou pipa, não andou de carrinho de rolimã, entre outras brincadeiras que hoje são ultrapassadas, mas não faz disto, sermos melhores que a geração de hoje.


Mas, enfim… É muito bom ter do que se lembrar. Tudo isto faz parte de nossa história e a roda continua a girar. Talvez, daqui há 40 anos, alguns sentiram saudades do funk e ainda vão afirmar: “Como era bom aquele tempo”. Então, seja a geração que for, ou o tempo que for, tudo tem o seu valor e a história será relembrada pela palavra saudade.

quinta-feira, dezembro 11, 2014

Imagem de Aparecida do Norte nos anos 50

Revirando gavetas encontro estas três fotos antigas que meu pai guarda até hoje. Resolvo digitalizá-las para preservar esta memória. Nas imagens, aparecem pessoas que meu pai, na época com 20 anos, já lembra vagamente quem eram. Um detalhe importante eram as roupas da época.



terça-feira, outubro 28, 2014

Obrigado pela visita, durante todos estes anos - FIM DO BLOG

Olá pessoal, venho me despedir deste espaço, que durante anos, foi um cantinho onde desabafava, dizia, algo, escrevia besteiras, poesias, etc.
Foi muito legal durante todo este tempo em saber que, algumas pessoas, liam e visitavam estes espaço, que também serviu como meu TCC, do curso de Letras.

Obrigado.

Por favor - Meu novo espaço é: http://sergiospires.wordpress.com/ -
Aguardo você lá.

God Bless

sexta-feira, outubro 17, 2014

Auto retrato


me, myself and I

João bagunçando o guarda-roupa

Revirando as roupas do papai

Não será um gol de placa

Certamente o futebol é uma paixão nacional, e o gol talvez seja um orgasmo coletivo dos torcedores. Não só no futebol, mas em todos os esportes há lances que propõem uma alegria, tanto aos atletas, quanto a quem assiste as tais proezas feitas por eles. Mas não é só no esporte que as vitórias ou alguns lances “mágicos” são comemorados. Nos debates políticos que assistimos na televisão também. Cada ataque em seu adversário é comemorado pelos seus correligionários.

Mas, infelizmente que nível de debate a população realmente quer ver, de ataques ou de propostas? Lembro-me dos debates incríveis de Lula x Collor, Lula x Fernando Henrique, e me lembro vagamente da participação do Brizola, e também do finado Jânio Quadros em algumas destas “pelejas políticas”, e com certeza, Lula x Collor em 1989 foi a melhor de todas. 

 O encontro entre os dois políticos, faz parecer até final do campeonato brasileiro ou de Copa do Mundo; cada resposta dos candidatos era comemorada pelos militantes dos dois candidatos como se fosse um gol. Mas há uma comemoração especial, isto acontece quando o “gol é de placa”, aquele inesquecível, que vai ficar na memória para sempre, como o milésimo gol de Pelé, ou aquele gol de mão do Maradona contra a Inglaterra em 1986.

Ambos não foram bonitos, mas tiveram uma importância histórica. Com as eleições se aproximando, percebemos que os debates estão de baixo nível técnico. As acusações entre Dilma e Aécio tomam conta dos encontros dos dois candidatos e nas redes sociais, cada um defende o seu. As acusações de erros do “outro” são aplaudidas pelos oposicionistas, pois são armas para provar a “incompetência” de alguém.

Os dois candidatos têm erros e seus partidos também têm um passado que não se pode afirmar com a palavra “confiante”. Não é uma escolha fácil. A bola está na marca do pênalti, mas infelizmente não será um gol de placa, seja lá, quem será o eleito. De qualquer forma. God Bless a todos e ao Brasil.

sábado, setembro 13, 2014

Encarar de frente

Às vezes nos escondemos com medo de encarar os nossos problemas frente a frente. Mesmo nas horas difíceis é preciso ter moderação para não cometer erros, não julgar errado e estar sempre disposto a recomeçar. 

quinta-feira, julho 17, 2014

Monte Castelo: O dia em que os brasileiros massacraram os alemães

A Batalha de Monte Castelo (ou Monte Castello) foi travada ao final da Segunda Guerra Mundial, entre as tropas aliadas e as forças do Exército Alemão, que tentavam conter o seu avanço no Norte da Itália. 
Esta batalha marcou a presença da Força Expedicionária Brasileira (FEB) no conflito. A batalha arrastou-se por três meses, de 24 de novembro de 1944 a 21 de fevereiro de 1945, durante os quais se efetuaram seis ataques, com grande número de baixas brasileiras devido a vários fatores. Quatro dos ataques não tiveram êxito, por falhas de estratégia.
No final de fevereiro a grande parte do sucesso da ofensiva foi creditada à Artilharia Divisionária, comandada pelo general Cordeiro de Farias, que entre 16h e 17h do dia 22, efetuou um fogo de barragem perfeito contra o cume do monte Castello, permitindo a movimentação das tropas brasileiras e conquistando o local.
Renato Russo, utilizou este fato para compor uma das mais belas canções de amor, contra o ato da guerra.

quarta-feira, julho 02, 2014

Artur Alvin - A Festa das Torcidas

Se há um local bem interessante nos dias de jogos em São Paulo, este lugar se chama: Artur Alvin. Bem na saída do metrô, no caminho do estádio, a rua fica fechada. Como ela é repleta de "botequins", aqueles bem simples, tornou-se um "point" para quem não tem ingressos. Lá várias torcidas das demais seleções que estão sem ingressos, assistem aos jogos nestes botecos. "Nunca imaginei que isto iria acontecer aqui", disse um atendente de um destes "points" alternativo. A mímica é a única forma de expressão para se comunicar com os gringos.
Lá, tem "comidinhas" para todos os gostos: churrasquinho, torresmo, mocotó, carne seca, jabá... Tem os mais variados pratos de botecos. Claro! Existem alguns com infra-estrutura um pouco melhor, com a tradicional pizza. Com cervejas a R$ 7,00 a garrafa, o movimento não para em todos os botecos. Fui para assistir o jogo da Argentina e Suíça e acabei ficando até a segunda partida entre EUA e Bélgica.
A confraternização era algo bem legal, e podia-se notar vários torcedores trocando camisas. Eu, como não levei nenhuma para troca, ganhei a confiança de um grupo de mexicanos que me presentearam com a camisa do Chivas, autografada por Chichiarito. Com certeza vou retribuir com a camisa da seleção e e também uma do Palmeiras.

sexta-feira, junho 20, 2014

4 jogadores que fazem falta na seleção de Brasileira de Felipão

A Seleção Brasileira de Felipão não tem craques como no passado, com exceção de Neymar, onde à imprensa bota todas as esperanças, porém "craques" que não fizeram boas temporadas nos últimos dois anos, foram completamente descartados. Acredito que injustamente. Pelo menos quatro jogadores fazem muita falta.
Acredito que a convocação de Wilian neste momento foi equivocada, e no lugar dele RALF do Corinthians, por tudo que ele fez, nas últimas temporadas, deveria ter uma oportunidade.
Outra convocação equivocada é do atacante Jô. Trata-se de um atacante regular, e no lugar dele ROBINHO deveria ter sido convocado.
Por mais que Bernard tenha se destacado na última temporada, KAKA ainda é melhor. Se recuperou, fez ótimos jogos na última temporada e já foi eleito o melhor jogador do mundo. É um cara experiente que tinha muito a acrescentar ao grupo, por isso, o Kaka deveria ocupar a vaga de Bernard.
O último jogador que deveria ter sido convocado é o meia GANSO. Devido as suas últimas contusões o meia não teve destaque em suas últimas aparições, mas nos últimos jogos pelo São Paulo, provou estar recuperado e, se tivesse a confiança de Felipão, estaria entre os 23. Mas infelizmente, Felipão é teimoso. Não é mais o mesmo de 10 anos atrás. Seu último título pelo Palmeiras, deixou um legado: o rebaixamento do Campeonato Brasileiro, pois abriu mão das 6 primeiras rodadas, ou seja, Felipão abriu mão de disputar 18 pontos, de um campeonato competitivo.
A seleção com esta escalação acredito que seria mais respeitada e temida:

Julio César, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Paulinho, Ralf e Ganso, Robinho ou (Kaka), Neymar e Fred.

quinta-feira, maio 15, 2014

Se te queres matar, porque não te queres matar?

Proj-logo
Álvaro de Campos

Se te queres matar, porque não te queres matar?

Se te queres matar, porque não te queres matar?
Ah, aproveita! que eu, que tanto amo a morte e a vida,
Se ousasse matar-me, também me mataria...
Ah, se ousares, ousa!
De que te serve o quadro sucessivo das imagens externas
A que chamamos o mundo?
A cinematografia das horas representadas
Por actores de convenções e poses determinadas,
O circo policromo do nosso dinamismo sem fim?
De que te serve o teu mundo interior que desconheces?
Talvez, matando-te, o conheças finalmente...
Talvez, acabando, comeces...
E de qualquer forma, se te cansa seres,
Ah, cansa-te nobremente,
E não cantes, como eu, a vida por bebedeira,
Não saúdes como eu a morte em literatura!
Fazes falta? Ó sombra fútil chamada gente!
Ninguém faz falta; não fazes falta a ninguém...
Sem ti correrá tudo sem ti.
Talvez seja pior para outros existires que matares-te...
Talvez peses mais durando, que deixando de durar...
A mágoa dos outros?... Tens remorso adiantado
De que te chorem?
Descansa: pouco te chorarão...
O impulso vital apaga as lágrimas pouco a pouco,
Quando não são de coisas nossas,
Quando são do que acontece aos outros, sobretudo a morte,
Porque é a coisa depois da qual nada acontece aos outros...
Primeiro é a angústia, a surpresa da vinda
Do mistério e da falta da tua vida falada...
Depois o horror do caixão visível e material,
E os homens de preto que exercem a profissão de estar ali.
Depois a família a velar, inconsolável e contando anedotas,
Lamentando a pena de teres morrido,
E tu mera causa ocasional daquela carpidação,
Tu verdadeiramente morto, muito mais morto que calculas...
Muito mais morto aqui que calculas,
Mesmo que estejas muito mais vivo além...
Depois a trágica retirada para o jazigo ou a cova,
E depois o princípio da morte da tua memória.
Há primeiro em todos um alívio
Da tragédia um pouco maçadora de teres morrido...
Depois a conversa aligeira-se quotidianamente,
E a vida de todos os dias retoma o seu dia...
Depois, lentamente esqueceste.
Só és lembrado em duas datas, aniversariamente:
Quando faz anos que nasceste, quando faz anos que morreste;
Mais nada, mais nada, absolutamente mais nada.
Duas vezes no ano pensam em ti.
Duas vezes no ano suspiram por ti os que te amaram,
E uma ou outra vez suspiram se por acaso se fala em ti.
Encara-te a frio, e encara a frio o que somos...
Se queres matar-te, mata-te...
Não tenhas escrúpulos morais, receios de inteligência!...
Que escrúpulos ou receios tem a mecânica da vida?
Que escrúpulos químicos tem o impulso que gera
As seivas, e a circulação do sangue, e o amor?
Que memória dos outros tem o ritmo alegre da vida?
Ah, pobre vaidade de carne e osso chamada homem,
Não vês que não tens importância absolutamente nenhuma?
És importante para ti, porque é a ti que te sentes.
És tudo para ti, porque para ti és o universo,
E o próprio universo e os outros
Satélites da tua subjectividade objectiva.
És importante para ti porque só tu és importante para ti.
E se és assim, ó mito, não serão os outros assim?
Tens, como Hamlet, o pavor do desconhecido?
Mas o que é conhecido? O que é que tu conheces,
Para que chames desconhecido a qualquer coisa em especial?
Tens, como Falstaff, o amor gorduroso da vida?
Se assim a amas materialmente, ama-a ainda mais materialmente:
Torna-te parte carnal da terra e das coisas!
Dispersa-te, sistema físico-químico
De células nocturnamente conscientes
Pela nocturna consciência da inconsciência dos corpos,
Pelo grande cobertor não-cobrindo-nada das aparências,
Pela relva e a erva da proliferação dos seres,
Pela névoa atómica das coisas,
Pelas paredes turbilhonantes
Do vácuo dinâmico do mundo..
.

quinta-feira, maio 08, 2014

Seleção Brasileira é previsível, sem alternativas

Os 23 jogadores convocados por Felipão para disputar a Copa do Mundo no Brasil é um time previsível, com poucas surpresas e com alguns erros que podem custar caro. Alguns jogadores de "confiança" convocados nada mais são do que "nepotismo" futebolístico. Gosto muito do Henrique, ex-jogador do Palmeiras, zagueiro que sabe sair jogando, um cara versátil, que atua como volante e também na lateral. Mas tem outros jogadores na mesma posição que jogam mais futebol que ele. Seu defeito principal fazer "linha direta" da defesa para o ataque em lançamentos de 50 metros que nunca dão em nada. Mas não acredito que o problema da Seleção esteja na defesa, mas sim no "meio" e no ataque.
Robinho é um destes erros. Tá certo que o cara não esteja jogando o mesmo futebol que o consagrou  no Santos, mas deveria ter sido convocado por alguns motivos: Está no álbum de figurinhas (tinha que ir), fez uma parceria fantástica com Neymar no Santos; o cara sabe unir o grupo; é carismático e sempre sai bem nas coletivas de imprensa e por último humilhou o Corinthians, detonando o Rogério com suas pedaladas. Brincadeiras à parte, o Robinho poderia ser opção. Quando o Dunga tomou o segundo gol da Holanda na última Copa, ele olhou para o Banco e não viu ninguém que poderia entrar em campo como uma segunda opção. O Felipão corre o mesmo risco.
Júlio Cesar, o goleiro, que joga no time... Onde ele joga mesmo? Ninguém sabe. Ele joga lá no Toronto...(?!)
Lucas, o moleque aqui da Santo Afonso, vi o cara crescer, conheço a família... Depois do Neymar, a torcida clamava por Lucas. Foi para Europa e se perdeu, virou banco. Teve apenas uma chance com Felipão.
Na armação, quem vai ter que segurar o barco é o jovem William, aliás não tão jovem assim, o cara tem 25 anos. Mas se ele estiver mal... aí... O Felipão terá que improvisar. Fazer aquela coisa de volante-armador, coisa e tal.
Enfim. O time é bom. Conciso. Mas é muito pragmático. Ao contrário as seleções anteriores, não há craques que ficaram de fora, mas sim, bons jogadores que deixaram de ser convocados. Só o tempo nos irá responder.

terça-feira, abril 29, 2014

O rock morreu? Se não faleceu, está agonizando há tempos

O jornalista e critico musical André Forastieri lançou recentemente o livro “O Dia em que o Rock Morreu”. Não li a abra, mas já de antemão concordo plenamente com o título. O rock em sua origem “real” não existe mais. O termo permanecerá, pois sempre existirá e surgirão boas bandas e artistas, pois o “rock” deixou de ser “gênero” para ser “estilo” para ser vendido.
O rock nasceu lá em meados dos anos 50 com in fluência pesada de artistas que cantavam blues nos anos 40. Explodiu com Elvis Presley que o popularizou e escandalizou o mundo com sua dança e sua música. Mas, não foi ele sozinho, já havia uma cena acontecendo, dezenas de artistas estavam cantando e fazendo este tipo de música, graças a Adolf Rickenbacker, que introduziu captadores elétricos nos violões e em seguida produziu a guitarra no final dos anos 30 e, nos anos 50, este instrumento seria a chave para alavancar o rock.
Mas, não era só isto. O mundo pós-guerra estava confuso. Os jovens do final dos anos 50 temiam por uma terceira guerra mundial. A Europa estava se reconstruindo; os Estados Unidos ainda tinha as marcas do racismo e a guerra fria contra a União Soviética se acentuava; as mulheres e os negros lutavam pelos seus direitos e as drogas surgiram como uma concepção “religiosa” para  alcançar o “nirvana” e fazer “viagens transcendentais”. O mundo começa a ficar pop com a popularização da televisão e dos programas de auditório como o de Ed Sullivan e era preciso “entretenimento” e o rock era um bom produto.
Aquela coisa suja, contestada já por todos, é representada por um “bom moço”, oriundo de família Batista. Em sua primeira aparição na televisão Elvis Presley canta uma música gospel no programa de Ed Sullivan (https://www.youtube.com/watch?v=_PkUGDFLaUE), ganha corações das meninas e do público, mas ainda sim, o rock estava completamente ligado à transgressão da sociedade completamente conservadora.
Nos anos 60 o rock se consolida ainda mais com os Beatles e o surgimento de centenas de bandas e o festival Woodstock consagra de vez o rock como um modo de vida. O movimento hippie, “faça amor, não faça a guerra”, “sexo, drogas e rock and roll” eram comuns, pois o contexto social era diferente. Acreditava-se que a música, por meio do rock, seria capaz de mudar o mundo e mudar o comportamento das pessoas.
Com o passar do tempo, veio ainda o movimento punk, pós-punk, entre outros estilos que pregava um modo de viver. A música era a chave deste “sonho”, o termo “roqueiro” propiciava uma identidade ao jovem, que não era “nada”, apenas um estudante com um futuro incerto. Ser “roqueiro” significava que era contra o status quo da sociedade. Era também uma posição política, mesmo nunca tendo votado ou se interessado pelas notícias do dia a dia.
Nos anos 80 Bono Vox e seu U2 acreditava que a música poderia levar a paz e de mudar o mundo. Eu, quando adolescente, também acreditei nisto, conversava horas com meu amigo Élcio Paulo, que era fã do U2 e, com meu primo Claudio Sokz, que o rock ou as músicas poderiam mudar o estilo de vida das pessoas. Renato Russo cantava: “... Somos soldados, Pedindo esmola. A gente não queria lutar...”; A banda Ira cantava: “... Eu tentei fugir não queria me alistar, Eu quero lutar, mas não com essa farda...”
Entre outras dezenas de canções que carregavam em si, a alma do gênero.
Ainda nos anos 80, Morrissey dos Smiths era completamente contra o termo “British rock”, para ele, os Smiths era apenas uma banda pop, pois o rock já havia morrido. Se Moz estava certo ou não, nos anos 90 o rock em sua essência ressurgiu com o Nirvana e toda a galera de Seattle. O legal, é que a cena já estava acontecendo com o Soundgarden, Pearl Jam, Alice Chains, entre outras bandas, que já estavam tocando e o Nirvana apareceu para a mídia como um “porta-voz” de toda a galera.
Os jovens dos anos 90 ainda  merecem um estudo especial, pois era o princípio da mudança de vários paradigmas. Muito daquilo que os jovens buscavam décadas anteriores tinham sido conquistado nos anos 90, o filme “O segredo do Meu Sucesso”, de 1987, diz um pouco disto. Muitos padrões estavam mudando e novas drogas apareceram. Filmes como Trainspotting, de 1996, de Danny Boyle, baseado em livro homônimo de Irvine Welsh, retrata como os jovens desta década viviam. Outro filme importante é Singles, no Brasil “Vida de Solteiro”, de 1992, que mostra o estilo de vida dos jovens de Seattle, berço do movimento grunge. O interessante é que o cenário estava pronto para uma revolução, o estilo de vida daqueles jovens denunciava que algo tinha que acontecer, e o grunge é um pouco disto.
Desde então, a evolução tecnológica, o acesso à informação, a facilidade do marketing “do your self”, “do it”, fez com que as grandes gravadoras não investissem mais e novos talentos. Todos podem produzir e fazer música. O fim dos discos de vinil e dos CDs e as músicas na internet, também enfraquecem a cultura das lojas de discos, que faliram.

Hoje tudo é na hora, com apenas um clique no celular ou no computador e a música já não “salva o mundo” e todos os jovens sabem disto, mesmo o Bono Vox é claro. O rock em sua essência não tem mais a mesma semântica. É apenas um estilo para alguns e para os mais jovens ainda, “é coisa de velho”. Boas bandas sempre existirão, roqueiro que toma Coca-Cola ou cerveja em shows como eu, sempre existirão. Mas aquele rock de Iggy Pop, Stones, Led Zeppelin... Morreu... De vez em quando suspira por meio de uma Amy Winehouse aqui, e outra alí.

Lowdown

Um dos maiores clássicos da música pop com um groove-soul sensacional, com leves pitadas de guitarras e um vocal sensacional é do guitarrista pouco conhecido no Brasil, chamado William Royce Boz Scaggs, mais conhecido como "Boz Scaggs". O cara tem 20 álbuns gravados, desde os anos 60,  e passeia pelo blues, rock, funk... O cara é bem versátil e toca muito. Seu maior clássico é Lowdown que não canso de ouvir em suas mais variadas versões. Separei algumas sensacionais.
Boz Scaggs ao vivo no Japão em 1973

 

Mario Biondi, Incognito e Shaka Kan
  

Darryl Hall e Chromeo
  

terça-feira, abril 01, 2014

Uma pausa to take a picture...

Durante a milhares de foto na Colação de Grau Solene da FAENG no Clube Atlético Aramaçan, uma pequena pausa para uma foto com a Bianca e Marlu, que insiste em fechar os olhos em todas as fotos que tira.

segunda-feira, março 31, 2014

Casa do Norte Cupecê


Sou um exímio admirador de comidas e quitutes de boteco. Mas tem que ser boteco de bairro, tipo aquele que não tem menu, pois o que tem já fica exposto na estufa. Neste daí da foto, na Avenida Cupecê, que é uma das mais antigas da região sul de São Paulo, com quase 50 anos, o jabá é irresistível acompanhado com farinha, pimenta e se quiser vai bem com uma cerveja gelada ou uma cachaça específica da roça.

The Alan Parsons Project and friends...



Encontrando amigos no show do Alan Parsons Project. Um show atípico no HSBC Music Hall lotado, na última sexta-feira, dia 28.. O público com idade acima dos 40 foi comportado para ver as nuances da banda de rock progressivo dos anos 70, formada pelo produtor Alan Parsons. Na saída dei uma "palhinha".

terça-feira, março 04, 2014

Uma passagem por Onça de Pitangui

Visita à Roça de Onça de Pitangui

Sair de São Paulo e respirar ar puro no interior é uma delícia. Visitar a roça então, é um enorme prazer. Estar em um local tão agraciado por Deus, devido as belezas naturais, ar puro, barulho das águas do riacho... Poder comer frutas diretamente do pé, ver os animais soltos pelo quintal... Tantas coisas simples que já não existem mais na capital paulistana. Onça de Pitangui é só um pequeno pedaço de vários outros espalhados pelo Brasil que ainda proporcionam um local de paz. Assim, como a cidade de Pitangui, que logo mais postarei o que é a cidade.

terça-feira, fevereiro 25, 2014

Porque a menina que roubava livros é um poema


Toda a obra literária quando adaptada para o cinema perde a sua originalidade, desfaz aquele imaginário que as palavras foram capazes de construir em um mundo de fantasia inatingível na interpretação de quem o lê. Mesmo assim, ficamos felizes e ansiosos para ver qualquer adaptação de algum livro que lemos ou que pretendemos um dia ler.
Existem várias adaptações de livros fantásticos que, quando adaptados nos sentimos extremamente frustrados e ofendidos, mas não é o caso de “A menina que roubava livros”, do diretor Brian Percival, em sua adaptação da obra de Markus Zusak de 2007.
O livro é bem atual, mas a história se passa na Alemanha de Hitler e acontece entre 1939 e 1943. O nome do livro já me chamou atenção por várias vezes em que visitei algumas livrarias, e pelo nome interessantíssimo despertou-me uma curiosidade imensa em lê-lo, porém, nunca cheguei a compra-lo. Ao vê-lo no cinema, não titubeei e fui assisti-lo e achei um verdadeiro encanto. Se a adaptação é inferior ao livro, quero lê-lo imediatamente.
Ao chegar à sala de cinema completamente despretensioso quanto ao filme, me surpreendi com o enredo. Durante a Segunda Guerra Mundial, uma jovem garota chamada Liesel Meminger, interpretada por Sophie Nélisse, uma garota linda, com aquele olhar “oblíquo” de Capitu, sobrevive com muitas dificuldades pela situação financeira de sua família e também pelo preconceito de ingressar na escola completamente analfabeta. Seu pai adotivo, um velhinho bem legal, interpretado por Georffrey Rush começa a contar-lhe algumas histórias e a educar e ela toma gosto pela literatura.
Logo em seguida ela começa a partilhar livros com seus amigos, incluindo um homem judeu, Max, interpretado por Ben Schnetzer, que vive na clandestinidade em sua casa. Enquanto não está lendo ou estudando, ela realiza algumas tarefas para a mãe, que no começo do parecia uma bruxa, mas no decorrer da história seu coração vai se transformando em uma pessoa maravilhosa, interpretada por Emily Watson. Todo o enredo é compartilhado pelo apaixonado garoto Rudy, que sonha um dia ser beijado Liesel.
O roteiro em si, que parece simples tem um narrador nada comum: a morte. Ela fala com o telespectador como a testemunha da história. A morte omite opiniões sobre todas as pessoas, é um personagem onisciente, com uma visão diferente de cada personagem do enredo. É impossível não se emocionar com o olhar inocente de Liesel em uma escola nazista sem entender o que estava acontecendo ao seu redor.

O diretor foi capaz de prender o telespectador do começo ao fim, com as imagens de um bairro simples, pequeno e pobre no inicio da Alemanha Nazista, e informa como o povo daquela época vivia e que o ingressar no exército nazista poderia proporcionar para aquelas pessoas. Tudo isto, faz o filme e o livro ingressar no roll dos “clássicos”.

quarta-feira, fevereiro 12, 2014

Ontem parei atrás da...


Ontem, dia 11 de fevereiro fui até o Dante Pazzanese e no meu caminho apareceu uma "Chana", e por coincidência ela estacionou na minha frente. Fiquei atrás da danada.

sexta-feira, janeiro 24, 2014

O fim dos CDs


Aqueles disquinhos prateados tão admirados no final dos anos 80 e que virou febre nas décadas seguintes, estão com seus dias contados. Está cada vez mais difícil a compra dos CDs, parte porque o monopólio de grandes redes, como Lojas Americanas, entre outras, detêm todo o poder de vendas destes produtos. As demais lojas penam para efetuar uma venda. Resta apenas a internet ou ir às galerias do rock no centrão, para quem prefere comprar, e não baixar no iTunes ou em qualquer outro lugar.
Mas o fato que me chama atenção na possível morte dos CDs não é isto, mas sim os aparelhos. Existe uma lógica no mercado, que induz um aparelho a depender do outro, assim como um aparelho de DVD, que precisa da televisão que tenha uma saída específica para ele, ou as antigas fitas cassetes ou VHS que dependiam de seus respectivos aparelhos, e assim por diante.
O mesmo está acontecendo com os CDs. Os novos aparelhos já não estão vindos com leitor de CDs, mas sim, com a saída de pendrive e entradas de cartões de memória.
Ao trocar de carro, meu rádio pionner era responsável por tocar vários cds e já deixava o "case" no porta-luvas. Agora, o novo carro, me trouxe um rádio moderno, mas não tem cd player, e sim, entrada de pendrive e cartão de memória, para minha angustia danada.
Fiz uma peregrinação nas principais lojas do mercado, e só encontro DVD players ultramodernos, com super telões. Definitivamente não! Não quero ver filmes enquanto dirijo, mas sim ouvir um cd por semana, fazer dele a minha trilha sonora contra o trânsito. Não gosto de música em pendrives, por mais que seja cômodo, quero o CD e não acho o diacho do aparelho.
A maior frustração é que os novos lançamentos destes aparelhos, como este, logo acima na propaganda, já não trazem o leitor de CDs, isso quer dizer que, quando os nossos aparelhos mais antigos quebrarem, não haverá um novo que  o substitua... Triste fim do CD. Isso nos obriga a baixar músicas na rede, ou transformar os arquivos dos CDs em MP3 e fazer coletâneas em cartões e pen drives... Droga!!

 

quinta-feira, janeiro 16, 2014

TABELA DE GRADUAÇÃO MASCULINA




1 – Esportes 
A – Futebol, automobilismo, esportes radicais. (Macho)
B – Tênis, boliche, lutas, voleibol. (Tendências gays)
C – Aeróbica, spinning. (Gay)
D – Patinação no Gelo, Ginástica Olímpica. (Bichona)
E – Os mesmos anteriores, usando short de lycra. (Louca)
2 – Comidas
A – Capivara, javali, comida muito apimentada. (Conan)
B – Churrasco, Massas, Frituras. (Macho)
C – Peixe e salada. (Fresco)
D – Sanduíches integrais. (Gay)
E – Aves acompanhadas de vegetais cozidos no vapor. (Bicha assumida)
3 – Bebidas
A – Cachaça, cerveja, whisky. (Macho)
B – Vinho, vodka. (Homem)
C – Caipifruta. (Gay)
D – Suco de frutas normais e licores doces. (Muito gay)
E – Suco de açaí, carambola, cupuaçu, com adoçante. (Perdidamente gay)
4 – Higiene
A – Toma banho rápido, usa sabão em barra. (Legionário)
B – Toma banho rápido, usa xampu e esquece das orelhas ou do pescoço. (Macho)
C – Toma banho sem pressa, curte a água e soca umazinha. (Homem)
D – Demora mais de meia hora e usa sabonete líquido. (Tendências gays sérias)
E – Toma banho com sais e espuma na banheira. (Viadaço assumido)
5 – Cerveja
A – Gelada e em grandes quantidades. (Macho)
B – Só cervejas extra, premium e importadas. (Homem fino demais)
C – Só uma às vezes para matar a sede. (Bichice sob controle)
D – Com limão e guardanapo em volta do copo. (Bicha)
E – Sem álcool. (Gazela saltitante)
Ps: tem aqueles que só bebem em copo descartável. (Não saiu do armário)
6 – Presentes que gosta de ganhar
A – Ferramentas. (Ogro)
B – Garrafa de whisky. (Macho)
C – Eletrônicos, informática, roupas de homem. (Homem moderno)
D – Flores. (Viado)
E – Velas aromáticas, perfumes, doces caramelados, bombons. (Donzela virgem)
7 – Cremes
A – Só pasta de dentes. (Macho)
B – Protetor solar só na praia e piscina. (Homem moderno)
C – Usa cremes no verão. (Bicha fresca)
D – Usa cremes o ano todo. (Bichona total)
E – Não vive sem hidratante. (Fila de espera da operação pra troca de sexo)
8 – Animais de estimação
A – Animal de quê? (Macho)
B – Tem um vira-lata que come restos da comida. (Homem)
C – Tem cão de raça que vive dentro de casa e come ração especial. (Bicha)
C – O cão de raça dorme na sua própria cama. (Bichona total)
E – Prefere gatos. (Totalmente passiva)
9 – Plantas
A – Nem pra comer. (Troglodita)
B – Come algumas de vez em quando. (Rambo)
C – Tem umas no quintal, nem são regadas. (Homem)
D – Tem plantinhas na varanda do apartamento. (Viado)
E – Rega, poda e conversa com as flores do jardim. (Bichona perdida)
10 – Espelho
A – Não usa. (Viking)
B – Usa para fazer barba. (Macho)
C – Admira sua pele e observa seus músculos. (Gay)
D – Idem c, e ainda analisa a bunda. (Louca)
E – Admira-se com diferentes camisas e penteados. (Traveco)
11 – Penteado
A – Não se penteia. (Macho)
B – Só se penteia pra sair à noite. (Homem)
C – Se penteia várias vezes ao dia. (Fresco)
D – Pinta o cabelo. (Bichona total)
E – Dá conselhos de penteados. (Bichaça louca)
12 – Limpeza da casa
A – Varre quando a sujeira estala na sola do pé. (Animal)
B – Varre quando o pó cobre o chão. (Macho)
C – Varre uma vez por semana. (Fresco)
D – Limpa com água, detergente e aromatizante. (Gayzaço)
E – Usa espanador de pó e tem um avental. (É a esposa do espanador)
13 – Filmes
A – Sexta-feira 13, A Hora do Pesadelo, Brinquedo Assassino, Laranja Mecânica, Pânico. (Mad Max)
B – Indiana Jones; filmes de Charles Bronson, Chuck Norris e Bruce Lee. (Macho)
C – Os Trapalhões, Loucademia de Polícia, Um Tira da Pesada. (Fresco)
D – Forrest Gump, A Lagoa Azul; filmes de Richard Gere, Leonardo di Caprio e Julia Roberts. (Bichona)
E – Super Xuxa contra o Baixo-Astral, Eliana e o Segredo dos Golfinhos. (Gazelaça)

quarta-feira, janeiro 15, 2014

Rolê no shopping sempre foi moda

Não é de hoje que dar um rolê no shopping é uma “novidade” e nunca um tema tão besta é tão discutido e debatido nas redes sociais, e em todos os meios de comunicação. Um fato é latente: quando pobres adolescentes se mobilizam com os meios elitizados, no caso a internet, o assunto tomou dimensões estratosféricas. Mas, estes mesmos shoppings foram palco de manifestações de mulheres pelo direito à amamentação, chamado de “mamaço” e foi convocada pela mesma rede, houve ainda a campanha contra homofobia por meio do beijo gay nas praças de alimentação nos shoppings, entre outros.
Então porque os roles chamaram atenção? Seja qual for a resposta, ela terá tom ideológico-político. Mas precisamente, porque são pobres, curtem funk e aparecem em grande número. A grande maioria não quer roubar nada, quanto menos fazer algum tipo de arrastão quer apenas se divertir e conhecerem novas pessoas, como afirmou um jovem em entrevista à reportagem da TV Globo.
Moda antiga, lembro quando estudava na E.E. Dr. Alberto Levy, na Avenida Indianópolis, que fica em um bairro nobre na zona sul de São Paulo. Quando tínhamos aula-vaga, combinávamos e íamos em “bando” até o Shopping Ibirapuera. Lá encontrávamos com outros jovens de outras escolas que tinham ao redor e ficávamos na escadaria externa atrás do shopping, onde ficava o cinema e em frente a um fliperama que existia na Rua Maracantins. Passávamos horas ali azarando. Uma turma preferia ficar na parte interna no primeiro piso onde tinha vários bancos, um jardim e uma fonte de água. Eram muitos estudantes e ali era um ponto de encontro sagrado. Todos sabiam disto.
Para evitar este público, o Shopping Ibirapuera fechou o cinema, o fliperama na Maracantins não existe mais, e a fonte de água com bancos que havia na parte interna foram retirados há tempos.
Qual a diferença destas duas épocas? Talvez a música, ou seja, o rock não representa mais os anseios dos jovens, pois é algo pasteurizado demais. É um monte de menininhos e menininhas bonitinhas fazendo caras e bocas com uma guitarra ganhada pelo papai, como Restart, KLB, NXzero, CPM22... Como gostar de rock ouvindo isto? Não há referência.
O funk não, o batidão carioca... (“quero deixar claro, que não defendo e não gosto deste estilo, porém é original, no sentido da realidade da produção), ele canta esta “realidade” por meio de seu estilo, que é a “ identidade funk”. As letras não dizem nada, aliás, são recheadas de palavrões, que passam despercebidos... A molecada aprova: sacanagem-ostentação – um tapa na cara nas grandes produtoras e gravadoras que apostam milhões no sertanejo, no rock de mentira das bandinhas.
Mas elas não param, e descobrem Anita, Valesca Popozuda, MC Catra, Naldo... Um pandemônio de funkeiros que seguem a “linha”, e suas músicas tocam nas rádios.
Identidade - Estes dias estava em viagem e pensei: “Porque quando era adolescente não coloquei uma mochila nas costas e fui viajar?” Olhei ao meu redor, e não vi um adolescente sozinho sequer. Adolescente pertence ao grupo. Sua identidade é múltipla, característica da pós-modernidade. O escritor Stuart Hall deixa bem claro em sua obra: “A identidade cultural na pós-modernidade”. E, este fenômeno também nos atinge, pois o meio nos possibilita a múltiplas identidades.

Tratar o caso com repressão é afirmar e confirmar que há preconceito, como aconteceu no shopping Interlagos, onde os jovens compareceram em massa e foram reprimidos.

terça-feira, janeiro 14, 2014

Acabaram-se os discos e os amigos secretos

Tá certo! Pode até parecer coisa nostálgica e coisa e tal! Mas, a brincadeira de “amigo secreto” ou “amigo oculto” sem presentear ou ser presenteado com um CD, não tem a menor graça. A brincadeira ficou penosa e chata.
Para começar, o parâmetro dos preços destes presentes era baseado nos valores dos discos, em torno de R$ 30 a R$ 60. Os valores eram baseados nos lançamentos de discos das principais bandas, que estavam bombando nas lojas e dos álbuns e, todos queriam aquele disco raro ou o mais vendido da época, que geralmente eram caros e todos queriam ganhar. A maioria dos presentes até pouco tempo, era o CD, pois quase todos pediam, com exceção de alguns é claro, pois faz parte da regra.
Ainda tenho em casa dezenas destes discos que me foram presenteados. Um dos mais raros foi o álbum “The Queen is dead” dos Smiths, que ganhei da Claudia, quando cursava o 2º ano colegial no Alberto Levy e, este ainda foi comprado na antiga loja “Hi-Fi”, pois tem um enorme selo na capa, o que valorizava ainda mais o presente. Tenho ainda o Pink Floyd, U2, Housemartins, Iron Maiden, Legião Urbana II, Paralamas, Titãs, AC/DC, que foram presentes desta brincadeira.
Agora está tudo chato. Não sei escolher roupa nem pra mim, imagina para os outros? Perfume é algo pessoal, assim como roupa, sempre peço ajuda de alguém da brincadeira para me auxiliar nos presentes, pois não tenho a mínima ideia do que comprar.
Hoje, amigo secreto só em família, pois há uma intimidade maior, mas evito esta brincadeira a todo custo em qualquer outro ambiente, pois já não tem mais graça. A não ser que as pessoas combinem que os presentes só possam ser duas coisas: livros ou CDs.

segunda-feira, janeiro 13, 2014

Com o pé na porta, ops! No e-mail

Acho que ninguém gosta de abrir a pasta de e-mails recebidos e encontrar um monte de e-mails indesejados. Recebo até poucos, comparando-os com de amigos. Nas 4 contas de e-mails que possuo, chego a receber umas 250 mensagens por dia. É um número absurdo. As empresas de marketing obtêm a cada instante o nosso endereço e, insistem e propagandas das mais diversas, que vão desde os produtos, que realmente temos interesses, como Hotel Urbano Groupon, Peixe Urbano, ou algo do gênero, até propagandas capciosas, como; “aumente o tamanho do seu pênis”.
Gastamos um enorme tempo, selecionando quais e-mails devemos abrir e lê-lo, porém está cada vez mais difícil. Não porque não temos interesses, é pelo tempo que leva para fazer esta filtragem. Antes, bastava identifica-lo como “spam” e já estava resolvido, hoje não! É uma verdadeira praga.
Lembrei-me de quando era criança, daqueles antigos vendedores de livros da enciclopédia Barsa. Era uma “profissão de luxo”, os caras batiam de porta em porta, utilizando uma maletinha com alguns exemplares, folhetos e super alinhados, usavam terno e gravata. Certa vez um destes caras bateu lá em casa.
Meu pai, por educação o deixou adentrar na sala, e o tal vendedor conseguiu tal feito, ao perguntar se havia estudante em casa. Morando na periferia, onde muitos moleques da minha idade não iam mais à escola, o meu pai respondeu orgulhoso: sim! Porém, esta foi a senha para o vendedor, utilizar de suas artimanhas das palavras e tentou convencê-lo que a tal enciclopédia com mais de 50 livros (cada um do tamanho da bíblia), seria a solução para os meus estudos até a faculdade.
O valor daquele negócio era tão caro, mais tão caro, que era quase o mesmo preço de um fusca, o carro mais popular, da época, isso lá nos anos 80. Só então, percebeu que era uma furada, que não tinha condições. Mas o cara insistia, insistia, insistia... Minha mãe serviu café, e o cara de tanto falar, quase ficou para a janta. Mas, enfim, o negócio não foi fechado, o cara desistiu.
Depois disso, vieram outros vendedores, todos iguais. Parecia aquela cena clássica, quando você abre a porta e a pessoa, querendo entrar põe o pé, para que você não a feche. É bem isso os e-mails atuais. Os vendedores não batem mais na sua porta, eles a invadem sua casa por meio do computador, mais exatamente pelo e-mail.
O que fazer então? É bem simples: paciência faz parte da tecnologia, da tal modernidade, ruim, é. Impossível sem ela.

sexta-feira, janeiro 10, 2014

quarta-feira, janeiro 08, 2014

Campos do Jordão I


 Pequenas imagens de Campos.

São Silvestre 2013


Esta foi a 6ª participação consecutiva da São Silvestre. Porém, como nos anos anteriores, tive uma lesão na coxa direita durante no Km 11. Os preparativos para a São Silvestre 2014 começaram hoje.